Impacto da inatividade física nos custos de internações hospitalares para doenças crônicas no Sistema Único de Saúde

Márlon Martins Moreira, Erica Midori Ikegami, Izabelle Mara Rodrigues Mesquita, Elisângela de Assis Amaro, Vanessa Vieira Pena, Joilson Meneguci, Cíntia Aparecida Garcia, Jair Sindra Virtuoso Júnior

Resumo


Objetivo: Avaliar o impacto da inatividade física nos custos de internações em idosos portadores de Doenças Coronárias, Diabetes Mellitus tipo II, Neoplasias de mama e cólon, bem como a economia em gastos para a população fisicamente ativa. Métodos: Estudo de caráter descritivo, realizado a partir de dados secundários obtidos do Sistema Único de Saúde (SUS), referentes aos custos das internações por Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT). Os custos foram extraídos através do Departamento de Informática do SUS, no Sistema de Informações Hospitalares, segundo doenças coronárias, diabetes mellitus e câncer de cólon e de mama, nas cinco regiões brasileiras para a faixa etária de 60 anos ou mais no período de janeiro de 2015 a abril de 2016.Utilizou-se a fração atribuível populacional (PAF) referente a causa de internação estratificada por região. Resultados: A prevalência total de inatividade física no país correspondeu a 62,7% da população idosa, com maior percentual para a região Norte (65,8%) e menor para a região Nordeste (61,5%). Conclusão: A inatividade física impacta significativamente o número de internações hospitalares pelas causas avaliadas e nos custos resultantes, com diferenças na ocorrência dependendo do sexo e região do País.


Palavras-chave


crônica, Sistema Único de Saúde, perfil de impacto da doença, hospitalização

Texto completo:

P.16-19

Referências


Duncan BB, Stevens A, Schmidt MI. Mortalidade por doenças crônicas no Brasil: situação em 2010 e tendências de 1991 a 2010. In: Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2011. Brasília, DF; 2012. p.95-103.

Schmidt MI, Duncan BB, Stevens A, Luft V, Iser BPM. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: mortalidade, morbidade e fatores de risco.

In: Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2009: uma análise da situação de saúde e da Agenda Nacional e Internacional de Prioridades em Saúde. Brasília, DF; 2010. p.111-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Bielemann RM, Knuth AG, Hallal PC. Atividade física e redução de custos por doenças crônicas ao sistema Único de saúde. Rev. bras. ativ. fís. Saúde 2010;15(1):8-14.

Hallal PC, Andersen LB, Bull FC, Guthold R, Haskell W, Ekelund U, et al. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. Lancet. 2012;380(9838):247-57.

Bueno DR, Marucci MFN, Codogno JS, Roediger MA. Os custos da inatividade física no mundo: Estudo de revisão. Ciênc. saúde coletiva 2016;21(4):1001-1010.

Soeiro A de M, Fernandes FL, Soeiro MCF de A, Serrano CV, de Oliveira MT.Características clínicas e evolução de longo prazo de pacientes jovens com síndrome coronariana aguda no Brasil. Einstein . 2015;13(3):370-375.

Ministério da Saúde. DATASUS http://datasus.saude.gov.br/sistemas-e-aplicativos/hospitalares/sihsus, acesso 06/05/2016.

Rezende LF, Rabacow FM, Viscondi JYK, Luiz OC, Matsudo VK, Lee IM. Effect of physical inactivity on major noncommunicable diseases and life expectancy in Brazil. J Phys Act Health. 2015;12(3):299-306.

Lee IM, Shiroma EJ, Lobelo F, Puska P, Blair SN, Katzmarzyk PT, et al. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet, 380: 219–229, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Síntese de indicadores. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Nair KS. Aging muscle. Am J Clin Nutr 2005;81(5):953-963.

Evans WJ. Skeletal muscle loss: cachexia, sarcopenia, and inactivity. Am J Clin Nutr. 2010;91(4):1123S-1127S.

Artaud F, Dugravot A, Sabia S, Singh-Manoux A, Tzou¬rio C, Elbaz A. Unhealthy behaviors and disability in older adults: Three-City Dijon cohort study. BMJ. 2013;347.

Lêng CH, Wang JD. Long term determinants of func¬tional decline of mobility: an 11-year follow-up of 5464 adults of late middle aged and elderly. Arch Gerontol Geriatr. 2013;57(2):215-220.

Iser BPM, Stopal SR, Chueiri PS, Szwarcwald CL, Malta DC, Monteiro HOC, et al. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde 2015;24(2):305-314.

Jeon, C.Y., Lokken, R.P., Hu, F.B., van Dam. R.M. Physical activity of moderate intensity and risk of type 2 diabetes: a systematic review. Diabetes Care. 2007;30(3):744-52.

Friedenreich CM. The role of physical activity in breast cancer etiology. Semin Oncol. 2010;37(3):297-302.

Wolin KY, Yan Y, Colditz GA, Lee IM.Physical activity and colon cancer prevention: a meta-analysis. Br J Cancer. 2009;100(4):611-6.

Siqueira, F.V; Facchini, L.A; Piccini, R.X; Tomasi, E; Thumé, E; Silveira, D.S; Hallal, P.C. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste. 2008:24(1):39-54.

Peixoto SV, giatti L, Elmira A, Fernanda LC. Custo das internações hospitalares entre idosos brasileiros no âmbito do Sistema Único de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2004:13(4):239-46.

Soto PHT, Raitz GM, Bolsoni LL, Costa CKF, Yamaguchi MU, Massuda EM. Morbidades e custos hospitalares do Sistema Único de Saúde para doenças crônicas. Rev Rene. 2015:16(4):567-75.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte de Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.