Análise das lesões em atletas amadores praticantes de corridas de rua

Max dos Santos Afonso, Carolina Corrêa de Freitas, William Wally da Silva e Sousa, Maicon de Pinho Souza, Marla dos Santos Afonso, Abelardo Soares de Oliveira Júnior, Fernanda Burlani Neves, Tania Cristina Malezan Fleig

Resumo


Objetivos: Analisar os tipos de lesões mais comuns nos atletas de rua, comparar aos seguintes coeficientes sexo, idade, flexibilidade e força muscular, também, investigar aspectos sociodemográficos dos praticantes. Métodos: No evento promovido pela ACORRG, quatorze atletas foram submetidos à realização de um questionário sobre seus hábitos de treino contendo treze questões e dois testes um de flexibilidade, teste do banco de Wells, outro de força muscular, teste de 1RM. Resultados: Os resultados apresentaram distensão muscular e tendinopatia como principais afecções, e destacou-se no sexo feminino com seis de sete voluntárias, atingindo o padrão de excelência na flexibilidade.  O equilíbrio foi predominante na força muscular não apresentando diferença significante entre os sexos. A relação flexibilidade e força muscular demonstram superação feminina em ambos os valores. Conclusão: A influência da força muscular e flexibilidade resultaram numa influente e decisiva relação na formação de lesões, pois nas mulheres onde os valores foram considerados positivos, o número de atletas sem lesão foi maior.


Palavras-chave


lesões, atletas, flexibilidade

Texto completo:

P.168-171

Referências


Yamato TP, Saragiotto BT, Lopes AD. Prevalência de dor musculoesquelética em corredores de rua no momento em que precede o início da corrida. Rev. Bras. Ciênc. Esporte 2011;33(2):475-482

Pastre CM, Filho GC, Monteiro HL, Júnior JN, Padovani CR. Lesões desportivas no atletismo: comparação entre informações obtidas em prontuários e inquéritos de morbidade referida. Rev. Bras. Med. Esporte 2004;10(1):1-8.

Andrews JR, Harrelson GL, Wilk KE. Reabilitação física das lesões desportiva. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000.

Bandy WD, Irion JM, Briggler M. The effect of static stretch and dynamic range of motion training on the flexibility of the hamstring muscles. J Orthop Sports Phys Ther. 1998;27(4):295-300.

Hall JE, Guyton AC. Fundamentos De Fisiologia. 12.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

Powers SK, Howley ET. Fisiologia do Exercício. 6.ed. São Paulo: Editora Manole, 2009.

Goldim JR. Manual de iniciação à pesquisa em saúde. 2. ed., rev. e ampl. Porto Alegre: Da Casa, 2000.

Vieira S, Hossne WS. Metodologia científica para área da saúde. 9ª reimpressão. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2001.

Santana FS. Efeitos do destreinamento físico na capacidade funcional de idosos submetidos a um programa de treinamento resistido. Dissertação (Mestrado em Educação Física), 54 f., Il. Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

Américo SPF, Souza VV, Guimarães CQ, Rolla AFL. Utilização do Teste de 1-RM na Mensuração da Razão Entre Flexores e Extensores de Joelho em Adultos Jovens. Rev. Bras. Med. Esporte 2011;17(2):111-114.

Arruda GA, Pianca HJC, Oliveira AR. Correlação do Teste de 1RM com Aspectos Maturacionais, Neuromotores, Antropométricos e a Composição Corporal em Crianças e Adolescentes. Rev. Bras. Med. Esporte 2011;17(3):179-183.

Dias RMR, Cyrino ES, Salvador EP, Caldeira LFS, Nakamura FY, et al. Influência do processo de familiarização para avaliação da força muscular em testes de 1-RM. Rev. Bras. Med. Esporte 2005;11(1):34-38.

Vale RGS, Novaes JS, Dantas EHM. Efeitos do treinamento de força e de flexibilidade sobre a autonomia de mulheres senescentes. R. bras. Ci. e Mov. 2005;13(2): 33-40.

Carvalho ACG, Paula KC, Azevedo TMC, Nóbrega ACL. Relação entre flexibilidade e força muscular em adultos jovens de ambos os sexos. Rev Bras Med Esporte 1998;4(1).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.