Avaliação do equilíbrio, postura e qualidade de vida de deficientes visuais

Gabriela Gonçalves Machado, Izadira Cristina Barcelos Oliveira, Wilbert Esteban Cárdenas Urquizo, Suraya Gomes Novais Shimano, Nuno Miguel Lopes Oliveira

Resumo


Objetivo: Avaliar o equilíbrio, a postura e a qualidade de vida (QV) de pessoas com deficiência visual (DV) que não praticam atividade física (AF). Métodos: Participaram do estudo 8 pessoas com DV. Critérios de inclusão: apresentar DV, ser cadastrado no Instituto dos Cegos do Brasil Central e aceitar participar. Critérios de não inclusão: deficiência auditiva ou sensorial, déficit cognitivo, labirintite e realizar AF. Foram excluídos os que não foram em todas as avaliações. Foi avaliado o equilíbrio pela baropodometria, a postura pelo Software de Avaliação Postural (SAPO) e QV pelo questionário World Health Organization Quality of Life Instruments - Bref. Foi realizada a análise descritiva de todos os dados, os baropodométricos e do SAPO foram submetidos ao teste de Wilcoxon. Resultados: Houve uma oscilação ântero-posterior (AP) significativamente maior em relação a látero-lateral em apoio unipodal (AU) direito (p=0,01) e AU esquerdo (p=0,01). No SAPO as alterações significativas foram o ângulo entre os dois acrômios e as duas espinhas ilíacas ântero-superiores (p=0,03), alinhamento vertical da cabeça direito (p=0,04) e esquerdo (p=0,02). Na QV apresentou menores escores nos domínios ambiente 55,47% e relações socias 60,42%. Conclusão: Os DV não praticantes de AF apresentam uma oscilação corporal significativamente maior no sentido AP, anteriorização da cabeça, protrusão de ombros, anteroversão pélvica e baixos escores de QV.


Palavras-chave


deficiência visual, equilíbrio postural, postura, qualidade de vida

Texto completo:

P.41-45

Referências


Santos ACS. Desempenho de crianças e adolescentes com baixa visão na Escala de Equilíbrio Pediátrica. [Dissertação de mestrado – Programa De Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente]. Recife (PE): Universidade Federal de Pernambuco; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.128, de 24 de dez de 2008. Define que as Redes Estaduais de Atenção à Pessoa com Deficiência Visual sejam compostas por ações na atenção básica e Serviços de Reabilitação Visual [portaria na internet]. Diário Oficial da União 24 dez 2008 [acesso em 07 fev 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt3128_24_12_2008.html.

Oliveira DG, Shimano SGN, Salomão AE, Pereira K. Avaliação do perfil socioeconômico, formação profissional e estado de saúde de pessoas com deficiência visual. Rev Bras Oftalmol 2017; 76 (5): 255-258.

Frade MCM, Cardeña JP, Shimano SGN, Oliveira CCES, Oliveira NML. Equilíbrio dos deficientes visuais antes e após gameterapia. Rev Educ Esp 2014; 27(50): 751-764.

Parreira RB, Grecco LAC, Oliveira CS. Postural control in blind individuals: A systematic review. Gait Posture 2017; 57:161-167.

Silva MB, Shimano SGN, Oliveira CCES, Conti V, Oliveira NML. Avaliação das alterações posturais e retrações musculares na deficiência visual: estudo de caso. Saúde Colet 2011; 8(49):77-82.

Ruhe A, Fejer R, Walker B. The test–retest reliability of center of pressure measures in bipedal static task conditions – A systematic review of the literature. Gait Posture 2010; 32:436-445.

Friedrich M, Grein HJ, Wicher C, Schuetze J, Mueller A, Lauenroth A, Hottenrott K, Schwesig R. Influence of pathologic and simulated visual dysfunctions on the postural system. Exp Brain Res 2008; 186(2):305-314.

Oliveira DN, Barretos RR. Avaliação do equilíbrio estático em deficientes visuais adquiridos. Rev Neurocienc 2015; 13(3):122-127.

Catanzariti JF, Salomez E, Bruandet JM, Thevenon A. Visual deficiency and scoliosis. Eur Spine J 2001; 26(1):48-52.

Marques MM, Neto JC, Oliveira NML, Oliveira CCE, Ruas G, Shimano SGN. Efeitos da fisioterapia aquática na deficiência visual: relato de caso. Rev Neurocienc 2015; 23(1):136-142.

Monteiro-Fernández N, Serra-Rexach JA. Role of exercise on sarcopenia in the elderly. Eur J Phys Rehabil Med 2013; 49(1):131–143.

Martins NA, Grasiely FB. La discapacidad visual y la práctica de las actividades físicas. EFDeportes 2018; 23:247.

Cintra VM. Efeitos de um protocolo adaptado de pilates sobre o equilíbrio em deficientes visuais. [Monografia]. Uberaba (MG): Universidade Federal do Triângulo Mineiro; 2018.

Cárdenas-Urquizo W. Efeitos de um protocolo adaptado de pilates em deficientes visuais. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia]. Uberaba (MG): Universidade Federal do Triângulo Mineiro; 2018.

Vilela IC. Efeitos de um protocolo adaptado de pilates na postura e na qualidade de vida de deficientes visuais do instituto dos cegos do Brasil central. [Monografia]. Uberaba (MG): Universidade Federal do Triângulo Mineiro; 2018.

Pereira BC, Medalha CC. Avaliação postural por fotometria em pacientes hemiplégicos. ConScientiae Saúde 2008; 7(1):35-42.

Iunes DH. Análise quantitativa do tratamento da escoliose idiopática com o método Klapp por meio da biofotogrametria computadorizada. Rev Bras Fisioter 2010; 14(2):133-40.

Fleck MPA. O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100): características e perspectivas. Cien Saude Colet;2000; 5(1):33-38.

Duarte M, Ferreira EA, Maldonado EP, Freitas AZ. (2005) Documentação sobre o SAPO – Software para avaliação postural.

Greve J, Alonso A, Bordini Ana C, Camanho GL. Correlation between body mass index and postural balance. Clinics 2007; 62(6):717-720.

Barela JA. Estratégias de controle em movimentos complexos: ciclo percepção-ação no controle postural. Rev Paul Educ Fís [Internet] 2016; 3:79-8.

Sanchez HM, Barreto RR, Baraúna MA, Canto RST, Morais EG. Avaliação postural de indivíduos portadores de deficiência visual através da biofotogrametria computadorizada. Fisioter Mov 2008; 21(2):11-20.

Ferreira EAG. Postura e controle postural: desenvolvimento e aplicação de método quantitativo de avaliação postural. [Tese de Doutorado]. São Paulo (SP): Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2005.

Rebouças CBA, Araújo MM, Braga FC, Fernandes GT, Costa SC. Evaluation of quality of life of visually impaired. Rev Bras Enferm [Internet] 2016; 69(1):64-70.

Awasthi S, Agnihotri K, Singh U, Thakur S, Chandra H. Determinants of health related quality of life in school-going adolescents in Northern India. Indian J Pediatr 2011; 78(5):555-61.

Awasthi S, Agnihotri K, Chandra H, Singh U, Thakur S. Assessment of Health-Related Quality of Life in school-going adolescents: validation of PedsQL instrument and comparison with WHOQOL-BREF. Natl Med J India 2012; 25(2):74-9.

Andrade IF, Ely V. Assessment method of accessibility conditions: how to make public buildings accessible? Work 2012; 41(1):3774-3780.

Othero MB, Ayres JRCM. Necessidades de saúde da pessoa com deficiência: a perspectiva dos sujeitos por meio de histórias de vida. Interface 2012; 16(40):219-33.

Haegele J, Famelia R, Lee J. Health-related quality of life, physical activity, and sedentary behavior of adults with visual impairments. Disabil Rehabil 2017; 39(22):2269-2276.




DOI: https://doi.org/10.17648/aces.v7n1.3498

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

Licença Creative Commons
Arquivos de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces.