A possível interface entre educação formal e não-formal: a escola como instrumentalizadora no processo de emancipação da comunidade e a intervenção na realidade social

Erika Germanos, Carlos Hiroo Saito

Resumo


O texto faz uma discussão sobre a relação entre a ampliação do acesso à escola e o caráter da escola enquanto instrumentalizadora do interesse emancipatório das camadas populares. Historicamente, a ampliação da consciência do direito à escola nasúltimas décadas está totalmente associada à luta pela melhoria das condições básicas desobrevivência, ou seja, as condições sociais, econômicas e políticas. O que queremos ressaltar é que não se pode isolar a escola do contexto histórico e dos movimentos sociais, sob pena de proceder a uma análise parcial e fragmentada do processo educacional. O fortalecimento da escola enquanto um ente a serviço dos interesses populares passa justamente pela luta para abertura dos muros da escola à comunidade. Propomos pensarnos indivíduos na sua integralidade levando em consideração os processos de humanização. Para tanto, parcerias entre a educação formal e educação não-formal representam um caminho fértil para promover o desenvolvimento humano. Assim é necessário que se faça da escola um espaço de transformação e que as escolas funcionem como centros de referência nas suas regiões de influência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18554/cimeac.v3i1.1447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


   

International Standard Serial Number (International Centre)

Licença Creative Commons A revista eletrônica Cadernos CIMEAC (ISSN 2178-9770) está licenciada com uma licença Creative Commons.

Creative Commons License Electronic journal Cadernos CIMEAC (ISSN 2178-9770) is licensed under a Creative Commons License.

Google Scholar Citations