PREVALÊNCIA DO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B EM GESTANTES E SUA RELAÇÃO COM A INFECÇÃO NEONATAL

Aline Baraldi Higashi, Irany Rocha da Silva, Rosely Erlach Goldman

Resumo


Objetivo: conhecer a prevalência e os resultados maternos e perinatais causados pela colonização Estreptococo do grupo B em gestantes. Método: estudo descritivo e retrospectivo desenvolvido a partir de dados secundários obtidos no livro de registro e prontuário clínico. A amostra foi composta por 130 prontuários clínicos do binômio mãe/recém-nascido. Resultados: a prevalência da colonização materna pelo EGB ocorreu em 11,24 %. A profilaxia antibiótica intraparto para o Estreptococo B foi realizada em 86 parturientes (66,2%). Sete (5,4%) evoluíram com o diagnóstico de sepse neonatal, no entanto, todos apresentaram resultado de hemocultura negativa. Conclusão: a prevalência da colonização pelo Estreptococo do grupo B entre as gestantes avaliadas foi em concordância com os valores encontrados na literatura, enfatizamos que o rastreamento deve ser incentivado nos protocolos de atenção ao pré-natal

Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Castellano CDS Filho, Tibiriçá SHC, Diniz CG. Doença Perinatal associada aos estreptococos do Grupo B: aspectos clínico-microbiológicos e prevenção. HU Revista.2008;34(2):127-134.

Pogere A, Zoccoli CM, Toboutti NR, Freitas PF, Acampora AJ, Zunino JN. Prevalência da colonização pelo estreptococo do grupo B em gestantes atendidas em ambulatório de pré-natal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(4):174-80.

Beraldo C, Brito ASJ, Saridakis HO, Matsuo T. Prevalência da Colonização Vaginal e Anorretal por Estreptococo Grupo B em Gestantes do Terceiro Trimestre. Rev Bras Ginecol Obstet. 2004;26(7):543-49.

Schuchat A. Epidemiology of Group B Streptococcal Disease in the United States: Shifting Paradigms. Clin Microbiol Ver. 1998;11(3):497-513.

Centers for Disease Control and Prevention (EUA). Prevention of Perinatal Group B Streptococcal Disease: Revised Guidelines from CDC.MMWR Recomm Rep; 2010;59 (RR-10).

Centers for Disease Control and Prevention (EUA). Prevention of perinatal group B streptococcal disease: a public health perspective. MMWR 1996;45 (No. RR-7).

Centers for Disease Control and Prevention(EUA). Prevention of perinatal group B streptococcal disease: revised guidelines from CDC. MMWR 2002;51(No. RR-11).

Royal College of Obstetricians and Gynaecologist. The Prevention of Early-onset Neonatal Group B Streptococcal Disease. Green-top Guideline. 2ªedição. Reino Unido.2012.p.36.

Ministério da Saúde (BR). Cadernos de atenção básica: Atenção ao Pré-natal de baixo risco. Brasília: Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica. 2012.p.193-4.

Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo (BR). Atenção à gestante e à puérpera no SUS – SP. Manual técnico do pré-natal e puerpério – São Paulo: SES/SP. 2010.p.93

Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo (BR). Programa Mãe Paulistana. Encarte Técnico assistência Obstétrica e Perinatal. Rede de Proteção a Mãe Paulistana. Secretaria da Saúde. Coordenadoria de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde- CODEPPS. São Paulo: SMS/SP. 2007.p.21-4.

Barcaite E, Bartusevicius A, Tameliene R, Kliucinskas M, Maleckiene L, Nadisauskiene R. Prevalence of maternal group B streptococcal colonisation in European countries. Acta Obstet Gynecol Scand. 2008;87(3):260-71.

Yu HW, et al.Group B Streptococcal Infection in Taiwan: Maternal Colonization and Neonatal Infection. Pediatrics and Neonatology.2011;52(4):190-95

Costa ALR, Lamy F Filho, Chein MBC, Brito LMO, Lamy ZC, Andrade KL. Prevalência de colonização por estreptococos do grupo B em gestantes atendidas em maternidade pública da região Nordeste do Brasil. Rev bras ginecol obstet. 2008. 30(6):274-80.

Carvalho RL. Colonização de gestantes pelo estreptococo do grupo B: prevalência, fatores associados e cepas virulentas [Mestrado em pediatria e saúde da criança]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Programa de Pós Graduação em Medicina; 2009.

Telma SP. Colonização pelo estreptococo B: prevalência, fatores de risco, características fenotípicas e genotípicas em mulheres no terceiro trimestre de gestação atendidas no serviço de referência materno infantil de Goiânia, Goiás [Mestrado em Medicina Tropical e Saúde Pública]. Goiás: Universidade Federal de Goiás.2009.

NDVL, Carvalho M, Pone SM, Júnior SCG. Gestantes colonizadas pelo Streptococcus do grupo B e seus recém-nascidos: análise crítica da conduta adotada no Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz. Rev Paul Pediatr. 2010 Junho;28(2):155-61.

Função JM, Narchi NZ. Pesquisa do estreptococo do Grupo B em gestantes da Zona Leste de São Paulo. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):22-9.

Oliveira VMM, Moraes Filho OB. Solicitar ou não cultura para estreptococo do grupo B no final da gestação? FEMINA. 2009;37(7):361-65.

Smaill FM. Intrapartum antibiotics for Group B streptococcal colonisation. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 9, Art. No. CD000115. DOI:10.1002/14651858.CD000115.pub1, 2014




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v5i1.1419

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/