INFLUÊNCIA DO ARRANJO DOMICILIAR NAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E NA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS RESIDENTES NA ZONA RURAL

Camila Romanato Ribeiro, Darlene Mara Santos Tavares

Resumo


Os objetivos foram descrever as características sócio demográficas e econômicas dos idosos verificando a associação do arranjo domiciliar com as condições de saúde, indicativo de depressão e qualidade de vida. Participaram 833 idosos residentes na zona rural de Uberaba MG, 119 moravam sozinhos e 714 acompanhados. Instrumentos utilizados: Mini Exame do Estado Mental, questionário semi estruturado baseado no OARS; Escala de Depressão Geriátrica versão abreviada; World Health Organization Concept of Quality of Life Bref, World Health Organization Quality of Life in Older Adults. Quanto a depressão não houve diferença significativa entre os grupos. Na QV foi constatado que idosos que moram só apresentaram maior escore na faceta morte (p=0,058) e menor na intimidade (p<0,001) em comparação aos que moram acompanhados. Os idosos da zona rural que moram acompanhados possuem melhores condições de saúde, têm menor indicativo de depressão e maior escore de qualidade de vida. Aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, protocolo n° 1477. Palavras chave: Idoso; Depressão; Qualidade de vida; População Rural; Enfermagem geriátrica.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


PEREIRA, M. G. Epidemiologia: teoria e Prática. Rio Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 596p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília, 2007. (Cadernos da Atenção Básica: Série A, n. 19).

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília, 2005. Disponivel em < www.prosaude.org/publicacoes/diversos/envelhecimento_ativo.pdf>. Acesso em 8 mar. 2012

Mechakra-Tahiri S, Zunzunegui MV, Préville M, Dubé M. Social relationships and depression among people 65 years and over living in rural and urban areas of Quebec. Int J Geriatr Psychiatry.

Torres GV, Reis LA, Reis LA. Assessment of functional capacity in elderly residents of an outlying area in the hinterland of Bahia Northeast Brazil. Arq Neuropsiquiatr. 2010; 68(1):39-43.

PASCHOAL, S. M. P. Qualidade de vida na velhice. In: FREITAS, E.V. et al. Tratado de geriatria e gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. p. 79-84.

CHAIMOWICZ, E. ; TRENTINI, C.M.; FLECK, M.P.A. Qualidade de vida em idosos - conceito e investigação. p.61-81. In: NERI, A. L. Qualidade de vida na velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas: Alínea, 2007.

ALMEIDA, O. P.; ALMEIDA, S. A. Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v. 57, n. 2-B, p. 421-426, 1999.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores: 2009. Rio de Janeiro: IBGE, 2010b. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/.../pnad2009/>. Acesso em: 20 mar. 2012.

DAL PIZZOL, T.S. et.al. Uso de medicamentos entre idosos residentes em áreas urbanas e rurais de município no Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 104-14, jan, 2012.

RIGO, I.I.; PASKULIN, L.M.G.; MORAIS, E.P. Capacidade funcional de idosos de uma comunidade rural do Rio Grande do Sul. Revista Gaúcha de Enfermagem., Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 254-261, jun., 2010.

PEDRAZZI, E. C. et al. Arranjo domiciliar dos idosos mais velhos. Revista LatinoAmericana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 18, n. 1, p. 18-25 jan-fev, 2010.

CAMARGOS, M.C.S.; MACHADO, C.J.; RODRIGUES,R.N. A relação entre renda e morar sozinho para idosos paulistanos-2000. Revista Brasileira de Estudos de População, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 37-51, jan/jun, 2007.

RAMOS, M. P.; AREND, S. C. O impacto da reforma da previdência social rural brasileira nos arranjos familiares: uma analise para entender a composição dos domicílios dado o aumento da renda dos idosos. Revista Brasileira de Estudos. Populacionais, Rio de Janeiro, v. 29, n.1, p. 67-86, jan/jun, 2012.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Um panorama da saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde: 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2010a. Disponível em: < http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pnad_2008_saude_final.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2012.

NILSSON, C. J.; LUND, R.; AVLUND, K. Cohabitation status and Onset of Disability Among Older Danes. Is Social Participation a Possible Mediator? Journal of Aging and Health, Newbury Park, v. 20, n. 2, p. 235-253, mar., 2008.

FARINASSO, Adriano Luiz da Costa. Perfil dos idosos em uma área de abrangência da estratégia de saúde da família. 2005. 128 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem Fundamental) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

RAMOS, J. L. C.; MENEZES, M. R.; MEIRA, E. C. Idosos que moram sozinhos: Desafios e potencialidades do cotidiano. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 24, n. 1-3, p. 43-54, jan/dez., 2010.

TAVARES, D.M.S. et. al. Fatores associados à qualidade de vida de idosos com osteoporose residentes na zona rural. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 371378, abr-jun., 2012.

FALLER, J. W., et. al. Qualidade de vida de idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Foz do Iguaçu-PR. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 803-10, outdez. 2010




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i1.1820

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/