AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DAS QUEDAS ENTRE IDOSOS RESIDENTES EM UBERABA, MINAS GERAIS

Janaína Santos Nascimento, Mariana Mapelli de Paiva, Darlene Mara dos Santos Tavares

Resumo


Introdução: As quedas podem ser causadas por múltiplos fatores e suas consequências tem forte impacto aos indivíduos idosos, suas famílias e à sociedade como um todo. Objetivo: Descrever o perfil das quedas entre os idosos, segundo as variáveis: frequência; local; tipo; consequências físicas; necessidade de hospitalização, fatores de risco e as repercussões no cotidiano do idoso. Métodos: Inquérito domiciliar conduzido com 206 idosos que tiveram quedas na cidade de Uberaba-MG. A coleta de dados ocorreu no período de janeiro a abril de 2014. Resultados: O local mais frequente de ocorrência foi no pátio/quintal. As quedas aconteceram principalmente da própria altura, com consequência as escoriações; e o medo de cair novamente. As causas das quedas estiveram relacionadas à alteração do equilíbrio e a pisos escorregadios ou molhados. Conclusão: O estudo reforça a necessidade de diagnóstico precoce dos fatores de risco de quedas para o idoso e de iniciativas de acessibilidade adequada do ambiente doméstico.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


American Geriatrics Society. Summary of the Updated American Geriatrics Society/British Geriatrics Society Clinical Practice Guideline for Prevention of Falls in Older Persons. J. Am. Geriatr. Soc., 2010; 10(2):1-10.

Organização Mundial de Saúde. Relatório global da OMS sobre prevenção de quedas na velhice. Edição de Marília Prado Louvison e Tereza Etsuko da Costa Rosa. Secretaria da Saúde. Vigilância e prevenção de quedas em idosos. São Paulo (Estado), 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2015.

Abrantes KSM, Menezes TN, Farias MCAD, Silva MIL, Rolim VE, Junior HM, et al. Caracterização das quedas em idosos socorridos pelo serviço de atendimento móvel de urgência. Abcs Health Sciences, 2013; 38(3): 126-132.

Stevens JA, Mahoney JE, Ehrenreich H. Circumstances and outcomes of falls among high risk community-dwelling older adults. Injury Epidemiology, 2014, 1(5): 1 – 9.

Perracini MR. Manejo de quedas em idosos. In: Ramos LR, Cendoroglo MS. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar da UNIFESP-EPM. Geriatria e Gerontologia. 2011. 221-246.

Da Costa AMR, Xavier EMO, Filgueiras MC. Perfil epidemiológico de idosos com fraturas atendidos em hospital de emergência. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2012, 10(34): 41-46.

Gasparotto LPR, Falsarella GR, Coimbra AMV. As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rev. bras. geriatr. gerontol., 2014, 17(1): 201-209.

MAIA BC, VIANA PS, ARANTES PMM, ALENCAR, MA. Consequências das quedas em idosos vivendo na comunidade: revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 2011, 14(2): 381-393.

Gill TM; Murphy TE, Gahbauer EA, Allore HG. Association of Injurious FallsWith Disability Outcomes and Nursing HomeAdmissions in Community-Living Older Persons. Am J Epidemiol., 2013, 178(3): 418–425.

Ferretti F, Lunardi D, Bruschi L. Causas e conseqüências de quedas de idosos em domicílio. Fisioter Mov., 2013, 26(4):753-62.

Bertolucci PF, Brucki SMD, Campassi SR, Juliano IO. O miniexame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arquivos de Neuropsiquiatria, 1994, 52(1): 1-7.

Schiavetto FV. Avaliação do risco de quedas em idosos na comunidade. [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.117 f.

Fhon JRS, Wehbe SCCF, Vendruscolo TRP, Stackfleth R, Marques S. Quedas em idosos e sua relação com a capacidade funcional. Rev. Latino-Am. Enfermagem.,2012, 20(5): 1-8.

Cavalcante ALP, Aguiar JB, Gurguel LA. Fatores associados a quedas em idosos residentes em um bairro de Fortaleza, Ceará. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 2012, 15 (1): 137-146.

Emmel MLG, Paganelli LOP. Cartilha para acessibilidade ambiental: Orientações ilustradas para domicílios de pessoas idosas. Produto de um projeto de pesquisa CNPq/PIBITI. Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Terapia Ocupacional, São Carlos, 2013, 46p.

Chianca TCM, Andrade CR, Albuquerque J, Wenceslau LCC, Tadeu LFR, Macieira TGR, et al. Prevalência de quedas em idosos cadastrados em um Centro de Saúde de Belo Horizonte-MG. Rev. bras. enferm., 2013, 66(2): 234-40.

Gawryszewski VP. A importância das quedas no mesmo nível entre idosos no estado de São Paulo. Revista da Associação Médica Brasileira, 2010, 56 (2): 162-7.

Parreira JG, Vianna AMF, Cardoso GS, Karakhanian WZ. Lesões graves em vítimas de queda da própria altura. Revista da Associação Médica Brasileira, 2010, 56(6): 660-4.

Antes DL, Scheider IJC, Benedetti TRB, D’orsi E. Medo de queda recorrente e fatores associados em idosos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2013, 29 (4): 758-768.

Moreira MA, Oliveira BS, Moura KQ, Tapajós DM, Maciel ACC. A velocidade da marcha pode identificar idosos com medo de cair? Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 2013, 16(1):71-80.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v6i1.2171

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/