SIGNIFICADO DO CUIDAR E SEUS SENTIMENTOS PARA EQUIPE DE ENFERMAGEM DIANTE DA CRIANÇA EM TRATAMENTO ONCOLÓGICO

Camila Morena Margato Silva, Maria Paula Custódio Silva, Débora De Oliveira Ferreira, Jesislei Bonolo do Amaral, Jurema Ribeiro Luiz Gonçalves, Divanice Contim

Resumo


Objetivo: trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, cujo objetivo do estudo foi compreender os significados e os sentimentos manifestados pela equipe de enfermagem durante o cuidar num serviço de oncologia pediátrica. Método: participaram do estudo dez profissionais de enfermagem que atuavam nesse serviço. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada no período de dezembro de 2014 a janeiro de 2015. As entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra e submetidas à análise de conteúdo. Resultados: foram identificadas três categorias: o significado do cuidado; conforto e humanização; o envolvimento inevitável e a busca do equilíbrio emocional. Conclusão: concluiu-se que os sentimentos de empatia, compaixão e apego são envolvidos durante o trabalho cotidiano da equipe de enfermagem, sendo preciso apoio psicológico a essa para evitar o desequilíbrio mental da equipe.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Souza CA, Jerico MC, Perroca MG. Mapeamento de intervenções/atividades dos enfermeiros em centro quimioterápico: instrumento para avaliação da carga de trabalho. Rev. latinoam. enferm. (Online). 2013 [acesso em: 04 jun 2017]; 21(2): 492-99. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n2/pt_0104-1169-rlae-21-02-0492.pdf

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância Estimativa, Incidência de Câncer no Brasil, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro. 2014.

Silva JKO, Moreira Filho DC, Mahayri N, Ferraz RO, Friestino FS. Câncer Infantil: Monitoramento da Informação através dos Registros de Câncer de Base Populacional. Rev. bras. cancerol. 2012 [acesso em: 04 jun 2017]; 58(4): 681-86. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_58/v04/pdf/14-revisao-literatura-cancer-infantilmonitoramento-informacao-atraves-registros-cancer-base-populacional.pdf

Sanches MVP, Nascimento LC, Lima RAG. Crianças e adolescentes com câncer em cuidados paliativos: experiência de familiares. Rev Bras Enferm. 2014 [acesso em: 04 jun 2017]; 67(1): 28-35. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140003

Borges AA, Lima RAG, Dupas, G. Segredos e verdades no processo comunicacional da família com a criança com câncer. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2016 [acesso em: 04 jun 2017]; 20(4): e20160101. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160101

Rezende MCC, Ferreira Neto JL. Processos de subjetivação na experiência de uma equipe de enfermagem em oncologia. Rev. Psicol. Saúde. 2013 [acesso em: 04 jun 2017]; 5(1):40-48. Disponível em:

http://www.gpec.ucdb.br/pssa/index.php/pssa/article/view/215

Anjos C, Espírito SFH, Carvalho EMMS. O câncer infantil no âmbito familiar: revisão integrativa. REME rev. min. enferm. 2015 [acesso em: 04 jun 2017]; 19(1): 227-33. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/998

Oliveira MCL, Firmes PR. Sentimentos dos profissionais de enfermagem em relação ao paciente oncológico. REME rev. min. enferm. 2012 [acesso em: 04 jun 2017]; 16(1): 91-7. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/505

Amador DD, Gomes IP, Reichert APS, Collet N. Repercussões do câncer infantil para o cuidador familiar: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2013 [acesso em: 04 jun 2017]; 66(2): 267-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n2/17.pdf

Souza LF, Misko MD, Silva L, Poles K, Santos MR, Bousso RS. Morte digna da criança: percepção de enfermeiros de uma unidade de oncologia. Rev esc enferm USP. 2013 [acesso em: 04 jun 2017]; 47(1): 30-37. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100004

Fermo VC et al. O diagnóstico precoce do câncer infanto juvenil: o caminho percorrido pelas famílias. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2014 [acesso em: 04 jun 2017]; 18(1): 54-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140008

Salimena AMO, Teixeira SR, Amorim TV, Paiva ACPC, Melo MCSC. Estratégias de enfrentamento usadas por enfermeiros ao cuidar de pacientes oncológicos. Rev Enferm UFSM. 2013 [acesso em: 04 jun 2017]; 3(1): 8-16. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/217976926638

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativa: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública. 2011 [acesso em: 04 jun 2017]; 27(2): 389-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n2/20.pdf

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2011.

Amador DD, Gomes IP, Coutinho SED, Costa TNA, Collet N. Concepção dos enfermeiros acerca da capacitação no cuidado à criança com câncer. Texto & Contexto Enferm. 2011 [acesso em: 04 jun 2017]; 20(1): 94-101. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000100011

Avanci BS, Carolindo FM, Góes FGB, Cruz Netto, NP. Cuidados paliativos à criança oncológica na situação viver/morrer: a ótica do cuidar em enfermagem. Esc Anna Nery. 2009 [acesso em: 04 jun 2017]; 3(4): 708-16. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452009000400004

Maranhão TA, Melo BMS, Vieira TS, Veloso AMMV, Batista NNLAL. A humanização no cuidar da criança portadora de câncer: fatores limitantes e facilitadores. J Health Sci Inst. 2011 [acesso em: 04 jun 2017]; 29(2): 106-9. Disponível em: https://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2011/02_abr-jun/V29_n2_2011_p106-109.pdf

Duarte MLC, Noro A. Humanização: uma leitura a partir da compreensão dos profissionais da enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2010 [acesso em: 04 jun 2017]; 31(4): 685-92. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472010000400011

Freitas HMB, Backes DS, Dall A, Pereira A, Ferreira CLL, Marchiori MRC, et al. Significados que os profissionais de enfermagem atribuem ao cuidado de crianças institucionalizadas com aids. Texto & Contexto Enferm. 2010 [acesso em: 04 jun 2017]; 19(3): 511-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000300013




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2355

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/