AVALIAÇÃO DA DOR DO RECÉM-NASCIDO PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM: REVISÃO DE ESCOPO

Adalvane Nobres Damaceno, Priscila Kurz Assumpção, Graciele Pozzobon da Silva Belmonte

Resumo


Objetivo: identificar as ações da equipe enfermagem na avaliação e manejo da dor no recém-nascido. Método: Trata-se de uma Scoping review ou Revisão de Escopo, realizada em agosto de 2016, mediante busca nas bases de dados Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Base de Dados da Enfermagem. Foram selecionados oito artigos que atenderam aos critérios de inclusão. Resultados: Identificaram-se estudos transversais, exploratórios qualitativos e quantitativos. Os resultados evidenciaram duas categorias, sendo elas: “Percepção dos profissionais de enfermagem frente ao reconhecimento e avaliação dos sinais de dor do recém-nascido” e “Medidas não farmacológicas utilizadas no manejo da dor neonatal”. Conclusão: Conclui-se que ainda há uma grande distância entre o conhecimento teórico, o uso de escalas e a conduta prática dos profissionais em relação à avaliação e manejo da dor neonatal.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012. (Cuidados com o recém-nascido pré- termo; 4).

Mola LA, Sa FE, Frota MA, Estudo comparativo do desenvolvimento sensório motor de recém-nascidos prematuros da unidade de terapia intensiva neonatal e do método canguru RBPS. 2005; 18 (4): 191-8. http://www.redalyc.org/html/408/40818406/

Guinsburg R, Leslie ATS, Covolan L.. Consequência da dor repetida ou persistente no período neonatal. Com Ciência. Revista Eletrônica de Jornalismo Científico 2007 Disponível em: http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=24&id=269.

Bueno M, Kimura AF, Pimenta CAM. Avaliação da dor em recém-nascidos submetidos à cirurgia cardíaca. Acta paul.enferm. 2007; 20(4): 428-33. http://www2.unifesp.br/acta/pdf/v20/n4/v20n4a7.pdf

Lago CW, Ferreira GG, Lima JB, Ribeiro SFF, Santos VPV. Avaliação e manejo da dor neonatal no contexto da unidade de terapia intensiva neonatal [Monografia] Graduação no curso de Bacharelado em Enfermagem. Brasília (DF): Departamento de Enfermagem e Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Paulista – UNIP; 2007.

Arksey HO, O’Malley L.Scoping studies: Towards a Methodological Framework. Int J Soc Res Methodol. 2005; 8 (1): 19-32. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2954944/pdf/1748-5908-5-69.pdf

Levac D, Colquhoun H, O’Brien KK. Scoping studies: advancing the methodology. Implement Sci. 2010:5:69. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2954944/

Veronez M, Corrêa DAM. A dor e o recém-nascido de risco: percepção dos profissionais de enfermagem. Cogitare Enferm. 2010 Abr/Jun; 15(2): 263-70. revistas.ufpr.br/cogitare/article/download/17859/11652

Bemfica Alves, Fernanda et al. Flávia Andrade Fialho FA, Iêda Maria Ávila Vargas Dias IMAV, Thaynan Miranda Amorim TM Dor neonatal: a percepção da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista CUIDARTE, [S.l.], v. 4, n. 1, dec. 2013. ISSN 2216-0973. Disponible en:

Caetano EA, Lemos NRF, Cordeiro SM, Pereira FMV, Moreira DS, Buchhorn SMM. O RECÉM-NASCIDO COM DOR: ATUAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM. o SM, Pereira FMV, Moreira DS, Buchhorn SMM http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n3/1414-8145-ean-17-03-0439.pdf

Amaral JB, Resende TA, Contim D, Barichello E. Equipe de enfermagem diante da dor do recém-nascido pré-termo. Esc Anna Nery 2014;18(2):241-246 http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n2/1414-8145-ean-18-02-0241.pdf

Monfrim XM, Saraiva LA, Moraes CL, Viegas AC. Escala de avaliação da dor: percepção dos enfermeiros em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM 2015 Jan/Mar;5(1):12-22. https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/15049/pdf

Silva GM, Figueiredo MGS, Kameo SY, Oliveira FM, Santos AD Conhecimento das enfermeiras atuantes em unidade de terapia intensiva frente a dor no recém-nascido pré-termo. Revista Iberoamericana de Educación e Investigación en Enfermería 2015; 5(1):47-55. http://www.enfermeria21.com/revistas/aladefe/articulo/150/

Costa KF, Alves VH, Dames LJP et al. Manejo clínico da dor no recém-nascido: percepção de enfermeiros da unidade de terapia intensiva neonatal. J. res.: fundam. care. online 2016. jan./mar. 8(1):3758-3769. http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/viewFile/3950/pdf_1786

Silva PC, Marinho EFC, Santos LOS. A percepção dos profissionais de saúde sobre a dor em prematuros. Revista Diálogos & Ciências Ano 16 Nº 36 Junho 2016 - ISSN 1678-0493. http://periodicos.ftc.br/index.php/dialogos/article/view/18/pdf_03

Guinsburg R. Avaliação da dor no recém-nascido. Jornal de Pediatria, V. 75, n 3 p. 149-160, 1999. http://www.revistamineiradeefi.ufv.br/artigos/arquivos/051a83ef1c3e2c46cdaf7c07b23cbf71.pdf.

Guinsburg R, Cuenca MC. A linguagem da dor no recém-nascido. São Paulo: Sociedade Brasileira de Pediatria. 2010. Disponível em: http://www.sbp.com.br/pdfs/doc_linguagem-da-dor-out2010.pdf

Oliveira RM, Silva AVS, Chaves EMC, Sales NC. Avaliação comportamental e fisiológica da dor em recém-nascidos pelos profissionais de enfermagem. REME – Rev Min Enferm 2010; 14(1):19-24. http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/82

Barbosa SMM.; et al. A Dor no recém-Nascido: prevenção e terapêutica. Revista Dor, v.2, n.2, p.26-35, 2000. http://www.scielo.br/pdf/rdor/v14n1/v14n1a06.pdf

Gaíva MAM, Dias NS. Dor no recém-nascido: percepção de profissionais de saúde de um hospital universitário. Rev Paul Enfermagem, Maringá, v. 21, n.3, p.234-9, 2002. http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/6626/3905

Guimarães ALO, Vieira MRR. Conhecimento e atitudes da enfermagem de uma unidade neonatal em relação à dor no recém-nascido. Arq. bras. ciênc. saúde. 2008;15(1):9-12. http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/vol-15-1/IIIIDDDD220.pdf

Silva PT. Escalas de avaliação da dor utilizadas no recém-nascido. Rev Acta MedPort 2010; 23 (3): 437-54. www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-05822014000400395&script=sci...pt

Santos LM, Pereira MP, Santos LFN, Santana RCB. Avaliação da dor no recém-nascido prematuro em unidade de Terapia Intensiva. Rev. Bras. Enferm. 2012, 65(1):27-33. http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n1/04.pdf

Presbytero R, Costa MLV, Santos RCS. Os enfermeiros da unidade neonatal frente ao recém-nascido com dor. Revista da rede de enfermagem do Nordeste.2010 jan/mar;11(1):125-32. http://www.revistarene.ufc.br/vol11n1_html_site/a13v11n1.htm

Medeiros MD, Madeira LM. Prevenção e tratamento da dor do recém-nascido em terapia intensiva neonatal. Rev Min Enf 2006; 10(2): 118-24. http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/395

Aquino FM., Christoffel MM. Dor neonatal: medidas não-farmacológicas utilizadas pela equipe de enfermagem. Rev. Rene, v. 11, Número Especial, p. 169-177, 2010. http://www.revistarene.ufc.br/edicaoespecial/a19v11esp_n4.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2405

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/