USO DA TEORIA DO CONFORTO DE KOLCABA NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA

Rosane Barreto Cardoso, Célia Pereira Caldas, Priscilla Alfradique de Souza

Resumo


Objetivo: Analisar as evidências científicas acerca do uso da teoria do conforto de Kolcaba na implementação do processo de enfermagem. Método: Trata-se de uma revisão integrativa, com estudos entre 2000 a 2017, com pesquisas realizada nos bancos de dados da CINAHL, LILACS, PubMED, SCOPUS e Web Of Science, obedecendo seis etapas correlacionadas. Resultados: Foram encontrados 16 artigos dos quais emergiram quatro categorias temáticas: processo de enfermagem no contexto da saúde da criança, do adulto, da mulher e do idoso. Observou-se que o uso da teoria do conforto possibilitou aos enfermeiros cumprimento de fases do processo de enfermagem. Conclusão: Conclui-se que a teoria do conforto é um referencial teórico que fundamenta o processo de enfermagem e potencializa o conforto como resultado da assistência de enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Brasil. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução 358/2009, de 15 de outubro de 2009: dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. Brasília (DF); 2009.

Fuly PSC, Leite JL, Lima SBS. Correntes de pensamento nacionais sobre rentes de pensamento nacionais sobre sistematização da assistência de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2008;61(6):883-7.

Reis GS, Reppetto MA, Santos LSC, Devezas AMLO. Sistematização da assistência de enfermagem: vantagens e dificuldades na implantação. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2016;61(n.esp).

McEwen M, Wills EM. Bases teóricas para Enfermagem. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2016.

Schaurich D, Crossetti MGO. Produção do conhecimento sobre teorias de enfermagem: análise de periódicos da área - 1998-2007. Esc Anna Nery. 2010;14(1):182-88.

Silva EGC, Oliveira VC, Neves GBC, Guimarães TMR. O conhecimento do enfermeiro sobre a sistematização da assistência de enfermagem: da teoria à prática. Rev. esc. enferm. 2011;45(6):1380-6.

Kolcaba K. Comfort theory and practice: a vision for holistic health care and research. New York (US): Springer Publishing Company; 2003.

Apostolo JLA, Kolcaba K. The Effects of Guided Imagery on Comfort, Depression, Anxiety, and Stress of Psychiatric Inpatients with Depressive. Archives of Psychiatric Nursing. 2009;23(6):403-11.

Ponte KMA, Silva LF. Conforto como resultado do cuidado de enfermagem: revisão integrativa. Rev. pesqui. cuid. fundam. 2015;7(3):2603-14.

Souza MTd, Silva MDd, Carvalho Rd. Integrative review: what is it? How to do it? Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6.

Crossetti MdGO. Integrative review of nursing research: scientific rigor required. Rev. Gaúcha Enferm. 2012;33(2):12-13.

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva D. Integrative review: concepts and methods used in nursing. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(2):335-45.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto enferm. 2008;17(4): 758-64.

Panno J M, Kolcaba K, Holder C. Acute care for elders (ACE): a holistic model for geriatric orthopaedic nursing care. Orthop Nurs. 2000;19(6):53-60.

Koehn ML. Alternative and complementary therapies for labor and birth: an application of Kolcaba's theory of holistic comfort. Holist Nurs Pract. 2000;15(1):66-77.

Kolcaba K, Wilson L. Comfort care: a framework for perianesthesia nursing. J Perianesth Nurs. 17(2):102-11.

Wilson L; Kolcaba K. Practical application of comfort theory in the perianesthesia setting. J J Perianesth Nurs. 2004; 19(3):164-73.

Kolcaba K, DiMarco MA. Comfort theory and its application to pediatric nursing. Pediatr Nurs. 2005; 31(3):187-94.

Ponte KMA, Silva LF, Aragão AEA, Guedes MVC, Zagonel IPS. Contribuição do cuidado clínico de enfermagem para o conforto psicoespiritual de mulheres com IAM. Esc Anna Nery. 2012; 16 (4):666-673

Barbosa EMG, Oliveira FDM, Guedes MVC, Monteiro ARM, Rodrigues DP, Silva LF, Fialho AVM. Cuidados de enfermagem a uma puérpera fundamentados na teoria do conforto. Rev Min Enferm. 2014; 18(4): 845-49.

Krinsky R, Murillo I, Johnson J. A practical application of Katharine Kolcaba's comfort theory to cardiac patients. Appl Nurs Res. 2014; 27(2):147-50.

Marchuk A. End-of-life care in the neonatal intensive care unit: applying comfort theory. J Nurs Palliat. 2016; 22(7):317-23.

Ponte KMA, Silva LF. Cuidados de enfermagem a mulheres com infarto do miocárdio: promoção do conforto sociocultural pela pesquisa-cuidado. Rev enferm UERJ. 2014; 22(6):808-14.

Ponte KMA, Silva LF, Aragão AEA, Guedes MVC, Zagonel IPS. Cuidado clínico de enfermagem para conforto de mulheres com IAM. Texto Contexto Enferm. [Internet] 2014; 23(1):56-64.

Freire da Silva FV, Rabelo ACS, Silva LF. Processo de enfermagem no conforto do paciente com insuficiência cardíaca no domicílio. Aquichan. 2015; 15(1)116-28.

Aksoy Derya Y, Pasinlioglu T. The Effect of Nursing Care Based on Comfort Theory on Women's Postpartum Comfort Levels After Caesarean Sections. Int J Nurs Knowl. 2015; 28 (3):138-144

Lima JVF, Guedes MVC, Silva LF, Freitas MC, Fialho AVM. Utilidade da teoria do conforto para o cuidado clínico de enfermagem à puérpera: análise crítica. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(4):e65022

Egger-Rainer A, Trinka E, Höfler J, Dieplinger AM. Epilepsy monitoring - The patients' views: A qualitative study based on Kolcaba's Comfort Theory. Epilepsy Behav. 2017;68(n.esp)208-15.

Bergström, A., Håkansson, Å., Warrén Stomberg, M., Bjerså, K . Comfort Theory in Practice-Nurse Anesthetists' Comfort Measures and Interventions in a Preoperative Context. J Perianesth Nurs. 2016;(0):(n.esp).




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2758

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/