A GESTÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NOS MUNICÍPIOS DA 5ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ

Tatiane Baratieri, Ana Carolina Geffer Dalla Vecchia, Calíope Pilger

Resumo


O campo da Saúde do Trabalhador visa compreender as relações entre o trabalho e o processo saúde-doença. O presente estudo teve como objetivo caracterizar a implantação da gestão em Saúde do Trabalhador na região de Guarapuava/PR. Trata-se de uma pesquisa descritivo-exploratória, de natureza qualitativa, com realização de entrevista junto ao profissional atuante no CEREST. Verificou-se que no âmbito da 5ª Regional de Saúde não há nenhum programa específico para a prevenção da saúde do trabalhador. Os municípios dessa região trabalham apenas com ações isoladas, ligadas principalmente a funcionários das secretarias municipais de saúde, ou com a notificação dos acidentes, mas com algumas falhas no sistema. Conclui-se que há muitos fatores para melhorar em relação à Saúde do Trabalhador na região, principalmente no que diz respeito ao trabalho com ações de prevenção de agravos e promoção da saúde substituindo ações curativas, para conseguir êxito na Política Nacional de Saúde do Trabalhador.

DESCRITORES: Avaliação em saúde; Saúde do trabalhador; Gestão em saúde. 

 


Texto completo:

PDF

Referências


Jacques CC, Milanez B, Mattos RCOC. Indicadores para Centros de Referência em Saúde do Trabalhador: proposição de um sistema de acompanhamento de serviços de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2012;17(2):369-78.

Dias EC, Hoefel MG. O desafio de implementar as ações de saúde do trabalhador no SUS: a estratégia da RENAST. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10 (4):817-27.

Brasil. Ministério da Saúde. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador: Manual de Gestão e Gerenciamento. Ministério da Saúde: São Paulo, 2006.

Galdino A, Santana VS, Ferrite S. Os Centros de Referência em Saúde do Trabalhador e a notificação de acidentes de trabalho no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012; 28 (1): 145- 59.

Brasil. Ministério da Saúde. Legislação em saúde: caderno de legislação em saúde do trabalhador. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2. ed. rev. e ampl. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005. p. 380.

Brasil. Ministério da Saúde. Gestores do SUS: olhares e vivências. Ministério da Saúde. Departamento de Apoio à Descentralização. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006b. 193 p.

Bardin L. Análise de conteúdo. Revista e Atualizada. Lisboa-Portugal: Edições 70; 2008.

Pinafo E, Nunes, EFPA, Gonzalez, AD. A educação em saúde na relação usuário-trabalhador no cotidiano de equipes de saúde da família. Ciênc. saúde coletiva. 2012; 17 (7): 1825-32.

Vasconcelos LCF, Almeida CVB, Guedes DT. Vigilância em saúde do trabalhador: passos para uma pedagogia. Trab. educ. saúde.2009; 7(3): 445-462.

Nehmy RMQ. Dias EC. Os caminhos da Saúde do Trabalhador: para onde apontam os sinais? Rev Med Minas Gerais 2010; 20(2 Supl 2): 13-23.

Mastroeni MF. A difícil tarefa de praticar a biossegurança. Ciência e Cultura. 2008; 60 (2): 4-5.

Paraná. Plano Estadual de Saúde do Trabalhador. Secretaria Estadual de Saúde/PR, documento preliminar. Curitiba, agosto de 2011.

COSAT. Política Nacional de Saúde do Trabalhador / documento em elaboração. Ministério da Saúde, SAS, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, COSAT. Brasília, novembro de 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Notificação de acidentes do trabalho fatais, graves e com crianças e adolescentes. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006.

Iwamoto HH, Camargo FC, Tavares LC, Miranzi SSC. Acidentes de trabalho fatais e a qualidade das informações de seus registros em Uberaba, em Minas Gerais e no Brasil, 1997 a 2006. Rev. bras. saúde ocup. 2011; 36 (124): 208-15.

Dias MDA, Bertolini GCS, Pimenta AL. Saúde do trabalhador na atenção básica: análise a partir de uma experiência municipal. Trab. Educ. Saúde. 2011; 9 (1): 137-48.

Dias EC, Silva TLS, Almeida MHC. Desafios para a construção cotidiana da Vigilância em Saúde Ambiental e em Saúde do Trabalhador na Atenção Primária à Saúde. Cad. Saúde Colet., 2012; 20(1):15-24.

Dias EC et al . Saúde ambiental e saúde do trabalhador na atenção primária à saúde, no SUS: oportunidades e desafios. Ciênc. saúde coletiva. 2009; 14 (6): 2061-70.

Santos AL, Rigotto RM. Território e territorialização: incorporando as relações produção, trabalho, ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab. educ. saúde., 2010;8(3) 387-406.

Santos AL. A comunidade do mangue do bairro Vila Velha, Fortaleza/CE: o território e o cotidiano vivido a partir da perspectiva dos moradores e dos profissionais do Programa de Saúde da Família (PSF). [Dissertação]. Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2008.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/