MEDICAMENTOS DE ALTA VIGILÂNCIA: FREQUÊNCIA E DUPLA CHECAGEM EM UM HOSPITAL DE ENSINO

Glendha Oliveira Arduini, Aldenora Laísa Paiva de Carvalho Cordeiro, Rosana Huppes Engel, Thaís Santos Guerra Stacciarini, Marina Pereira Rezende, Lúcia Aparecida Ferreira

Resumo


Objetivo: Identificar a frequência de medicamentos de alta vigilância prescritos e a realização da dupla checagem. Método: Estudo transversal, documental, com abordagem quantitativa, realizado em um hospital público de ensino, do Sudeste do Brasil. Resultados: A amostra foi constituída por 168 prescrições médicas de pacientes internados em unidades de internação adulto. A unidade que apresentou o maior número de medicamentos de alta vigilância prescritos foi o pronto socorro, 30 (83,3%). Os antitrombóticos corresponderam à classe medicamentosa de maior frequência nas ]prescrições, presentes em 101 (60,1%), seguido das insulinas com 63 (37,5%). A dupla checagem foi realizada com maior frequência nos seguintes medicamentos: antitrombóticos, 22 (21,7%) e sedativos, 6 (27,3%). Conclusão: Espera-se que este trabalho incentive o desenvolvimento de pesquisas acerca de tal tema e o aprimoramento de estratégias com o intuito de incentivar a efetiva implantação da dupla checagem, a qual promoverá um cuidado seguro e de maior qualidade. Palavras chaves: Erros de medicação; Segurança do paciente; Cuidados de enfermagem; Prescrições.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson MS. Committee on Quality of Health Care in America, Institute of Medicine. To err is human: building a safer health system [Internet]. Whashington: National Academy Press; 2000 [acesso em 22 de novembro de 2017]. Disponível em: http://www.nap.edu/catalog/9728.html.

Costa NN, Silva AEBC, Lima JC, Barbosa MRS, Freitas JS, Bezerra ALQ. O retrato dos eventos adversos em uma clínica médica: análise de uma década. Cogitare Enfermagem. 2016; 21(esp):1-10.

Duarte SCM, Stipp MAC, Silva MM, Oliveira FT. Eventos adversos e segurança na assistência de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2015; 68(1):144-54.

ISMP BRASIL. MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS, 2015 [Internet]. [acesso em 26 de novembro de 2017]. Disponível em: http://www.ismp-brasil.org/site/wp-content/uploads/2015/12/V4N3.pdf.

Smith ALM, Ruiz IA, Jirón MA. Monitoring medication errors in an internal medicine service. Revista médica de Chile. 2014; 142(1):40–7.

BRASIL. Assistência Segura: Uma Reflexão Teórica Aplicada à Prática, 2014 [Internet]. [acesso em 26 de novembro de 2017]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro1-Assistencia_Segura.pdf.

Steyding L, Pavelacki KC. Revisão dos nove certos utilizando a metodologia da problematização, 2017, Rio Grande do Sul, Brasil [Internet]. 2017 [acesso em 02 de janeiro de 2017]. Disponível em: https://www.publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/viewFile/8038/6769.

Aruto GC, Lanzoni GMM, Meirelles BHS. Melhores práticas no cuidado à pessoa com doença cardiovascular: interface entre liderança e segurança do paciente. Cogitare Enferm. 2016; 21(esp):01-09.

Novaretti MCZ, Santos EV, Quitério LM, Daud-Gallotti RM. Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014; 67(5):692-9.

MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS DE USO HOSPITALAR E AMBULATORIAL - LISTAS ATUALIZADAS 2015. ISSN: 2317-2312 | VOLUME 4 | NÚMERO 3 | SETEMBRO 2015

Vrbnjak D, Denieffe S, O’Gorman C, Pajnkihar M. Barriers to reporting medication errors and near misses among nurses: A systematic review. International Journal of Nursing Studies. 2016; 63: 162–178.

Afonso A, Marques G, Gonçalves A, Barroso P, Gonzalez A, Rodrigues H et al. A terapêutica antitrombótica: atual e em desenvolvimento. Angiol Cir Vasc. 2016; 12(3):170-179.

Souza TF. Uso de varfarina: nível de informação e adesão ao tratamento em pacientes da atenção primária à saúde [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2016.

ISMP BRASIL. Erros de medicação, riscos e práticas seguras na terapia com insulinas, 2012 [Internet]. [acesso 12 de fevereiro de 2018]. Disponível em: http://www.ismp-brasil.org/site/wp-content/uploads/2015/07/V1N2.pdf.

Gomes AD, Galato D, Silva EV. ERROS DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS EM UM HOSPITAL TERCIÁRIO. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo. 2017; 8 (3): 42-47.

Resolução da Diretoria Colegiada - RDC n° 80, de 11 de maio de 2006 [Internet]. Adota, “ad referendum”, a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e determina a sua publicação. 11 de maio de 2006 [acesso em 25 de junho de 2018]. Disponível em: https://www.anvisa.gov.br/fracionamento/rdc.htm.

Dalcin AHF, Limberger JB. INDICADORES DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde. 2017; 14 (4):104-118.

Beccaria LM, Rezende FF, Barbosa TP, Rodrigues ACS, Faria JIL, Melara SVG. Dupla checagem de enfermagem e presença de hematoma em pacientes com terapia anticoagulante. Arq. Ciênc. Saúde. 2016; 23(2):65-70.

Siqueira CL, Ferreira KM, Souza TC, Feldman LB. Sentimentos experimentados por equipes de enfermagem acerca dos erros de medicação. Cogitare Enferm. 2016; 21(esp): 01-10.

Mangilli DC, Assunção MT, Zanini MTB, Dagostin VS, Sorato MT. Atuação ética do enfermeiro frente aos erros de medicação. Enferm Foco. 2017; 8 (1): 62-66.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.3111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/