FATORES ASSOCIADOS AO ESTRESSE E COPING DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UTI: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Tamara dos Santos Pelegrini Guida, Alexandra Bulgarelli do Nascimento

Resumo


Objetivo: Integrar o conhecimento produzido sobre os fatores associados ao estresse e coping da equipe de Enfermagem em UTI. Metodologia: Revisão Integrativa da Literatura. Resultados: Os principais estressores identificados foram o ‘cuidado à rede de apoio dos pacientes’ e o ‘lidar com a morte’. Quanto ao coping, poucas estratégias foram mencionadas, destacando-se o ‘investimento nas relações interpessoais’, além do uso dos ‘serviços de apoio disponibilizados pela liderança’ e ‘apoio fora do ambiente de trabalho’, através de interações sociais informais, atividade física e lazer. Conclusões: O estresse em resposta às demandas exigidas pelo trabalho na UTI deve ser investigado e o estabelecimento de ações que visem solucionar ou minimizar os efeitos do estresse são primordiais, buscando a preservação da saúde do profissional, assim como a segurança e a qualidade do cuidado ao paciente.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ministério da Saúde (Brasil). Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. 290 p.

OMS. Identificación de enfermedades relacionadas com el trabayo y medidas para combatirlas. If. Comitê Expertos de la OMS. Genebra, 1985.

Stacciarini JMR, Tróccoli BT. The stress in nursing profession. Rev latinoam enfermagem. 2001;9(2):17-25.

Inouel KC, Versa GLG, Murassaki ACY, Melo WA, Matsuda LM. Estresse ocupacional em enfermeiros intensivistas que prestam cuidados diretos ao paciente crítico. Rev bras enferm. 2013 out;66(5):722-29.

Fogaça MC, Carvalho WB, Citero VA, Martins LAN. Fatores que tornam estressante o trabalho de médicos e enfermeiros em terapia intensiva pediátrica e neonatal: estudo de revisão bibliográfica. Rev bras ter intensiva. 2008;20(3):261-66.

Vieira LC, Guimarães LAM, Martins DA. Saúde mental e trabalho. 3a ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003. 233 p.

Dejours C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5a ed. São Paulo: Cortez; 1992.

Carvalho DV, Lima FCA, Costa TMPF, Paula Lima EDR. Enfermagem em setor fechado - estresse ocupacional. Reme. 2004 abr;8(2):290-94.

Lazarus RS, Launier S. Stress related transaction between person and enviroment. In: Dervin LA, Lewis M. Perspectives in international psychology. New York: Plenum; 1978.

Andolhe R, Barbosa RL, Oliveira EM, Costa ALS, Padilha KG. Estresse, coping e burnout da Equipe de Enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva: fatores associados. Rev esc enferm USP. 2015;49:58-64.

Figueiras JC, Hippert MIS. A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicol ciênc prof. 1999;19(3):40-51.

Malagrias LEN, Fiorito ACC. Avaliação do nível de stress de técnicos da área de saúde. Estud psicol. (Campinas). 2006 dez; 23(4):391-98.

Menzies IEP. Nurses under stress. Int Nurs Rev. 1960;7(6):9-16.

McCarthy VJC, Power S, Greiner BA. Perceived occupational stress in nurses working in Ireland. Occup med. 2010;60(8):604-10.

Silva GAV, Alves da Silva GS, Marques da Silva R, Andolhe R, Padilha KG, Costa ALS. Estresse e coping entre profissionais de enfermagem de Unidades de Terapia Intensiva e Semi-intensiva. Rev enferm UFPE on line. 2017 fev [acesso 8 fevereiro 2018];11(2):922-31.

Rodrigues AB, Chaves EC. Fatores estressantes e estratégias de coping dos enfermeiros atuantes em oncologia. Rev latinoam enfermagem. 2008 fev;16(1):1-5.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo) [Internet]. 2010 mar [acesso 03 fevereiro 2018];8(1):102-106. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf

Jensen R, Lopes MHBM. Enfermagem e lógica fuzzy: uma revisão integrativa. Rev latinoam enfermagem. 2011 fev;19(1):1-8.

Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J adv nurs. 2005;52(5):546-53.

Cooper, H. A Guide for Literature Reviews: synthesizing research. Sage Publications, Thousand Oaks, CA, 3rd edn, 1998.

Monte PF, Lima FET, Neves FMO, Studart RMB, Dantas RT. Stress among professional nurses working in intensive care units. Acta paul enferm (online). 2013;26(5):421-27.

Silva MJP. Humanização em UTI. In: Cintra EA, Nishide VM, Nunes WA. Assistência de enfermagem ao paciente crítico. São Paulo: Atheneu; 2000. p.1-11.

Leite MA, Vila VSC. Dificuldades vivenciadas pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Rev latinoam enfermagem. 2005 mar;13(2):145-50.

Stacciarini JMR, Tróccolli BT. Estresse ocupacional. In: Mendes AM, Borges LO, Ferreira MC, organizadores. Trabalho em transição, saúde em risco. Brasília: Ed. UnB; 2002. p. 185-205.

Farias SNP, Mauro MYC, Zeitoune RCG. Questões Legais sobre a saúde do trabalhador de enfermagem. Rev enf UERJ. 2000; 8(1):28-32.

Formozo GA, Oliveira DC, Costa TL, Gomes AMT. As relações interpessoais no cuidado em saúde: uma aproximação ao problema. Rev enferm UERJ. 2012;20(1):124-27.

Coronetti A, Nascimento ERP, Barra DCC, Martins JJ. O estresse da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva: o enfermeiro como mediador. Arquivos catarinenses de medicina. 2006; 35(4):36-43.

Schwartz S. O estresse e como viver com ele: implicações para a prática de enfermagem. In: Shumaker WC. Tratado de Terapia Intensiva. São Paulo: Panamericana; 1992. p.1413-16.

Ferrareze, MVG, Ferreira, V, Carvalho, AMP. Percepção do estresse entre enfermeiros que atuam em Terapia Intensiva. Acta paul enferm. 2006;19(3):310-15.

Macedo ISC, Mateus DC, Costa EMGC, Asprino ACL, Lourenço E. Avaliação do ruído em Unidades de Terapia Intensiva. Braz j otorhinolaryngol. 2009;75(6):844-46.

Ferreira LRC, Martino MMF. O estresse do enfermeiro. Rev ciênc méd (Campinas). 2006 jun;15(3):241-48.

Gonçalves, TR, Pawlowski, J, Bandeira, DR, Piccinini, CA. Avaliação de apoio social em estudos brasileiros: aspectos conceituais e instrumentos. Ciênc saúde colet. 2011;16(3):1755-69.

Reis ALPP, Fernandes SRP, Gomes AF. Estresse e fatores psicossociais. Psicol cienc prof. 2010;30(4):712-25.

Theorell T. Working conditions and health. In: Berkman L, Kawachi I. Social epidemiology. New York: Oxford University Press; 2000. p. 95-118.

Pereira MER, Bueno SMV. Lazer - Um caminho para aliviar as tensões no ambiente de trabalho em UTI: uma concepção da equipe de enfermagem. Rev latinoam enfermagem. 1997;5(4):75-83.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v8i2.3167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/