CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA: REVISÃO BIBLIOMÉTRICA

Divanice Contim, Priscila Ferreira de Moura, Jesislei Bonolo do Amaral

Resumo


O Cateter Central de Inserção Periférica (PICC) representa um grande avanço da terapiaintravenosa. Este estudo objetivou caracterizar a produção científica de dissertações e tesesproduzidas nos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem do Brasil entre 1998 e 2011 deacordo com o centro de pesquisa, número de publicações, ano de publicação e temasestudados. Estudo descritivo, retrospectivo e bibliométrico. O levantamento realizado nobanco de teses da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)resultou na localização de 27 dissertações e duas teses. O centro que mais desenvolveuestudos sobre a temática foi a Universidade Federal de São Paulo (7 [27,58%]). O tema maisestudado foi conhecimento teórico prático do enfermeiro sobre o PICC (7 [27,58%]). Estarevisão permitiu ampliar conhecimentos nesse campo e apontou a necessidade de novosestudos sobre o tema.

Descritores: Cateterismo Periférico. Neonato. Criança. Enfermagem.


Texto completo:

PDF

Referências


Taverna M. Cateter central de inserção periférica (PICC): os avanços da terapia intravenosa. Rev. Emergência Clínica, 2007; 2(8):30-34.

Secoli SR, Kishi HM, Carrara D. Inserção e manutenção do PICC: aspectos da prática clínica de enfermagem em oncologia. Prática Hospitalar. 2006; 7(47):155-162.

Silva GRG, Nogueira MFH. Terapia intravenosa em recém-nascidos: orientações para o cuidado de enfermagem. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 2004.186p.

Whaley LF, Wong DL. Enfermagem pediátrica: elementos essenciais à intervenção efetiva. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. 910p.

Camargo PP. Procedimento de inserção, manutenção e remoção do cateter central de inserção periférica em neonatos. [dissertação de mestrado]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo; 2007. 165p.

Reveles, AG, TakahashI RT. Educação em saúde ao ostomizado: um estudo bibliométrico. Rev. esc. enferm. USP. 2007; 41(2):p. 245-250.

Vaz DC, Silva CRL, Figueiredo NMA. A utilização da bibliometria na análise do referente conforto. Cogitare enferm. 2010; 15(4):736-741.

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes (BR). Contribuição da pós-graduação brasileira para o desenvolvimento sustentável: Capes na Rio+20. Brasília (DF): Capes; 2012. 194p. [acesso 12 dez 2012]. Disponível em: www.cpa.unicamp.br/alcscens/Rio+20_Livro.pdf

Rocha ADM, Vieira LJ, Alves M, Santos GPS. Contribuição da Revista Mineira de Enfermagem para a difusão do conhecimento em Enfermagem. REME rev. min. enferm. 2010; 14(1): 11-18.

Toma E. Infusão intravenosa periférica em recém-nascidos pré-termo: motivos da interrupção e fatores envolvidos. [dissertação de mestrado]. São Paulo: UNIFESP; 1998. 128 p.

Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução n. 258, de 12 de julho de 2001 (BR). Inserção de cateter periférico central pelos enfermeiros. Rio de Janeiro: COFEN; 2001. [acesso em 12 dez 2012]. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-2582001_4296.html

Belo MPM, Silva RAMC, Nogueira ILM, Mizoguti DP, Ventura CMU. Conhecimento de enfermeiros de neonatologia acerca do cateter venoso central de inserção periférica. Rev. bras. enferm. 2012; 65(1): 42-48.

Lourenco AS, Ohara CVS. Conhecimento dos enfermeiros sobre a técnica de inserção do cateter central de inserção periférica em recém-nascidos. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010; 18(2):189-195.

Baiocco GG, Silva, JLB. A utilização do cateter central de inserção periférica (CCIP) no ambiente hospitalar. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010; 18(6): 1131-1137

Jesus VC, Secoli SR. Complicações acerca do cateter venoso central de inserção periférica(PICC). Cienc. cuid. saúde. 2007; 6(2):252-260.

Johann DA, Danski, MTR, Pedrolo E, De Lazzari LSM, Mingorance, P. Avaliação de um cuidado de enfermagem: o curativo de cateter central de inserção periférica no recém-nascido. REME rev. min. enferm. 2010; 14(4): 515-520.

Câmara SMC, Tavares TJL, Chaves EMC. Cateter venoso central de inserção periférica: análise do uso em recém-nascidos de uma unidade neonatal pública em Fortaleza. Rev RENE 2007; 8(1):32-37.

Vasconcelos PCO, Silva GRG, Silva GEM. Acesso venoso em neonatologia: cateterismo epicutâneo. In: Silva GRG, Nogueira MFH, editores. Terapia intravenosa em recém-nascidos: orientações para o cuidado de enfermagem. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2004. p. 23-36.

Lima FD. A escolha do dispositivo de cateterização venosa periférica: contribuições para o cuidado de enfermagem. [dissertação de mestrado]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; 2009. 63p.

Carvalho PS. Utilização da ultrassonografia vascular com Doppler por enfermeiras durante a implantação de cateteres intravenosos centrais de inserção periférica em crianças: ensaio clínico, randômico e controlado. [dissertação de mestrado]. São Paulo: UNIFESP; 2009. 136 p.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/