FATORES INTERVENIENTES NA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE NA ATENÇÃO BÁSICA PELOS ENFERMEIROS

Daniele Pereira Soares, Ariane Moreira Coelho, Luiz Eduardo Abrantes da Silva, Raquel de Jesus Rocha da Silva, Lana Lívia Peixoto Linard, Marcelo Costa Fernandes

Resumo


Objetivo: Analisar os fatores intervenientes na realização das práticas integrativas e complementares em saúde na Atenção Básica pelos enfermeiros. Método: Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa realizado com 14 enfermeiros da Atenção Básica do município de Cajazeiras, Paraíba. Para a coleta de dados foi utilizada entrevista semiestruturada, após a aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa. Resultados: Identificou-se a motivação profissional e recepção positiva dos pacientes como fatores facilitadores e o desinteresse dos gestores como obstáculo para a realização das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde na atenção básica. Conclusão: É necessário que exista intervenção educativa tanto para os profissionais e população usuária dos serviços de saúde, quanto para os gestores, explanando a valorização dessas práticas e assim conquistando transformações nesse cenário de atuação.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília, 2.ed., 2015 [citado em 19 mar 2018]. 92 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf

Alvim NAT. Práticas Integrativas e Complementares de Saúde no Cuidado. Rev enferm UFSM. 2016 [citado em 17 fev 2018]; jan-mar; 6(1): 2. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/21571/pdf

Acioli S, Kebian LVA, Faria MGA, Ferraccioli P, Correa VAF. Práticas de cuidado: o papel do enfermeiro na atenção básica. Rev enferm UERJ. 2014 [citado em 16 mar 2018]; set/out; 22(5): 637-42. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2014.12338

Santos FPA, Acioli S, Rodrigues VP, Machado JC, Souza MS, Couto TA. Práticas de cuidado da enfermeira na Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2016 [citado em 20 mar 2018]; nov-dez; 69(6): 1124-1131. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v69n6/0034-7167-reben-69-06-1124.pdf

Medeiros AM. Práticas integrativas e complementares no SUS: os benefícios do Yoga e da Meditação para a saúde do corpo e da alma. Revista Eletrônica Correlatio. 2017 [citado em 21 fev 2018], 16(2): 283-301. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/COR/article/view/8369/6145

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria n° 971 de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília, 2006 [citado em 11 mar 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria n° 849 de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília, 2017 [citado em 18 abr 2018]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/prt_849_27_3_2017.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 702 de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC. Brasília, 2018 [citado em 10 abr 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt0702_22_03_2018.html

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: Educs, 2005.

Carvalho JLS, Nóbrega MPSS. Práticas integrativas e complementares como recurso de saúde mental na Atenção Básica. Rev Gaúcha Enferm. 2017 [citado em 23 jan 2018], 38(4): 1-9. Disponível em: http://www.revenf.bvs.br/pdf/rgenf/v38n4/1983-1447-rgenf-38-04-e2017-0014.pdf

Cruz PLB, Sampaio SF. O uso de práticas complementares por uma equipe de saúde da família e sua população. Rev APS. 2012 [citado em 12 jun 2018], 15(4): 486-495. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/download/1483/681

Erku DA, Mekuria AB. Prevalence and Correlates of Complementary and Alternative Medicine Use among Hypertensive Patients in Gondar Town, Ethiopia. Evid Based Complement Alternat Med. 2016 [citado em 21 mar 2018], 2016: 7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5097805/pdf/ECAM2016-6987636.pdf

Júnior ET. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estudos avançados. 2016 [citado em 12 fev 2018], 30 (86): 99-112. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v30n86/0103-4014-ea-30-86-00099.pdf

Varela DSS, Azevedo DM. Dificuldades de profissionais de saúde frente ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos. Rev pesq cuid fundam. 2013 [citado em 11 mar 2018]; 5(2): 3588-3600. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2033/pdf_726

Randow R, Campos KFC, Roquete FF, Silva LTH, Duarte VES, Guerra VA. Periferização das práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: desafios da implantação do lian gong como prática de promoção à saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2016 [citado em 26 mar 2018]; 29(Supl): 111-117. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6412/5219

Araújo AKL, Filho ACAA, Ibiapina LG, Nery IS4, Rocha SS. Dificuldades enfrentadas por enfermeiros na aplicabilidade da fitoterapia na atenção básica: uma revisão integrativa. Rev Fundam Care. online. 2015 [citado em 16 abr 2018]; 7(3): 2826-2834. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/5057/505750947038/

Figueredo CA, Gurgel IGD, Junior GDG. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2014 [citado em 19 abr 2018]; 24(2): 381-400. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v24n2/0103-7331-physis-24-02-00381.pdf

Galhardi WMP, Barros NF, Leite-Mor ACMB. O conhecimento de gestores municipais de saúde sobre a Política Nacional de Prática Integrativa e Complementar e sua influência para a oferta de homeopatia no Sistema Único de Saúde local. Ciência & Saúde Coletiva. 2013 [citado em 13 fev 2018]; 18(1): 213-220. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n1/22.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de implantação de serviços de práticas integrativas e complementares no SUS. Brasília. 2018 [citado em 16 ago 2018]. 56 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/manual_implantacao_servicos_pics.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v8i1.3544

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/