PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES TRABALHADORAS: ANÁLISE DOS REGISTROS NO OESTE DE SANTA CATARINA

Michelly Carla Santin, Adriana Remião Luzardo, Milena Schneiders, Alexandre Inácio Ramos, Kassiano Carlos Sinski, Vander Monteiro da Conceição

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico de mulheres trabalhadoras envolvidas em acidentes e/ou doenças relacionadas ao trabalho no Oeste de Santa Catarina. Método: Estudo epidemiológico transversal descritivo de caráter observacional, com coleta de dados retrospectiva. Os dados foram coletados no período de 2012 a 2016. Resultados: Os resultados mostraram que a faixa etária predominante de mulheres acidentadas são dos 20 aos 39 anos; os tipos de lesão mais prevalentes são a lesão cortante e traumatismo; quanto aos acidentes destacam-se os com material biológico, LER/DORT, intoxicações exógenas e os acidentes de trabalho não especificados. As profissões mais notificadas são: alimentador da linha de produção, faxineiro e técnico de enfermagem. Conclusão: A notificação dos agravos à saúde do trabalhador é necessária pensando no planejamento e replanejamento das ações, programas e políticas voltadas para a saúde da mulher trabalhadora que auxiliem na prevenção de acidentes e agravos e sobretudo na redução de desfechos desfavoráveis.

Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


- Lara R. Saúde do trabalhador: considerações a partir da crítica da economia política. R. Katal. [Internet]. 2011; 14(1): 78-85. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v14n1/v14n1a09

- Fernandes M, Marziale MHP. Riscos ocupacionais e adoecimentos de trabalhadores em saúde mental. Acta Paul Enferm. 2014; 27(6): 539-47. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n6/1982-0194-ape-027-006-0539.pdf.

- Medeiros BO. Acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Unibrasil. 2009. Disponível em: http://www.unibrasil.com.br/arquivos/direito/20092/bruna-de-oliveira-medeiros.pdf.

- Prochnow A, et al. Acidente de trabalho: uma revisão integrativa. Rev Enferm UFSM. 2012; 2(1): 156-164. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/viewFile/2624/3149.

- Rezende EF, Pereira ES. Os múltiplos papeis da mulher trabalhadora: um olhar do Serviço Social. Publicado em 17 de novembro de 2014. Disponível em: http://catolicaonline.com.br/revistadacatolica2/artigosv3n5/artigo17.pdf.

- Portal Brasil (Brasil). Mulheres são mais vulneráveis a doenças no ambiente de trabalho. Brasília: Ministério da Previdência; 2015. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2015/04/mulheres-sao-mais-vulneraveis-a-doencas-no-ambiente-de-trabalho.

- Hochman B, et al. Desenhos de pesquisa. Acta Cirúrgica Brasileira. 2005; 20(2). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/acb/v20s2/v20s2a02.pdf.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Brasil). Cidades [Internet]. 2016. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=420420&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas.

- Patriota GFR, Alberto MFP. Trabalho infantil doméstico no interior dos lares: as faces da invisibilidade. Estud. pesqui. psicol. 2014; 14(3): 893-913. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180842812014000300011&lng=pt&nrm=iso.

- Monte PA. Exploração do Trabalho Infantil no Brasil: Consequências e Reflexões. Revista Economia. 2008; 9(3): 625-50. Disponível em: http://www.anpec.org.br/revista/vol9/vol9n3p625_650.pdf.

- Ferreira DL, Pires VATN. Perfil de morbidade e mortalidade de mulheres em idade fértil na área de abrangência da microregião de saúde de Ipatinga. Revista Enfermagem Integrada. 2013; 6(1). Disponível em: https://www.unilestemg.br/enfermagemintegrada/artigo/v6/09-perfil-de-morbidade-e-mortalidade-de-mulheres-em-idade-fertil-na-area-de.pdf.

- Mendes JMR, et al. Saúde do trabalhador: desafios na efetivação do direito à saúde. Argumentum. 2015; 7(2): 194-207.

- Budel DGO. Acidente do trabalho: Caracterização, conceito e competência. Revista Direito UNIFACS. 2012; Disponível em: http://www.revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/view/1930/1466.

- Souza TV. A influência do sexo e do gênero nas questões envolvendo segurança e saúde do trabalhador. Revista Espaço Acadêmico. 2016; (177): 73-83.

- Filho VW. Perfil Epidemiológico dos Trabalhadores. Rev. Bras. Med. Trab. 2004; 2(2): 103-117. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0180.pdf.

- Lelis CM, et al. Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em profissionais de enfermagem: revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enferm. 2012; 25(3): 477-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n3/v25n3a25.

- Santana VS, Moura MCP, Nogueira FF. Mortalidade por intoxicação ocupacional relacionada a agrotóxicos. 2000-2009, Brasil. Rev Saúde Pública 2013; 47(3): 598-606. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v47n3/0034-8910-rsp-47-03-0598.pdf.

- Alvarez D, Azevedo ERF. O trabalho feminino na função de limpeza de prestadoras de serviço em uma instituição de ensino superior. Revista das Faculdades Integradas Vianna Júnior. 2016; 7(1): 185-212.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v9i1.3725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/