FAMILIARES CUIDADORES DE IDOSOS COM SINTOMAS DEPRESSIVOS

Gabriela Souza Granero, Luan Augusto Alves Garcia, Irma Helena Ferreira Benate Bomfim, Edna Maria Campanhol, Marta Regina Farinelli, Álvaro da Silva Santos

Resumo


Objetivo: conhecer as relações de cuidado dos familiares de idosos com sintomas depressivos e a suas percepções acerca do desgaste do cuidador. Método: estudo exploratório, com delineamento transversal e de abordagem clínico-qualitativa, realizado em uma cidade do interior de Minas Gerais, no ano de 2019, com método de amostragem por variedade de tipos. Resultados: emergiram três categorias temáticas - cuidador suficientemente bom e a possibilidade de um ambiente facilitador aos idosos com sintomas depressivos; o familiar cuidador e o fortalecimento da autonomia durante o envelhecimento e sobrecarga subjetiva e a necessidade de implementação de políticas públicas aos cuidadores informais. Conclusão: os cuidadores primários encontrava-se em condição de vulnerabilidade social e emocional, pouco suporte social dos familiares e de políticas públicas, e demonstrando com isto, sobrecarga enquanto cuidadores.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Nunes DP, Brito TRP, Duarte YAO, Lebrão ML. Cuidadores de idosos e tensão excessiva associada ao cuidado: evidências do Estudo SABE. Rev. Bras. Epidemiol. [Internet]. 2018 [citado em 29 jun 2019]; 21(Supl. 2):e180020.supl.2. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180020.supl.2

Souza LR, Hanus JS, Libera LBD, Silva VM, Mangili EM, Simões PW et al. Sobrecarga no cuidado, estresse e impacto na qualidade de vida de cuidadores domiciliares assistidos na atenção básica. Cad. Saúde Colet. [Internet]. 2015 [citado em 29 jun 2019]; 23(2):140-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201500020063.

Barroso SM, Silva MA. Cuidadores informais e profissionais. In: SM Barroso (Org.). Cuidadores (in)visíveis dos cuidadores familiares e profissionais. Rio de janeiro: Autografia Edição e Comunicação Ltda., 2017. p. 12-173.

Guerra HS, Almeida NAM, Souza MR, Minamisava R. A sobrecarga do cuidador domiciliar. Rev. Bras. Promoç. Saúde [Internet]. 2017 [citado em 29 jun 2019]; 30(2):179-86. DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p179.

Folstein MF, Folstein SE, McHugh PR. Mini-Mental State: a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. J Psychiat Res. 1975;12: 189-98.

Almeida OP. Mini exame do estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 1998;56:605-12.

Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 6 ed. Rio de Janeiro: Vozes. 2013.

Almeida OP, Almeida AS. Confiabilidade da versão brasileira da escala de depressão em geriatria (GDS) versão reduzida. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 57:421-6

Cherix K, Coelho Júnior, NE. O cuidado de idosos como um campo intersubjetivo: reflexões éticas. Interface (Botucatu) [Internet]. 2017 [citado em 29 jun 2019]; 21(62):579-88. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0492.

Serralha CA. “Não atendo criança”: situação de risco para a não constituição do si mesmo individual. Curitiba: CRV, 2018.

Winnicott DW. Da pediatria à psicanálise obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago. (Through Paediatrics to Psychoanalysis, 1958), 2000.

Dias EO. A teoria do amadurecimento de D.W. Winnicott. 3 ed. São Paulo: DWW editorial, 2014.

Valente MC. Autonomia e empoderamento dos idosos. Rev. Portal de Divulgação. 2018; (57): 63-9.

Kreuz G, Franco MHP. Reflexões acerca do envelhecimento, problemáticas, e cuidados com as pessoas idosas. Rev. Kairós [Internet]. 2017 [citado em 29 jun 2019]; 20(2):117-33. DOI: https://doi.org/10.23925/2176-901X.2017v20i2p117-133.

Lima AAD. Eu cuido de você... E você, cuida de mim? Um olhar sobre o cuidado por idosas que moram sozinhas. [Tese]. Botucatu, SP: Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil. 2018. 168p.

McCann TV, Bamberg J, McCann F. Family carers' experience of caring for an older parent with severe and persistent mental illness. Int. J. Ment. Health Nurs. [Internet]. 2015 [citado em 29 jun 2019]; 24(3):203-12. DOI: https://doi.org/10.1111/inm.12135.

Couto AM, Castro EA, Calda CP. Vivências de ser cuidador familiar de idosos dependentes no ambiente domiciliar. Rev Rene [Internet]. 2016 [citado em 29 jun. 2019]; 17(1):76-85. DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000100011.

Hedler HC, Paula Faleiros V, Santos MDJS, Araújo Almeida MA Representação social do cuidado e do cuidador familiar do idoso. Rev. Katálysis [Internet]. 2016 [citado em 29 jun. 2019]; 19(1):143-53. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1414-49802016.00100015.

Aires M, Mocellin D, Fengler FL, Rosset I, Santos NO, Machado DO et al. Associations between filiar responsibility when caring for parentes and the caregivers overload. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 29 jun. 2019]; 70(4):767-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0133.

Girardi-Paskulin LM, Kottwitz-Bierhals CCB, Oliveira SN, Baltar-Day C, Oliveira-Machado D, Pinheiro de Morais E et al. Depressive symptoms of the elderly people and caregiver’s burden in home care. Invest. Educ. Enferm. [Internet]; 2017 [citado em 29 jun. 2019]; 35(2):210-20. DOI: 10.17533/udea.iee.v35n2a10.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v9i1.3825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/