QUALIDADE DE DADOS DE NOTIFICAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CASOS DE TUBERCULOSE EM MINAS GERAIS

Lucila Costa Zini Angelotti, Patrícia Borges Dias Alexandre, Sybelle de Souza Castro Miranzi, Lucia Marina Scatena

Resumo


RESUMO

Objetivo: Analisar a qualidade da informação dos casos novos de tuberculose notificados e acompanhados em Minas Gerais. Métodos: Estudo descritivo epidemiológico cuja população foi constituída pelos casos novos de tuberculose notificados na base de dados do Sinan, no período de 2003 a 2010. A análise dos dados foi descritiva e as variáveis avaliadas segundo critério de completude estabelecido pelo CDC Updated Guidelines for Evaluating Public Health Surveillance Systems. Resultados: A completude foi considerada ruim ou muito ruim para 23,7% das variáveis. Os agravos associados apresentaram entre 42,3% e 48,6% a categoria ignorado. Discussão: A baixa completitude das variáveis institucionalizado, baciloscopia de escarro 2a amostra, acompanhamento mensal da baciloscopia, tratamento supervisionado realizado e maior uso da categoria ignorado em agravos associados foram também encontrados em outros estudos. Conclusões: A baixa completitude e o uso da categoria ignorado podem implicar em perda de informação e comprometer as ações da vigilância epidemiológica.

Descritores: Tuberculose; Vigilância em Saúde Pública; Notificação de doenças.



Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: epidemiology, strategy, financing. Geneva: World Health Organization, 2010.

Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde. Área do Profissional e Gestor. Programa Nacional de Controle à Tuberculose. Brasília; 2011. [Acesso em: 15 out 2012]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1527.

Secretaria Do Estado De Saúde De Minas Gerais. Comunicações SES. 2010. [Acesso em: 10 out. 2011]. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/noticias_e_eventos/minas-capacita-profissionais-para-tratamento-da-tuberculose/?searchterm =tuberculose.

World Health Organization (WHO). Global tuberculosis control: epidemiology, strategy, financing. Geneva: World Health Organization, 2009.

Medeiros K. O sistema de informação em saúde como instrumento da política de recursos humanos: um mecanismo importante na detecção das necessidades da força de trabalho para o SUS. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2005; 10(1): 433-440.

Oliveira GP, Pinheiro RS, Coeli CM, Codenotti SB, Barreira D. Linkage entre SIM e SINAN para a melhoria da qualidade dos dados do sistema de informação da tuberculose: a experiência nacional. Cad Saúde Colet. 2010; 18(1): 107-111.

Pinheiro RS, Oliveira GP, Oliveira PB, Coeli CM. Melhoria da qualidade do sistema de informação para a tuberculose: uma revisão da literatura sobre o uso do linkage entre bases de dados. Brasília: Ministério da Saúde. 2011. [Acesso em 10 set 2013]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=38462.

Braga JU. Vigilância epidemiológica e o sistema de informação da tuberculose no Brasil, 2001-2003. Rev Saúde Pública. 2007; 41 Supl 1:77-88.

Souza LMO, Pinheiro RS. Óbitos e internações por tuberculose não notificados no município do Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública. 2011; 45(1):31-39.

Zachariah R, Harries AD, Ishikawa N, Rieder HL, Bissell K, Laserson K, et al. Operational research in low-income countries: what, why, and how? Lancet Infect Dis. 2009; 9(11):711-7.

Lienhardt C, Cobelens F. Operational research for improved TB control: the scope, the needs and the way forward. Int J Tuberc Lung Dis. 2011; 15(1):6-13.

Horton R, Murray C, Frenk J. New initiative and invitation for health monitoring, tracking and evaluation. The Lancet. 2008; 371(9619):1139-1140.

Centers For Disease Control And Prevention (CDC). Updated guidelines for evaluating public health surveillance systems. Atlanta: Department of Health and Human Services, 2001.

HIJJAR MA, PROCÓPIO MJ, FREITAS LMR, GUEDES R, BETHLEM EP. Epidemiologia da tuberculose: importância no mundo, no Brasil e no Rio de Janeiro. Pulmão RJ. 2005; 14(4):310-314.

Souza KMJ, Villa TCS, Assolini FEP, Beraldo AA, França UM, Protti ST, Palha PF. Atraso no diagnóstico da tuberculose em sistema prisional: a experiência do doente apenado. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(1): 17-25.

Souza MGG, Andrade JRS, Dantas CF, Cardoso MD. Investigação de óbitos por tuberculose, ocorridos na região metropolitana do Recife (PE), registrados no Sistema de Informação de Mortalidade, entre 2001 e 2008. Cad Saúde Colet. 2012; 20(2):153-160.

Monteiro PC, Gazetta CE. Aspectos epidemiológicos, clínicos e operacionais do controle da tuberculose em um hospital escola – 1999 a 2004. Arq Ciênc Saúde. 2007; 14(2):99-106.

Chirinos NEC, Meireles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(3):599-406.

Guerra RL, Rego L, Conde MB. Diagnóstico da tuberculose pulmonar com baciloscopia negativa. Pulmão RJ. 2008; 17(2-4): 87-90.

Silva Júnior CT. Abordagem diagnóstica da tuberculose pleural, ganglionar, renal e de sistema nervoso central. Pulmão RJ. 2012; 21(1):32-35.

Malhão TA, Oliveira GP, Codenotti SB, Moherdaui F. Avaliação da completitude do Sistema de Informação de Agravos de Notificação da tuberculose, Brasil, 2001-2006. Epidemiol Serv Saúde. 2010; 19(3):245-256.

Nogueira JA, Sá LD, França UM, Almeida SA, Lima DS, Figueiredo T MRM, et al. O sistema de informação e controle da tuberculose nos municípios prioritários da Paraíba – Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(1):125-131.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/