PECULIARIDADES DA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA

Jessica Stragliotto Bazzan, Manoela Souza da Silva, Viviane Marten Milbrath, Ruth Irmgard Bartschi Gabatz, Vera Lucia Freitag, Karine Lemos Maciel

Resumo


Objetivo: conhecer as dificuldades e facilidades enfrentadas pelos profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil no cuidado de crianças e adolescentes vítimas de violência. Método: estudo qualitativo realizado em um Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil no sul do Brasil, cujos dados foram coletados por meio de uma entrevista semiestruturada com 10 profissionais da equipe multidisciplinar e analisados por meio da análise temática. Resultados: as dificuldades enfrentadas pelos profissionais referem-se à violência intrafamiliar, à demora nos encaminhamentos e à falta de articulação da rede de proteção, vulnerabilidade social, enquanto as facilidades relacionam-se ao vínculo entre profissionais, vítimas e família. Conclusão: acredita-se que o estudo possa contribuir para (re)pensar estratégias de assistência na elaboração de protocolos para o reconhecimento e o encaminhamento dos casos de violência infantojuvenil, na articulação dos serviços que prestam assistência à criança e ao adolescente e no respaldo aos profissionais que trabalham com a questão.         

   Descritores: Criança; Adolescente; Serviços de saúde; Violência; Atenção à saúde.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Hillis S, Mercy J, Amobi A, Kress H. Global prevalence of past-year violence against children: a systematic review and minimum estimates. Pediatrics. 2016.137(3):201540-79.

Ministério da Saúde (Brasil), Datasus. Informações de Saúde. Violência doméstica, sexual e/ou outras violências - Brasil. Frequência por faixa etária segundo UF notificação, período 2014 Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Souto DF, Zanin L, Ambrosano GMB, Flório FM. Violence against children and adolescents: profile and tendencies resulting from Law 13.010. Rev Bras Enferm. 2018;71(3):1237-46.

Arpini, DM, Savegnago, SO, Witt, CS. O ponto de vista de adolescentes em situação de vulnerabilidade social sobre o agressor sexual. Pesquisas e Práticas Psicossociais. 2016; 12(2):247-262.

Gabatz RIB, Schwartz E, Milbrath VM, Zillmer JGV, Neves ET. Attachment theory, symbolic interactionism and grounded theory: articulating reference frameworks for research. Texto & Contexto-Enfermagem. 2017;26(4):1-8.

Tavares LC, Iwamoto HH, Gontijo DT. Medeiros m. Situações de violência sexual infantojuvenil registradas no conselho tutelar de Uberaba/MG. Revista Enfermagem e Atenção à saúde. 2012; 1(1):1-14.

Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466/12: Dispõe sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Ministério da Saúde: 2012.

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology 2006; 3(2):77-101.

Egry EY, Apostólico MR, Morais TCP, Lisboa CCR. Enfrentar a violência infantil na Atenção Básica: como os profissionais percebem? Revista Brasileira de Enfermagem. 2017;70(1):119-125.

Gonçalves CFG, Silva LP, Pitangui ACR, Silva CC, Santana MV. Atuação em rede no atendimento ao adolescente vítima de violência: desafios e possibilidades. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015; 24(4): 976-83.

Deslandes SF, Campos DDS. A ótica dos conselheiros tutelares sobre a ação da rede para a garantia da proteção integral a crianças e adolescentes em situação de violência sexual. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(7):2173-2182.

Afifi TO, McTavish J, Turner S, MacMillan HL, Wathen CN. The relationship between child protection contact and mental health outcomes among Canadian adults with a child abuse history. Child Abuse Negl. 2018;1(79):22-30.

Rolim ACA, Moreira GAR, Corrêa CRS, Vieira LJES. Subnotificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na Atenção Básica e análise de fatores associados. Saúde Debate. 2014;38(103):794-804.

Gonçalves CFG, Silva LMP, Pitangui ACR, Silva CC, Santana MV. Atuação em rede no atendimento ao adolescente vítima de violência: desafios e possibilidades. Texto Contexto Enferm. 2015;24(4):976-983.

Viegas APB, Carmo RF, Luz ZMP. Fatores que influenciam o acesso aos serviços de saúde na visão de profissionais e usuários de uma unidade básica de referência. Saúde Soc. 2015;24(1):100-12.

Garbin CAS, Dias IA, Rovida TAS, Garbin AJI. Desafios do profissional de saúde na notificação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(6):1879-1890.

Antoni C, Batista FA. Violência familiar: Análise de fatores de risco e proteção. Revista da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul. 2014;14(2):26-35.

Dias EM, Silva EM, Leite TMC. O trabalho da enfermeira em um serviço de acolhimento institucional. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2014;14(2):138-47.

Santana TM, Moreira MA. Impactos da violência perpetrada contra as adolescentes na dinâmica familiar. Universidade do Estado da Bahia, 2015. 16p.

Quadros MN, Kirchner RM, Hildebrandt LM, Leite MT, Costa M C, Sarzi DM. Situación de la violencia contra niños y adolescentes en Brasil. Enfermería Global. 2016;15(4):162-196.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v9i2.4143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/