MÃES DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES HEMOFÍLICOS E SUAS CONCEPÇÕES SOBRE MATERNIDADE

Letícia de Araujo Apolinario, Leiner Resende Rodrigues

Resumo


RESUMO

Na perspectiva de descrever e analisar o significado da maternidade no modo de vida de mães de crianças e adolescentes com hemofilia foi realizado o presente estudo descritivo com análise qualitativa dos dados. O estudo respondeu ao questionamento: qual o significado da maternidade para mães de crianças e adolescentes hemofílicos? As sete participantes foram localizadas através de cadastro no Hemocentro Regional de Uberaba (HRU). A coleta de dados foi realizada a partir de um roteiro de entrevista. Para análise de dados utilizou-se a técnica de análise de conteúdo temática de Bardin adaptada por Gomes. Concluiu-se que o significado de ser mãe de crianças ou adolescentes hemofílicos é um construto que se dá por etapas e é permeado por dificuldades, obstáculos, medos e preocupações que se tornam mais amenos à medida que o binômio mãe-filho enfrenta cada barreira e, assim, aprende a aceitar e lidar com a doença.

Descritores: Relações mãe-filho. Hemofilia A. Hemofilia B. Pessoal de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Aster JC. Os Sistemas Hematopoiético e Linfóide. In: Robbins SL et al. Patologia Básica. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2008. p. 461-525.

Garbin LM et al. Avaliação da qualidade de vida relacionada à saúde em pacientes portadores de hemofilia. Cienc Cuid Saúde. 2007; 6(2): 197-205.

Sidoti et al. Educação terapêutica da criança hemofílica. Rev. Psicopedagogia. 2005; 22(68): 111-118.

Vieira MA, Lima RAG. Crianças e adolescentes com doença crônica: convivendo com mudanças. Rev Latino-am Enfermagem. 2002; 10(4): 552-560.

Minayo MCS. O desafio da pesquisa social. In: Minayo, MCS, organizadora, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 30. ed. Petrópolis: Vozes; 2011. p. 9-30.

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 30. ed. Petrópolis: Vozes; 2011. p. 79-108.

Strapason, MR, Nedel MNB. Puerpério imediato: desvendando o significado da maternidade. Rev Gaúcha Enferm. Porto Alegre. 2010; 31(3): 521-528.

Piccinini CA et al. Expectativas e Sentimentos da Gestante em Relação ao seu Bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2004; 20(3): 223-232.

Couto THAM, Tachibana M, Aiello-Vaisberg TMJ. A mãe, o filho e a Síndrome de Down. Paidéia. 2007; 17(37): 265-272.

Souza DP et al. Hemofilia: uma revisão para o enfermeiro. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2008; 18: 79-92.

Luz GS et al. A intersubjetividade no contexto da família de pessoas com fibrose cística. Rev Bras Enferm. 2012. 65(2): 251-256.

Martins et al. A concepção de família e religiosidade presente nos discursos produzidos por profissionais médicos acerca de crianças com doenças genéticas. Ciência e Saúde Coletiva. 2012; 17(2): 545-553.

Camargo SPH, Londero CAD. Implicações do Diagnóstico na Aceitação da Criança com Deficiência: Um Estudo Qualitativo. Interação em Psicologia. 2008; 12(2): 277-289.

Lemes LC, Barbosa MAM. Comunicando a mãe o nascimento do filho com deficiência. Acta Paul Enferm. 2007; 20(4): 441-445.

Perosa GB. et al. Sintomas depressivos e ansiosos em mães de recém nascidos com e sem malformações. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(9): 433-439.

Schwebel DC, Brezausek CM. Chorinic Maternal Depression and children’s injury risk. Journal of Pediatric Psychology. 2008; 33(10): 1108-1116.

Castro EK, Piccinini CA. A experiência de maternidade de mães de crianças com e sem doença crônica no segundo ano de vida. Estudos de psicologia. 2004; 9(1): 89-99.

Furtado MCC, Lima RAG. O cotidiano da família com filhos portadores de fibrose cística: subsídios para a enfermagem pediátrica. Rev latino-am Enfermagem. 2003; 11(1): 66-73.

Marcon SS. et al. Dificuldades e conflitos enfrentados pela família no cuidado cotidiano a uma criança com doença crônica. Cienc Cuid Saúde. 2007; 6(2): 411-419.

Simpionato E. A enfermagem familiar na promoção da saúde de crianças com insuficiência renal crônica. [dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2005. 137p.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/