CARACTERIZAÇÃO DE MÃES E RECÉM-NASCIDOS PRÉ-TERMO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

Andréa Lopes Barbosa, Thays de Oliveira Bezerra, Nardelli Brenda Soares Barros, Claudiane da Silva Lemos, Viviane Nóbrega Gularte Azevedo, Ticiany Alves Bastos, Marcelo Lopes Barbosa, Paulo César de Almeida

Resumo


Objetivo: Objetivou-se caracterizar o perfil sociodemográfico e clínico dos recém-nascidos pré-termo (RNPTs) de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Método: Trata-se de um estudo observacional, descritivo e quantitativo realizado em uma UTIN em Fortaleza-CE, de jan./nov. 2017. A amostra foi composta por 70 RNPTs. A coleta de dados foi feita por meio de um formulário, contendo as características demográficas e clínicas das mães e dos recém-nascidos. Resultados: Dentre os principais resultados, destacam-se: 69,6% das mães tinham idade entre 20-34 anos, 22,1% fizeram cinco consultas de pré-natal, 29,4% apresentaram doença hipertensiva específica da gestação. Concernente aos recém-nascidos, quanto à idade gestacional, a maioria era pré-termo extremo (85,3%), extremamente baixo peso (50%) e estavam sob ventilação mecânica (VM) (78,6%). Conclusão: Por meio do conhecimento das características dos pacientes internados, deve-se visar à melhor assistência pré-natal, prever recursos e treinar os profissionais, no intuito de melhorar a assistência à saúde na UTIN.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Oliveira LL, Gonçalves AC, Costa JSD, Bonilha ALL. Fatores maternos e neonatais relacionados à prematuridade. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2016 [citado em 8 out 2020]; 50(3):382-89. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/pt_0080-6234-reeusp-50-03-0382.pdf

World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth [Internet]. Geneva: WHO; 2012 [citado em 31 maio 2020]. Disponível em: https://www.who.int/pmnch/media/news/2012/201204_borntoosoon-report.pdf

Chawanpaiboon S, Vogel JP, Moller AB, Lumbiganon P, Petzold M, Hogan D, et al. Global, regional, and national estimates of levels of preterm birth in 2014: a systematic review and modelling analysis. Lancet Glob Health [Internet]. 2019 [citado em 08 dez 2020]; 7(1):e37-46. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30389451/

World Health Organization. Preterm birth [Internet]. Geneva: WHO; 2015 [citado em 31 maio 2020]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs363/en/

Tamez R. Enfermagem na UTI neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 3ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2017. Gravidez e parto de alto risco. cap. 2, p. 14-16.

Guimarães EAA, Vieira CS, Nunes FDD , Januário GC, Oliveira VC, Tibúrcio JD. Prevalência e fatores associados à prematuridade em Divinópolis, Minas Gerais, 2008-2011: análise do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Epidemiol Serv Saúde. 2017; 26(1):91-98. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ress/v26n1/2237-9622-ress-26-01-00091.pdf

Sadovsky ADI, Matijasevich A, Santos IS, Barros FC, Miranda AE, Silveira MF. Iniquidades socioeconômicas em nascimentos prematuros em quatro estudos brasileiros de coortes de nascimento. J Pediatr. (Rio J.). 2018; 94(1):15-22. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jped/v94n1/pt_0021-7557-jped-94-01-0015.pdf

Rosenberg AA, Grover T. O recém-nascido. In: Hay Jr. WW, Deterding RR, Levin MJ, Abzug MJ. Current: diagnóstico e tratamento. Porto Alegre: AMGH; 2016. cap. 2, p. 9-74.

Ferraresi MF, Arrais AR. Perfil epidemiológico de mães de recém-nascidos admitidos em uma unidade neonatal pública. Rev Rene. 2016; 17(6):733-40. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/6453/4702

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012 [citado em 31 maio 2020]. (Cadernos de Atenção Básica; n.32). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Gryschek ALFPL, Nichiata LYI, Fracolli LA, Oliveira MAF, Pinho PH. Tecendo a rede de atenção à saúde da mulher em direção à construção da linha de cuidado da gestante e puérpera, no Colegiado de Gestão Regional do Alto Capivari. Saúde Soc. 2014; 23(2):689-700. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n2/0104-1290-sausoc-23-2-0689.pdf

Petito ADC, Cândido ACF, Ribeiro LO, Petito G. A importância da participação do pai no ciclo gravídico puerperal: uma revisão bibliográfica. Revista Eletrônica da Faculdade de Ceres [Internet]. 2015 [citado em 31 maio 2020]; 4(1): 1-14. Disponível em: http://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/refacer/article/view/3367

Gonzaga ICA, Santos SLD, Silva ARV, Campelo V. Atenção pré-natal e fatores de risco associados à prematuridade e baixo peso ao nascer em capital do nordeste brasileiro. Ciênc Saúde Colet. 2016; 21(6):1965-74. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v21n6/1413-8123-csc-21-06-1965.pdf

Montenegro CAB, Rezende Filho J. Obstetrícia fundamental. 13ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2014.

Carvalho SS, Coelho JMF, Bacelar DÂ, Mariola E. Fatores maternos para o nascimento de recém-nascidos com baixo peso e prematuros: estudo caso-controle. Ciênc Saúde (Porto Alegre). 2016; 9(2):76-82. Disponível em: file:///C:/Users/andre/Downloads/21947-Texto%20do%20artigo-102769-2-10-20160916%20(1).pdf

Silva CF, Leite ÁJM, Almeida NMGS, Leon ACMP, Olofin I, Castro ECM et al. Fatores associados ao óbito neonatal de recém-nascidos de alto risco: estudo multicêntrico em Unidades Neonatais de alto risco no nordeste brasileiro. Cad Saúde Pública [Internet]. 2014 [citado em 31 maio 2020]; 30(2):355-68. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n2/0102-311X-csp-30-2-0355.pdf

Esser MAMS, Mamede FV, Mamede MV. Perfil dos profissionais de enfermagem que atuam em maternidades em Londrina, PR. Rev Eletrônica Enferm. [Internet]. 2012 [citado em 31 maio 2020]; 14(1):133-41. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/11032/15565

Muniz EB, Vasconcelos BB, Pereira NA, Frota RG, Moraes CEB, Oliveira MAS. Análise do boletim de Apgar em dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos registrados em um hospital do interior do estado do Ceará, Brasil. Revista de Medicina e Saúde de Brasília [Internet]. 2016 [citado em 31 maio 2020]; 5(2):182-91. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/6677/4563

Leone CR, Ramos JL, Vaz FA. O recém nascido pré-termo. In: Marcondes E, Vaz FA, Ramos JL, Okay Y. Pediatria básica. 9th ed. São Paulo: Savier; 2002. p. 348-352. Cap 8

Souza KCL, Carvalho ACF, Evangelista NMC, Nascimento MM, Braide ASG, Silveira MGAO. Profile of newborns discharged from the intensive neonatal care unit submitted to the kangaroo ward. J Contemp Pediatr. 2017; 4(3):685-90. Disponível em: file:///C:/Users/andre/Downloads/634-3252-1-PB.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v10i1.4660

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/