MONITORIZAÇÃO DA OXIMETRIA DE PULSO EM RECÉM-NASCIDOS: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NAS UNIDADES NEONATAIS

João Paulo Assunção Borges

Resumo


RESUMO

A terapia com oxigênio (O2) suplementar é empregada em Recém-Nascidos (RN) com distúrbios respiratórios, embora apresente riscos para morbidades. Objetivou-se descrever a atuação do enfermeiro na administração de O2 suplementar e monitorização dos RN. Trata-se de revisão sistemática de literatura, com abordagem descritiva e reflexiva, baseada em 20 estudos disponíveis nas bases de dados científicas eletrônicas, publicados entre janeiro de 2000 e julho de 2013. Encontrou-se que a forma de administração de O2 varia conforme a eficiência do sistema utilizado, a causa e o grau de dificuldade respiratória do RN. A oximetria de pulso representa um método não invasivo de verificar a oxigenação continuamente e apresenta-se como possibilidade de reduzir a incidência e a gravidade das complicações do uso abusivo de O2. Unidades neonatais devem dispor de misturadores de ar/O2 e o enfermeiro deve garantir a monitorização contínua dos RN em oxigenoterapia, propondo estratégias e metas para a oximetria de pulso.

Descritores: enfermagem; oxigênio; oxigenoterapia; recém-nascido.

 

 


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Tamez RN. Enfermagem na UTI Neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. Oxigenoterapia. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2013. p.157-65.

Miyaki M, et al. Administração de oxigênio e monitorização da oxigenação no recém-nascido. Programa de Atualização em Neonatologia – PRORN. Porto Alegre: Artmed/Panamericana Editora. 2009: 99-144.

Camargo PAB, Pinheiro AT, Hercos ACR, Ferrari GF. Oxigenoterapia inalatória em pacientes pediátricos internados em hospital universitário. Rev Paul Pediatr. 2008; 26(1):43-47.

Mack E. Oxygen administration in the neonate. Newb. Inf. Nurs. Rev. 2006; 6:63-7.

Frey B, Shann F. Oxygen administration in infants. Arch Dis Child Fetal Neonatal. 2003; 88: 84-8.

Verklan MT, Padhye NS, Turner NC. Oxygen Saturation Levels in the First 30 Minutes of Life. Adv. Neonatal Care. 2008; 8(4): 231-236.

Finer N, Leone T. Oxygen Saturation Monitoring for the Preterm Infant: The Evidence Basis for Current Practice. Pediatr Res. 2009; 65: 375–380.

Maltepe E, Saugstad OD. Oxygen in Health and Disease: Regulation of Oxygen Homeostasis–Clinical Implications. Pediatr Res. 2009; 65: 261-268.

Palm K, Simoneau T, Sawicki G, Rhein L. Assessment of Current Strategies for Weaning Premature Infants From Supplemental Oxygen in the Outpatient Setting. Adv. Neonatal Care. 2011; 11(5): 349-356.

Ravert P, Detwiler TL, Dickinson JK. Mean Oxygen Saturation in Well Neonates at Altitudes Between 4498 and 8150 Feet. Adv. Neonatal Care. 2011; 11(6): 412-417.

Nghiem TH, et al. Nurse Opinions and Pulse Oximeter Saturation Target Limits for Preterm Infants. Pediatrics. 2008; 121: 1039-46.

Castillo A, et al. Pulse Oxygen Saturation Levels and Arterial Oxygen Tension Values in Newborns Receiving Oxygen Therapy in the Neonatal Intensive Care Unit: Is 85% to 93% an Acceptable Range? Pediatrics. 2008; 121: 882-89.

Martin R, et al. Consequences of Neonatal Resuscitation with Supplemental Oxygen. Semin Perinatol. 2008; 32: 355-366.

Madden JE, Bobola DL. A Data-Driven Approach to Retinopathy of Prematurity Prevention Leads to Dramatic Change. Adv. Neonatal Care. 2010; 10(4): 182-187.

May C, Patel S, Kennedy C, Pollina E, Rafferty GF, Peacock JL, et al. Prediction of bronchopulmonary dysplasia. Arch Dis Child Fetal Neonatal. 2011; 96: 410-416.

Gracey K, Talbot D, Lanckford R, Dodge P. Nasal cannula home oxygen. Adv. Neonatal Care. 2003; 3(2): 99-101.

Fidler H. What Do We Aim For? Oxygen Saturation Targets in Extremely Preterm Infants. Adv. Neonatal Care. 2011; 11(6): 404-405.

Johnson K, Scott SD, Fraser KD. Oxygen Use for Preterm Infants: Factors That May Influence Clinical Decisions Surrounding Oxygen Titration. Adv. Neonatal Care. 2011; 11(1): 8-14.

Deuber C, Abbasi S, Schwoebel A, Terhaar M. The Toxigen Initiative: Targeting Oxygen Saturation to Avoid Sequelae in Very Preterm Infants. Adv. Neonatal Care. 2013; 13(2): 139-45.

Kutzsche S, Ilves P, Kirkeby OJ, Saugstad OD. Hydrogen Peroxide Production in Leukocytes during Cerebral Hypoxia and Reoxygenation with 100% or 21% Oxygen in Newborn Piglets. Pediatric Research. 2001; 49(6): 834-42.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/