PREDITORES DE OSTEOPOROSE ENTRE IDOSOS DA ÁREA RURAL

Darlene Mara dos Santos Tavares, Sara Franco Diniz Heitor, Flávia Aparecida Dias, Nayara Cândida Gomes, Leiner Resende Rodrigues

Resumo


Objetivo: caracterizar as variáveis sociodemográficas e econômicas dos idosos residentes na zona rural, segundo a presença ou não de osteoporose, e mensurar os preditores associados à osteoporose desses idosos. Método: inquérito domiciliar, transversal e observacional com 850 idosos rurais utilizando-se instrumentos estruturados. Realizou-se análise estatística por meio de distribuição de frequências absolutas e percentuais e regressão logística (p<0,05). Resultados: a prevalência de osteoporose foi 14,4%, sendo a maioria do sexo feminino. A maior parte tinha 60├70 anos, eram casados, residiam apenas com o cônjuge, tinham 4├8 anos de estudo e renda de um salário mínimo. Observou-se que os preditores mais fortes para a presença de osteoporose foram o sexo feminino, o consumo de leite e o hábito de não fumar, sendo estes dois últimos efeitos de causalidade reversa. Conclusão: evidencia-se a necessidade de ações em saúde direcionadas à educação nutricional, considerando o maior risco feminino. 


Texto completo:

PDF

Referências


Guerra MTPM, Prado GLM. Osteoporose em mulheres na pós-menopausa: perfil epidemiológico e fatores de risco. Rev Bras Clín Med. 2010; 8(5): 386-91.

Herrera A, Lobo-Escolar A, Mateo J, Gil J, Ibarz E, Gracia L. Male Osteoporosis: A review. World J Orthop 2012; 3(12): 223-34.

Pagonis T, Givissis P, Pagonis A, Petsatodis G, Christodoulou A. Osteoporosis onset differences between rural and metropolitan populations: correlation to fracture type, severity, and treatment efficacy. J Bone Miner Metab 2012; 30(1): 85-92.

Yazbek MA, Marques Neto JF. Osteoporose e outras doenças metabólicas no idoso. Einsten 2008; 6(Supl 1): S74-S8.

Martini LA, Moura EC, Santos LC, Malta DC, Pinheiro MM. Prevalência de diagnóstico auto-referido de osteoporose, Brasil, 2006. Rev. Saúde Públ. 2009; 43 (Supl. 2): 107-116.

Morais EPM, Rodrigues RAPR, Gerhardt TE. Os idosos mais velhos no meio rural: realidade de vida e saúde de uma população do interior gaúcho. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(2): 374-83.

Pinheiro MM, Neto ETR, Machado FS, Omura F, Yang JHK, Szejnfeld J et al. Fatores de risco para fratura por osteoporose e baixa densidade óssea em mulheres na pré e pós-menopausa. Rev. Saúde Públ 2010; 44(3): 479-85.

National Osteoporosis Foundation. Clinician’s Guide to Prevention and Treatment of Osteoporosis. National Osteoporosis Foundation. Washington, DC 2010.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, JulianoY. O mini-exame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr. 1994; 52(1): 1-7.

Ramos LR, Toniolo N, Cendoroglo MS, Garcia JT, Najas MS, Perracini M, et al. Two-year follow-up study of elderly residents in S. Paulo, Brazil: methodology and preliminary results. Rev. Saúde Públ 1998; 32(5):397-407

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Como está sua alimentação? Brasília; 2006 Available from: http://nutricao.saude.gov.br/teste_alimentacao.php. [ Accessed in February 24, 2012].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília; 2005; 236 p. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Departamento Intersindical de Estatística e estudos Socioeconômicos (DIEESE) [Internet]. Salário mínimo nominal e necessário. [Acesso em 03/02/2012] Disponível em: http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminMenu09-05.xml.

Dagenais P, Vanasse A, Courteau J, Orzanco MG, Asghari S. Disparities between rural and urban areas for osteoporosis management in the province of Quebec following the Canadian 2002 guidelines publication. J Eval Clin Pract. 2010; 16(3): 438-44.

Pinheiro MM, Ciconelli RM, Chaves GV, Aquino L, Juzwiak CR, Genaro PS et al. Antioxidant intake among Brazilian adults - The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS): a cross-sectional study. Nutrition Journal 2011; 10(39): 2-8.

National Policy and Resource Center on Nutrition and Aging. Florida International University, 2004. Available from: http://nutritionandaging.fiu.edu/DRI_and_DGs/DRI_and_RDAs.asp. [Accessed in February 28, 2014].

Samar S, Maletia D, Venkatesan K.; Rana S; Anburajan, M. Screening Rural and Urban Indian Population for Osteoporosis Using Heel Ultrasound Bone Densitometer. Communication Systems and Network Technologies (CSNT), 2011 International Conference on:.629-33.

Tamaki J, Iki M, Fujita Y, Kouda K, Yura A, Kadowaki E, et al. Impact of smoking on bone mineral density and bone metabolism in elderly men: the Fujiwara-kyo Osteoporosis Risk in Men (FORMEN) study. Osteoporos Int 2011; 22(1):133-141.

Martins GSB, Formigari CIF, Mikael LR, Cunha FTS, Verano JB, Sampaio PRL et al. Influência do Tabagismo e Alcoolismo na Densidade Mineral Óssea. Rev Med Saude Brasilia 2012; 1(1):4‐9.

Yoon V, Maalouf NM, Sakhaee K. The effects of smoking on bone metabolism. Osteoporos Int 2012; 23(8): 2081–92.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/