INTRODUÇÃO DA ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO: VIVÊNCIA E PRÁTICA DE MÃES

Bruna Batista Oliveira, Bibiane Dias Miranda Parreira, Sueli Riul da Silva

Resumo


Este estudo objetivou identificar o período de amamentação e de introdução da alimentação complementar e descrever a forma de introdução dessa alimentação em crianças de seis a 11 meses e 29 dias de vida. Estudo descritivo, quantitativo, transversal com participação de 43 mães. Os dados foram coletados utilizando-se um instrumento estruturado contendo informações sociodemográficas e sobre a alimentação infantil. Em relação ao aleitamento materno, 95,3% relataram realizá-lo, sendo que 51,2% realizaram o aleitamento exclusivo até os seis meses. Quanto à alimentação complementar, 67,4% iniciaram aos seis meses; 27,9%, antes dos seis meses; e 4,7%, após os seis meses. Em 58,1% das crianças, o leite materno foi mantido após o início da alimentação complementar. Constatou-se que o aleitamento materno vem sendo praticado, mas sua oferta de forma exclusiva até os seis meses de idade ainda não é frequente. A introdução da alimentação complementar não vem sendo realizada como se recomenda.


Texto completo:

PDF

Referências


- Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica (BR). Manual operacional para profissionais de saúde e educação: promoção da alimentação saudável nas escolas. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

- Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica (BR). Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

- Caldeira AP, Aguiar GN, Magalhães WAC, Fagundes GC. Conhecimentos e práticas de promoção do aleitamento materno em Equipes de Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(8): 1965-70.

- Santos VLF, Soler ZASG, Azoubel R. Alimentação de crianças no primeiro semestre de vida: enfoque no aleitamento materno exclusivo. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2005; 5(3): 283-91.

- Toma TS, Rea MF. Benefícios da amamentação para a saúde da mulher e da criança: um ensaio sobre as evidências. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(2): 235-46.

- Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Guia alimentar para crianças menores de 2 anos de idade. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

- World Health Organization (WHO). Guiding principles for complementary feeding of the breastfed child. Washington: Pan American Health, 2003.

- Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas (BR). II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

- Caetano MC, Ortiz TTO, Silva SGL, Souza FIS, Sarni ROS. Alimentação complementar: práticas inadequadas em lactentes. J. Pediatr. 2010; 86(3): 196-201.

- Bernardi JLD, Jordão RE, Barros Filho AA. Alimentação complementar de lactentes em uma cidade desenvolvida no contexto de um país em desenvolvimento. Rev Panam Salud Publica. 2009; 26(5): 405-11.

- Silva LMP, Venâncio SI, Marchioni DML. Práticas de alimentação complementar no primeiro ano de vida e fatores associados. Rev. Nutr. 2010; 23(6): 983-92.

- Barros RMM, Seyffarth AS, Nóbrega EO. Avaliação de práticas adotadas após uma atividade educativa sobre alimentação complementar. Com. Ciências Saúde. 2008; 19(1): 43-50.

- Bercini LO, Masukawa MLT, Martins MR, Labegalini MPC, Alves NB. Alimentação da criança no primeiro ano de vida, em Maringá, PR. Cienc Cuid Saude. 2007; 6(2): 404-10.

- Oliveira LPM de, Assis AMO, Pinheiro SMC, Prado MS, Barreto ML. Alimentação complementar nos primeiros dois anos de vida. Rev. Nutr. 2005; 18(4): 459-69.

- Palmeira PA, Santos SMC, Vianna RPT. Prática alimentar entre crianças menores de dois anos de idade residentes em municípios do semiárido do Estado da Paraíba, Brasil. Rev. Nutr. 2011; 24(4): 553-63.

- Saldiva SRDM, Escuder MM, Mondini L, Levy RB, Venancio SI. Práticas alimentares de crianças de 6 a 12 meses e fatores maternos associados. J. Pediatr. 2007; 83(1): 53-8.

- Oliveira DL. A 'nova' saúde pública e a promoção da saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Rev Latino-am Enfermagem. 2005; 13(3): 423-31.

- Lopes EM, Anjos SJSB, Pinheiro AKB. Tendência das ações de educação em saúde realizadas por enfermeiros no Brasil. Rev. enferm. UERJ. 2009; 17(2): 273-7.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/