DESVELANDO A PERCEPÇÃO DOS FAMILIARES A RESPEITO DA TERAPIA INTENSIVA COMO LUGAR DE MORTE

Efigênia de Souza, Miguir Terezinha Vieccelli Donoso, Eline Lima Borges

Resumo


A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é vista popularmente como um local destinado para morrer e não para sobreviver. Este trabalho teve como objetivo compreender motivações das pessoas para considerar a UTI como ambiente para morrer. Foi realizada uma metassíntese, para responder a questão norteadora: quais motivos levam a família de pacientes internados na UTI a reconhecer esta unidade como local para morrer? Os descritores utilizados foram Unidade de Terapia Intensiva; Morte; Pesquisa Qualitativa; Família e Pacientes. Obteve-se na Biblioteca virtual em saúde (BVS) um total de 239 artigos, sendo que 236 foram excluídos. Três artigos compuseram a amostra dessa metassíntese. Os resultados indicam que os motivos que levam às pessoas a perceber a UTI como local para morrer foram basicamente: isolamento social; cenário amedrontador; experiência dolorosa e sentimentos de sobrecarga. Conclui-se que, em função destes motivos identificados, a humanização do setor e o trabalho interdisciplinar podem amenizar esse processo.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ferreira PD, Mendes TN. Família em UTI: Importância do suporte psicológico diante da iminência da morte. 2013; Rev. SBPH, 16(1): 88-112.

Marques FRD, Botelho MR, Matos PCB, Waidman MAP. Morte em uma unidade de terapia intensiva: A visão da equipe multidisciplinar em relação ao paciente e ao corpo. Anais eletrônicos. VII Encontro Internacional de Produção Cientifica CESUMAR. Centro Universitário de Maringá. 2011.

Kovács MJ. Desenvolvimento da Tanatologia: Estudos sobre a morte e o morrer. 2008; Paidéia, 18(41), 457-68.

Lopes ALM, Fracolli LA. Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: Considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(4): 771-8.

Sandelowski M, Barroso J. Sandbar Digital Library Project. Qualitative metasummary method [página na Internet]. Chapel Hill (USA): University of North Carolina at Chapel Hill School of Nursing; 2004 [acesso em 2014 Fev. 21]. Disponível em: http://sonweb.unc.edu/sandbar/index.cfm?fuseaction=about#.

The University of Kent. Critical Appraisal of the Journal Literature. Critical Appraisal Skills Programme (CASP). Evaluation tool for quantitative studies [Internet]. England: Public Health Resource Unit; 2006 [cited 2007 Oct 15]. Available from: http://www.fhsc.salford.ac.uk/hcprdu/tools/quantitative.htm

Correa AK. Fenomenologia: uma alternativa para pesquisa em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 1997; 5(1): 83-8.

Bardin L. Análise de conteúdo. 70º ed. Lisboa: Edições 70; 2009.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(1):17-27.

Vieira CAL, Marques GH. Morte, angústia e família: considerações psicanalíticas a partir da Unidade de Terapia Intensiva. Psicanálise & Barroco em revista. 2012; 10(97): 97-108.

Backes DS, Lunardi VL, Lunardi Filho WD. A humanização hospitalar como expressão da ética. Rev Latino-am Enfermagem. 2006; 14(1): 132-5.

Aguiar ASC, Mariana MR, Almeida LS Cardoso MVLML, et al.. Percepção do enfermeiro sobre promoção da saúde na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. esc. enferm. USP. 2012; 46(2): 428-35.

Millani HFB, Valente MLC. A familia e a internação em UTI: a doença e a norte no Hospital Regional de Assis – SP. Revista Nursing. 2008; 11(120): 235-42.

Molina RCM, Fonseca EL, WaidmaN MAP, Marcon SS. A percepção da família sobre sua presença em uma Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal. Rev. esc. enferm. USP. 2009; 43(3): 630-8.

Pinto JP, Ribeiro CA, Silva CV. Procurando manter o equilíbrio para atender a demanda e cuidar da criança hospitalizada: a experiência da família. Rev Lat Am Enferm. 2005; 13(6): 974-81.

Marques IR, Souza AR. Tecnologia e humanização em ambientes intensivos. Rev. bras. enferm. 2010; 63(1): 141-4.

Boccanera NB, Boccanera SFB, BarbosA MA. As cores no ambiente de terapia intensiva: percepções de pacientes e profissionais. Rev. esc. enferm. USP. 2006; 40(3): 343-9.

MedeiroS LA, LustosA MA. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Revista da SBPH. 2011; 14(2): 203-27.

Silva LGC, Haddad MCFL, Vituri DW, Jodas DA, Otrenti E. Dez anos buscando a melhoria da qualidade do cuidado de enfermagem em um hospital universitário. Revista de enfermagem e atenção à saúde. 2012; 1(1): 44-56.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/