Um estudo comparado sob a perspectiva da mudança do narrador entre o romance “O continente I”, de Érico Veríssimo e a narrativa fílmica “O tempo e o vento”, de Jayme Monjardim

Nathan Bastos de Souza

Resumo


Este ensaio busca estudar comparativamente a perspectiva da mudança de narrador entre o romance de Érico Veríssimo “O continente I” e a narrativa fílmica “O tempo e o vento”, de Jaime Monjardim. Para tanto, recolhemos alguns trechos que indiciam que o romance sugere a interpretação dada pelo diretor do filme, isto é, que Bibiana é uma potencial onipresença. Assim, podemos afirmar que de um narrador onipresente para um narrador personagem, respeitando as especificidades de cada obra, os sentidos de cada discurso muda, mas permanece, ainda que com ar novelesco, o tom de grandeza que a obra de Veríssimo exige. 

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18554/ri.v8i2.1063

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 1981-0601

 Qualis B2 (LINGUíSTICA E LITERATURA/ Quadriênio 2013-2016)