O USO DAS FORMAS PRETÉRITAS PERFEITAS NO ESPANHOL: UMA ANÁLISE SOCIOLINGUÍSTICA NA COMUNIDADE DE FALA DE MONTERREY

Maraísa Damiana Soares Alves, Shirley de Sousa Pereira

Resumo


A heterogeneidade da língua, que subjaz os fatores condicionantes sociais, é percebida nas diferentes comunidades de fala e é a base dos estudos da Variação e da Mudança Linguística. (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006). A partir desse pressuposto teórico, que considera a variação intrínseca ao processo enunciativo, este trabalho tem como objetivo descrever e analisar a variável dependente forma pretérita perfeita do espanhol, através das variantes pretérito perfeito composto (doravante PPC) e pretérito perfeito simples (doravante PPS), com o intuito de identificar a alternância entre essas formas em entrevistas sociolinguísticas, na cidade mexicana de Monterrey. Por apresentar mostras reais da variedade falada nessa cidade, utilizamos o corpus PRESEEA – Proyecto para el estudio sociolinguístico del español de España y de América. Para nortear nosso trabalho, observamos como fatores condicionantes podem ou não influenciar na escolha de uma das variantes (PPC e PPS) nessa comunidade de fala. Para tanto, analisamos os seguintes fatores linguísticos: a) a presença e/ou ausência de marcadores temporais que indicam anterioridade ao ponto zero de enunciação (ADVa); b) a presença e/ou ausência de marcadores temporais’ que sinalizam simultaneidade ao momento enunciativo (ADVs); confrontados com os fatores extralinguísticos: c) idade; d) escolaridade; e) sexo. Os dados sinalizam a ocorrência das duas formas no corpus, a simples e a composta, havendo uma prevalência do PPS, mesmo quando há a identificação de marcadores temporais que indicam a simultaneidade. Ao mesmo tempo em que nos revela o emprego da forma PPC em eventos que necessitam enfatizar a ação do falante no momento enunciativo.


Palavras-chave


Sociolinguística; Pretérito simples; Pretérito composto; PRESEEA; Monterrey

Texto completo:

PDF

Referências


AIROLDI, F. C. Sobre el uso del perfecto en el español. In: BÁEZ, G. E.; LUNA TRAILL, E. (Orgs.). Disquisiciones sobre filología hispánica: in memoriam Juan M. Lope Blanch. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2004.

ALARCOS LLORACH, E. Perfecto simple y compuesto. In:______. Estudios de gramática funcional del español. Madrid: editorial Gredos, S.A, 1970. p. 13-49.

ALVES, M. D. S. A alternância entre o pretérito perfecto simple (PPS) e o pretérito perfecto compuesto (PPC) em Monterrey e Ciudad de México: uma análise sociolinguística. 2018. 109f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.

CARTAGENA, N. Los tiempos compuestos. In: BOSQUE MUÑOZ, I. e DEMONTE BARRETO, V. Gramática descriptiva de la lengua española 2: las construcciones sintácticas fundamentales – relaciones temporales, aspectuales y modales. Madrid: Espasa Editorial, 1999. p. 2935-2976.

COELHO, I. L.; GÖRSKI, E. M. ; NUNES DE SOUZA, C. M. ; MAY, G. H. Para conhecer sociolinguística. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2015. v. 1.

GILI GAYA, S. VOX: curso superior de sintaxis española. Barcelona: Bibliograf S.A, 1980. Disponível em: < http://upea.reyqui.com/2017/06/curso-superior-de-sintaxis-espanola-de.html>, acesso em 15 de abril de 2020.

GUY, G. R.; ZILLES, A. Sociolinguística quantitativa – instrumental de análise. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos; tradução Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

RODRÍGUEZ ALFANO, L.; FLORES TREVIÑO, M. E.; PÉREZ AGUIRRE, T. El habla de Monterrey-PRESEEA. Facultad de Filosofía y Letras, Universidad Autónoma de Nuevo León, 2010.

LOPE BLANCH, J. M. Esbozo histórico del español en México. In: HERNÁNDEZ ALONSO, C. Historia y presente del español de América. Valladoid, Junta de Castilla y León, 1992. p. 607-626.

MACEDO, A.V.T. Linguagem e contexto. In: In: MOLLICA, M. C; BRAGA, M.L. (Orgs.). Introdução à Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2012. p. 59-66.

MOLLICA, M. C. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: MOLLICA, M. C; BRAGA, M.L. (Orgs.). Introdução à Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2012. p. 9-14.

MORENO DE ALBA, J.G. ¿Puede ser imperfecto el pretérito perfecto? Revista Anuario de Letras: Universidad Nacional Autónoma de México, 2002. Disponível em: acesso em 15 de outubro de 2017.

OLIVEIRA, L.C. As duas formas do pretérito perfeito em espanhol: análise de corpus. 2007, 130 f. Dissertação - Mestrado em Linguística. Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

PRESEEA (2011): “Guía PRESEEA para la investigación lingüística”. Vers. 2.0 22‐01‐2011. Disponível em: acesso em 01 de maio de 2020.

SARDINHA, Tony Berber. Lingüística de corpus: histórico e problemática. D.E.L.T.A., Vol. 16, N.º 2, 2000 (323-367).

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística; tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1968].




DOI: https://doi.org/10.18554/ri.v13i1.4738

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 1981-0601

 Qualis B2 (LINGUíSTICA E LITERATURA/ Quadriênio 2013-2016)