Adequação acústica do projeto arquitetônico do auditório da UFTM

Larissa Picchi Angeli, Ricardo Humberto de Oliveira Filho

Resumo


Este trabalho tem como objetivo adequar acusticamente o projeto do auditório da Universidade Federal do Triângulo Mineiro visando a qualidade e o conforto. O tempo de reverberação do recinto foi estimado via métodos matemáticos desenvolvidos por Sabine e por Eyring-Norris. Para tanto, as propriedades acústicas das superfícies e obstáculos foram definidas, sendo estas os coeficientes de absorção e reflexão e a perda de transmissão sonora. Foram realizadas medições dos níveis de ruído ambiental no entorno da região onde será construído o auditório para avaliar o impacto em seu interior após a construção. Para a adequação acústica do auditório foram propostas as instalações de painéis reflexivos nas laterais, no teto do palco e nas partes frontal e central do auditório; instalação de carpete na forração em todo o piso e de painéis absorventes no teto e paredes localizadas ao fundo do auditório. A definição dos ângulos de posicionamento dos painéis refletores foi feita através do método das fontes virtuais. Foram realizadas simulações via método dos raios acústicos para avaliar o comportamento do campo sonoro no interior do auditório. O controle das reflexões sonoras resultou em maiores níveis sonoros nas poltronas mais afastadas do palco, induzindo uma melhor audibilidade. Os materiais absorventes instalados nas paredes e no teto na parte do fundo do auditório evitam que possíveis reflexões ocorram, prevenindo assim a geração de eco. Através dos métodos de Sabine e Eyring-Norris foi constatado que o tratamento proposto resultará em um tempo de reverberação próximo ao recomendado pela literatura.


Palavras-chave


Acústica de Auditórios; Adequação Acústica; Métodos das Fontes Virtuais; Simulação de Campo Sonoro; Tempo de Reverberação.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10152:2017 - Acústica - Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12179:1992 - Tratamento acústico em recintos fechados - Procedimento.

BASTOS, L.J.R. Qualidade Acústica de Auditórios. Universidade de Aveiro. Coimbra, 2010.

BERANEK, L. L. Analysis of Sabine and Eyring equations and their application to concert hall audience and chair absorption. The Journal of the Acoustical Society of America, 120(3):1399–1410, 2006.

BISTAFA, S. R. Acústica aplicada ao controle de ruído. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2011.

BORISH, J. Extension of the image model to arbitrary polyhedra. Journal of the Acoustical Society of America, 75(6):1827–1836, June 1984.

DE MARCO, C.S. Elementos de acústica arquitetônica. São Paulo: Nobel, 1982.

KUTTRUFF, H. Room Acoustics. Spon Press (UK), 2000.

RINDEL, J. H. The use of computer modelling in room acoustics. Journal of Vibroengineering, 3(4):41–72, 2000.

SAVIOJA, L. Modeling Techniques for Virtual Acoustics. PhD thesis, Helsinki University of Technology, 1999.

SHIELD, B. M.; YANG, L. N. Development of a ray tracing computer model for the prediction of the sound field in long enclosures. Journal of Sound and Vibration, 229(1):133–146, Jan. 2000.

TÔRRES, M. H. C. Simulação acústica de ambientes, AcMus, 2008.

VALLE, S. Manual Prático de Acústica. 2. ed. Rio de Janeiro: Música & Tecnologia, 2009. 355 p.

VORLÄNDER, M. Room acoustical simulation algorithm based on the free path distribution. Journal of Sound and Vibration, 232(1):129–137, Apr. 2000.

ZANNIM, P. H. T. et al. Comparação entre tempos de reverberação calculados e medidos. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 5, n. 4, p. 75-85, out./dez. 2005.




DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v4i3.3280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.