Avaliação do shelf life para produtos lácteos nos Estados Unidos da América, Europa e Brasil

Maria Carolina Gonçalves Gonçalves, Geoffroy Roger Pointer Malpass Malpass, Mônica Hitomi Okura, Ana Claudia Granato

Resumo


A cadeia de lácteos é um setor produtivo relevante para a economia mundial e que abrange uma vasta parcela de consumidores em todas as faixas etárias. O objetivo deste estudo foi analisar comparativamente as legislações vigentes no Brasil, Estados Unidos e Europa, para leite UHT, queijo mussarelae iogurte batido com relação ao shelf life(vida de prateleira) desses produtos e analisar o impacto que isso causa na cadeia de produtos lácteos no país. Diante disso, pode-se identificar que o Brasil ainda apresenta produtos com um shelf lifemuito aquém dos produtos norte-americanos e europeus. Para que o mercado brasileiro cresça nacional e internacionalmente, investir na qualidade da matéria prima é fundamental para o bom desempenho do produto durante o beneficiamento e, posteriormente, durante o shelf life.


Palavras-chave


Iogurte; Leite UHT; Mussarela; Shelf life.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDINO, J. D. E. Production and processing of a functional yogurt fortified with microenpsulated Omega-3 and vitamin E. 2011, 89f. Tese (Faculty of the Louisiana State University and Agricultural and Mechanical College), Honduras, 2011.

ANVISA, 2002. Resolução de Diretoria Colegiada – rdc nº 259, de 20 de setembro de 2002. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/resolucao-rdc-no-259-de-20-de-setembro-de-2002.pdf/view. Acesso em: 22 mai. 2019.

BARDANO, D. M.; MA, Y.; SANTOS, M. V. Influence of raw milk quality on fluid milk shelf life. Journal of Dairy Science, v. 89, n.1, p. 9-15, 2006.

BAUMRUCKER, C. Why does organic milk last so much longer than regular milk? 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

BRODY, J. Say Mozzarela. 2010 Disponível em: http://www.naturalproductsinsider.com/articles/2010/03/say-mozzarella.aspx. Acesso em: 18 nov. 2018.

CANADIAN DAIRY INFORMATION CENTRE, 2016. Global milk consumption. Disponível em: http://www.dairyinfo.gc.ca/index_e.php?s1=dff-fcil&s2=cons&s3=consglo&s4=tm-lt. Acesso em: 18 nov. 2018.

CANSIAN, E. A. Avaliação da Padronização do Queijo Mussarela com o uso de ferramentas de qualidade: estudo de caso. Florianópolis, 2005, 132f. Dissertação Universidade Federal de Santa Catarina.

CHOVE, L. M. et al. Proteolysis of milk heated at high temperatures by native enzymes analysed by trinitrobenzene sulphonic acid (TNBS) method. African Journal of Food Science, v.7, p. 232-237, ago. 2013.

CLAL IT (a). Dairy production. Disponível em: http://www.clal.it/en/?section=stat_usa#. Acesso em: 20 de nov. 2018.

CLAL IT (b). Cheese consumption. Disponível em: http://www.clal.it/en/?section=produzioni_cheese. Acesso em: 20 de nov. 2018.

COELHO, K. O. et al. Efeito do nível de células somáticas sobre o rendimento do queijo prato. PUBVET, v. 6, p. 1-7, 2012.

EUROPEAN COMISSION. Novos rótulos de alimentos na UE. 2014 Disponível em: http://ec.europa.eu/portugal/comissao/destaques/20141212_novos_rotulos_alimentos_ue_2014_pt.htm. Acesso em 18 de nov. 2018.

EVANGELISTA, L. Queijo Mussarela – Evolução Tecnológica. Disponível em: http://cienciadoleite.com.br/noticia/3182/queijo-mussarela--evolucao-tecnologica. Acesso em 18 de nov. 2018.

FAGNANI, R. et al. Extended storage of cold raw milk on yogurt manufacturing. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.52, p.104-112, 2017.

FERNANDES et al. Vida de prateleira de iogurte sabor café. Coffee Science, v. 11, p. 538 - 543, 2016.

GIMÉNEZ, A.; ARES, F.; ARES, G. Sensory shelf-life estimation: A review of current methodological approaches. Food Research International, v. 1, p.311-325, 2012.

GUERREIRO, P. K. et al. Qualidade microbiológica de leite em função de técnicas profiláticas no manejo de produção. Ciência Agrotécnica, v. 29, n. 1, p., 2005.

GOOF, D. Dairy Science and Techonology. University os Guelph education series. (2009) Disponível em: http://foodsci.uoguelph.ca/dairyedu/uht.html. Acesso em: 20 de nov. 2018.

GRIZOTTO, R. K. et al. Estudo da vida-de-prateleira de fruta estruturada e desidratada obtida de polpa concentrada de mamão. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 3, p. 709-714, 2006.

GUERREIRO, P. K. et al. Qualidade microbiológica de leite em função de técnicas profiláticas no manejo de produção. Ciência Agrotécnica, v. 29, n. 1, p., 2005.

HUI, H. I. Handbook of food products manufacturing. New Jersey: John Wiley & Sons, 2007.1221p.

IN METRO. Relatório sobre Análise de Gorduras e Colesterol em Queijo. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/gordura-colesterol-queijos.pdf. Acesso em: 19 de nov. 2018.

JANA, A. H.; MANDAL, P. K. Manufacturing and Quality of Mozzarella Cheese: A Review. International Journal of Dairy Science, v. 6, p. 199-226, 2011.

KOLLING, G. Why does yougurt has a longer shelf life? 1999. Disponível em: http://www.madsci.org/posts/archives/1999-03/920327732.Mi.r.html. Acesso em 18 de nov. 2018.

MACEDO, M. A. et al. Efeito da adição de polpa de caju sobre as qualidades sensoriais de iogurte integral adoçado com mel de abelha. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 69, n. 1, p 7-16, 2014.

MAPA, Instrução Normativa – 146 de 07/03/1996. Disponível em: https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/legislacoes/portaria-mapa-146-de-07-03-1996,669.html. Acesso em: 18 nov. 2018.

MAPA, Instrução Normativa - 46 de 26/10/2007. Disponível em: http://www.cidasc.sc.gov.br/inspecao/files/2012/08/instru%C3%87%C3%83o-normativa-n%C2%BA-46-de-23-de-outubro-de-2007.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

MAPA, Resolução 2 de 19/11/2002. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Resolu%C3%A7%C3%A3o+n%C2%BA+2%2C+de+19+de+novembro+de+2002&oq=Resolu%C3%A7%C3%A3o+n%C2%BA+2%2C+de+19+de+novembro+de+2002&aqs=chrome..69i57j0.1463j0j9&sourceid=chrome&ie=UTF-8. Acesso em: 19 nov. 2018.

MAPA. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-setoriais/leite-e-derivados/anos-anteriores/projeto-de-melhoria-de-competitividade.pdf. Acesso em: 19 nov. 2018.

MAPA, Instrução Normativa - 76 de 26/11/2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/kujrw0tzc2mb/content/id/52750137/do1-2018-11-30-instrucao-normativa-n-76-de-26-de-novembro-de-2018-52749894in%2076l. Acesso em: 22 mai. 2019.

MARQUARDT, L; BACCAR, N. M; ROHLFES, A. L. B; OLIVEIRA, M. S. R. Manual para elaboração de queijos diferenciados. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2013. Disponível em: http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/manual_queijos_.pdf. Acesso em 19 de nov. 2018.

MATSUBARA, M. T. et al. Boas práticas de ordenha para redução da contaminação microbiológica do leite no agreste Pernambucano. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. 1, p. 277-286, 2011.

MONTEIRO, A. A.; PIRES, A. C. S; ARAÚJO, E. A. Tecnologia de Produção de Derivados do Leite. Viçosa: UFV, 2011.

PEIXOTO, A.L. et al. influência do tipo de ordenha e do armazenamento do leite sobre a composição química, contagem de células somáticas e contagem bacteriana total. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 71, p. 10-18, 2016.

PINTO, M. S. Efeito de embalagens flexíveis na qualidade de leite pasteurizado e na sua aceitabilidade. Viçosa, 2009. Dissertação (Programa de Pós Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

REIS, K. T. M. G. et al. Qualidade Microbiológica do Leite Cru e Pasteurizado Produzido no Brasil: Revisão Microbiological Quality of Milk Produced in Brazil: Review. UNOPAR Científica. Ciências Biológicas e da Saúde, v.15, p.411-421, 2013.

REVISTA INSUMOS. Shelf Life uma pequena introdução. Revista Insumos, n.18, p.67-72, 2011. Disponível em: http://www.revista-fi.com/materias/188.pdf . Acesso em: 18 nov. 2018.

REZER, A. P. S. Avaliação da qualidade microbiológica e físico-química da qualidade do leite UHT integral comercializado no Rio Grande do Sul. Santa Maria, 2010, 73 f. Dissertação (Programa de Pós Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Universidade Federal de Santa Maria.

RICHARDS, M.; KOCK, H. L.; BUYS, E. M. Multivariate accelerated shelf-life test of low fat UHT milk . (2014) Disponível em: http://repository.up.ac.za/bitstream/handle/2263/37217/Richards_Multivarite_2014.pdf?sequence=2. Acesso em: 18 nov. 2018.

SCOTT CONSULTORIA. Está tirando leite de pedra? Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2018.

SUPAVITITPATANA, P.; WIRJANTORO, T. I.; RAVIYAN, P. Characteristics and Shelf-Life of Corn Milk Yogurt .CMU. Journal of Natural Scence, v.9, n.1, p. 133- 149, 2010.

TEIXEIRA, S. Minas Frescal, Mussarela, Gouda, saiba mais sobre queijos. 2013.

Disponível em: http://www.cpt.com.br/cursos-laticinios/artigos/minas-frescal-mussarela-gouda-saiba-mais-sobre-queijos#ixzz3zWrA819L. Acesso em 18 de nov. 2018.

TISCHER, N. F. et al. Boas práticas de higiene durante a ordenha. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 1, p. 179-187, 2018.

TREVISAN, A. P. Influência de diversas concentrações de enzima lactase e temperaturas sobre a hidrólise da lactose em leite pasteurizado.Santa Maria, 2008. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos), Universidade Federal de Santa Maria.

TRONCO, V. M. Manual para Inspeção da Qualidade do Leite. Santa Maria: UFSM, 2013.

USA-93-1807-01. Food and drug administration. SICE – Foreing Trade Information System. Final report of the panel under chapter 18 of the canada-united states free trade agreement. Disponível em: http://www.sice.oas.org/dispute/uscanfta/Uc93010e.asp. Acesso em: 18 nov. 2018.

USDA. Commercial Item Description – Cheese, Mozzarella, Lite. Washington: USDA, 2008. 8 p. Disponivel em: https://www.ams.usda.gov/sites/default/files/media/CID%20Cheese,%20Mozzarella,%20Lite.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

VIANA, L. F. Descrição do fluxograma e avaliação de alguns defeitos do queijo tipo mussarela. Goiânia, UFG, 2012. Disponível em: http://ppgca.evz.ufg.br/up/67/o/semin%C3%A1rio_2_2012_vers%C3%A3o_3.pdf?1351165271. Acesso em: 18 nov. 2018.

WALSTRA, P.; JENNESS, R. Química y física lactológica. Zaragoza: Editorial Acribia, 1987, 423 p.

WEERATHILAKE, W. A. D. V. et al. The evolution, processing, varieties and health benefits of yogurt. International Journal of Scientific and Research Publications, v. 4, n. 4, 2014.

WIEDMANN, M. Raw Milk Quality Tests – Do They Predict Fluid Milk Shelf-life or Is it time for new tests? Cornell University, College of Agriculture and Life Sciences, 2011, 30 slides, color. Disponível em: http://www.dairypc.org/assets/2011-Speaker-Presentations/Wiedmann-DPC-11-2011.pdf. Acesso em: 18 nov. 2018.

YOON, S. J. et al. Establishment of quality criteria and estimate of shelf-life for yogurt beverage and stirred-type yogurt in Korea, Food Science and Biotechnology, v. 22, n. 2, p. 477 – 483, 2013.

ZANOLA, M. Processamento do Leite UHT. 2009. Monografia (Programa de Pós Graduação em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal). Instituto Qualitás de Pós-Graduação, Campinas.




DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v4i3.3408

Apontamentos

  • Não há apontamentos.