SERVIÇO SOCIAL E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: A POTENCIALIDADE PARA INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO

Fernanda de Oliveira Sarreta, Fumie Eto, Daiane Cristina dos Santos Brentini, Danielle de Oliveira Nogueira, Gabriela Cristina Braga Bisco

Resumo


Este artigo tem como objetivo propiciar reflexão acerca da educação permanente em saúde (EPS),estratégia adotada no Sistema Único de Saúde para a formação e o trabalho em saúde. A partir dacontribuição do método dialético, o estudo bibliográfico, a coleta de dados em grupo focal e aobservação em campo, busca-se compreender o enfrentamento dos limites e as alternativas dossujeitos no cenário contemporâneo - estudantes de serviço social e trabalhadores de saúde. Osresultados revelam que a EPS é de difícil exercício, já que busca a ruptura com práticas verticalizadas eo compromisso ético e político com a saúde pública e, coloca em foco, os valores e concepções sobre ocontexto onde se gestam as políticas públicas, o sistema capitalista. Considera-se que a estratégiapotencializa a integração ensino-serviço e a busca de respostas coletivas aos problemas.

Descritores: Serviço Social; Política de saúde; Educação permanente.


Referências





DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v4i1.1529

Apontamentos

  • Não há apontamentos.