Política nacional de assistência integral à saúde do homem: uma revisão integrativa

Mariana Rocha Rodovalho Scussel, Daniela Martins Machado

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar a produção científica acerca da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, que extraiu artigos disponíveis na íntegra nas bases de dados Scientific Eletronic Libray (Scielo) e Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) no período de 2013 a julho de 2015. Estabeleceram-se duas categorias de análise, identificadas por “Potencialidades e fragilidades da implementação da política” e “Desafios para a atenção integral à saúde do homem”. O estudo revelou que o estabelecimento da PNAISH e a adoção de algumas de suas diretrizes pelos serviços assistenciais não foram suficientes para a ampliação do acesso do público masculino às iniciativas de promoção da saúde e prevenção de agravos, senão que maior ênfase tem sido dada ao tema que vem ganhando atenção de gestores e trabalhadores para o aprimoramento das estratégias de atenção à saúde do homem.


Palavras-chave


O objetivo deste estudo foi verificar a produção científica acerca da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, que extraiu artigos disponíveis na íntegra nas bases de dados Scientific Eletr

Referências


Organização Pan-Americana da Saúde. Saúde nas Américas: edição de 2012: panorama regional e perfis de países. Washington (DC): OPAS; 2012.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (Princípios e diretrizes). Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: hipertensão arterial e diabetes. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Schraiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010; 26(5):961-70.

Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10(1):105-9.

Nardi A, Glina S, Favorito LA. Primeiro estudo epidemiológico sobre câncer de pênis no Brasil. Int Braz J Urol. 2007; 33:1-7.

Laurenti R, Mello-Jorge MHP, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciênc Saúde Coletiva. 2005; 10(1):35-46.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6.

Silveira RCCP. O cuidado de enfermagem e o cateter de Hickman: a busca de evidências. [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2005.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Marsiglia RMG. Instituições de ensino e o Programa Saúde da Família: o que mudou? Rev Bras Saúde Fam. 2004; 5(7):30-41.

Moura EC, Santos W, Neves ACM, Gomes R, Schwarz E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(2):429-438.

Albuquerque GA, Leite MF, Belém JM, Nunes JFC, Oliveira MA, Adami, F. O homem na atenção básica: percepções de enfermeiros sobre as implicações do gênero na saúde. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):607-14.

Souza LPS, Almeida ER, Queiroz MA, Silva JR, Souza AAM, Figueiredo MFS. Conhecimento de uma equipe da estratégia saúde da família sobre a Política de Atenção à Saúde Masculina. Trab. Educ. Saúde. 2014; 12 (2):291-304.

Teixeira DC, Brambilla DK, Adamy EK, Krauzer IV. Concepções de enfermeiros sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Trab. Educ. Saúde. 2014; 12(3):563-76.

Moreira RLSF, Fontes WD, Barboza TM. Dificuldades de inserção do homem na atenção básica a saúde: a fala dos enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):615-21.

Pereira LP, Nery AA. Planejamento, gestão e ações à saúde do homem na estratégia de saúde da família. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):635-43.

Gomes R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma

discussão. Ciênc Saúde Coletiva. 2003; 8(3):825-9.

Keijzer B. Hasta donde el cuerpo aguante: género, cuerpo y salud masculina. In: Cáceres CF, Cueto M, Ramos M, Vallas S, editors. La salud como derecho ciudadano: perspectivas y propuestas desde América Latina. Lima: Universidad Peruana Cayetano Heredia; 2003. p. 137-52.

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007 23(3):565-74.

Schraiber LB. Eqüidade de gênero e saúde: o cotidiano das práticas no Programa Saúde da Família do Recife. In: Villela W, Monteiro S, organizadores. Gênero e saúde: Programa Saúde da Família em questão. São Paulo: ABRASCO – UNFPA; 2005. p. 39-60.

Araújo MG, Lima GAF, Holanda CSM, Carvalho JBL, Sales LKO. Opinião de profissionais sobre a efetivação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):682-9.

Santos RM, Ribeiro LCC. Percepção do usuário da estratégia saúde da família sobre a função do enfermeiro. Cogitare Enferm. 2010; 15(4):709-15.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Knuth DR, Couto MT, Figueiredo WS. A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(10):2617-26.

Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2006.

Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: 10a revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português, Edusp; 1993. v.1.

Trilico MLC, Oliveira GR, Kijimura MY, Pirolo SM. Discursos masculinos sobre prevenção e promoção da saúde do homem. Trab Educ Saúde. 2015; 13(2):381-395.

Cavalcanti JRD, Ferreira JA, Henriques AHB, Morais GSN, Trigueiro JVS, Torquato IMB. Assistência integral a saúde do homem: necessidades, obstáculos e estratégias de enfrentamento. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):628-34.

Julião GG, Weiget LD. Atenção à saúde do homem em unidades de Estratégia de Saúde da Família. Rev Enferm UFSM. 2011; 1(2):144-52.

Mozer IT, Correa ACP. Implementação da Política Nacional de Saúde do Homem: o caso de uma capital Brasileira. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014; 18(4):578-85.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Oliveira MM, Daher DV, Silva JLL, Andrade SSCA. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(1):273-8.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular e saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i2.1754

Apontamentos

  • Não há apontamentos.