A percepção materna sobre os sinais neurocomportamentais de bebês pré-termo internados na enfermaria pediátrica

Maria Regina Pontes Luz Riccioppo, Lucieny Almohalha

Resumo


O estudo teve como objetivo realizar o mapeamento dos sinais neurocomportamentais apresentados por bebês pré-termo a partir do olhar materno. Esta é uma pesquisa descritiva e exploratória, de abordagem qualitativa realizada com 20 mães de bebês pré-termo, através de questionário e checklist do instrumento APIB, no período de outubro de2011 a janeiro de 2012, em uma enfermaria pediátrica de um Hospital de Clínicas da região do Triângulo Mineiro. Para análise dos dados coletados realizou-se uma descrição simples das frequências absoluta e relativa e utilizou-se o método de análise de conteúdo temática para descrição dos dados qualitativos. Na análise dos sinais apresentados pelos bebês, as mães souberam reconhecer mais os sinais de aproximação do que os de retraimento. Todas as mães disseram observar os seus bebês e relataram a importância do vínculo mãe-filho. Esse fato auxiliou tanto no processo observacional, quanto no fortalecimento do vínculo mãe-bebê, ajudando na criação de estratégias para lidar com a hospitalização.


Palavras-chave


Recém-nascido prematuro; Manifestações neurocomportamentais; Humanização da assistência; Mães

Referências


Marchetti D, Moreira, MC. Vivências da prematuridade: a aceitação do filho real pressupõe a desconstrução do bebê imaginário? Rev Psicol Saúde. 2015; 7(1):82-9.

Reis ACH. Prematuridade e desenvolvimento: caracterização do perfil desenvolvimental de um grupo de crianças prematuras. [dissertação] Porto: Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Educação e Psicologia; 2013. 51p.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual técnico: pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006. 162 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos, Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n. 5).

Silva PC, Marinho EFC, Santos LOS. A percepção dos profissionais de saúde sobre a dor em prematuros. Diálogos Ciênc. 2016; 16(36):39-51.

Gorzílio DM. Desenvolvimento neurocomportamental em neonatos pré-termo hospitalizados relacionados com indicadores de estresse e dor. [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2013.129 f.

Cypel S. Humanização do atendimento ao recém-nascido: a importância das relações interpessoais e a organização neurobiológica. Einstein. 2007; 5(1):69-73.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4 ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010. 72 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

Roseiro CP, Paula KMP. Concepções de humanização de profissionais em Unidades de terapia intensiva neonatal. Estud psicol. 2015; 32(1):109-19.

Als H, Lester BM, Tronick E, Brazelton TB. Towards a research instrument for the assessment of preterm infants’ behavior (APIB) and manual for the assessment of preterm infants’ behavior (APIB). In: Fitzgerald HE, Lester BM, Yogman MW. Theory and research in behavior pediatrics. New York: Plenum Press, 1982.

Ottoni ACS, Grave MTQ. Avaliação dos sinais neurocomportamentais de bebês pré-termo internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Ter Ocup. 2014; 25(2):151-8.

Meyerhof PG. O neonato de risco - propostas de intervenção no ambiente e no desenvolvimento. In: KUDO AM., organizadores. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. São Paulo: Sarvier. 1997. p. 204-222.

Als H. Newborn individualized developmental care and assessment program (NIDCAP): new frontier for neonatal and perinatal medicine. J Neonatal-Perinat Med. 2009; 2:135-47.

Holloway E. Como favorecer o entretenimento progenitor-lactente na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. In: Parham LD, Fazio LS. A recreação na terapia ocupacional pediátrica. São Paulo: Livraria Santos; 2012. p. 171-183.

Almohalha L, Guerra RMR. Identificação dos sinais neurocomportamentais de bebês pré-termo por profissionais que atuam na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Rev Ter Ocup. 2011; 22(2):117-26.

Kudo AM, Marcondes E, Lins L, Moriyama LT, Guimarães ML, Juliana RC, et al. Fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional em pediatria. 2ed. São Paulo: Sarvier; 1997.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 31ed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Frigo J, Zocce DAA, Palavro GL, Turatti LA, Neves ET, Schaefer TM. Percepções de pais de recém-nascidos prematuros em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM. 2015; 5(1):58-68.

Klaus MH, Kennel JH, Klaus PH. Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência. Porto Alegre: Artes Médicas; 2000.

Spehar MC, Seidl LMF. Percepções maternas no método canguru: contato pele a pele, amamentação e autoeficácia. Psicol Estud. 2013; 18(4):647-56.

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém nascido de baixo peso: método canguru. 2ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013. 204 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Winnicott D. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago; 2000.

Roso CC, Costenaro RGS, Rangel RF, Jacobi CS, Mistura C, Silva CT et al. Vivências de mães sobre a hospitalização do filho prematuro. Rev Enferm UFSM. 2014; 4(1):47-54.

Araújo BBM, Rodrigues BMRD, Pacheco STA. A promoção do cuidado materno ao neonato prematuro: a perspectiva da educação problematizadora em saúde. Rev enferm UERJ. 2015; 23(1):128-31.

Marciano RP. A constituição do vínculo materno com o bebê prematuro: possibilidades de intervenção precoce. [dissertação]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás; 2016. 142p.

Toledo S. Diálogo tônico: a silenciosa comunicação mãe-bebê. Cad Psicanal (Círc. Psicanal. Rio J.). 2009; 31(22):193-205.

Joaquim RHVT, Silvestrini MS, Marini, BPR. Grupo de mães de bebês prematuros hospitalizados: experiência de intervenção de Terapia Ocupacional no contexto hospitalar. Cad Ter Ocup UFSCar. 2014; 22(1):145-50.

Pichon-Riviére H. Teoria do vínculo. 3ed. São Paulo: Martins Fontes; 1988.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.1853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.