Ocupações e significados em cuidados paliativos oncológicos: o caso de "Nobreza" em seu processo de finitude

Aline da Cruz Cavalcante, Nayara Caroline Silva Maués, Gisely Gabrieli Avelar Castro

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar o papel do Terapeuta Ocupacional e compreender o significado da ocupação para uma paciente em cuidados paliativos oncológicos. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso único realizada com paciente em cuidados paliativos oncológicos, denominada como "Nobreza", internada em hospital universitário. A coleta de dados deu-se com 15 encontros a partir dos instrumentos: entrevista aberta, questionário socioeconômico e encontros terapêuticos ocupacionais. A análise dos dados se deu através da análise temática de conteúdo, o que gerou duas categorias de análise: 1) Significados da finitude-envolvendo fé, aceitação do morrer e suas perdas processuais; e, 2) Significados das ocupações-aprendizado, perpetuação e trocas afetivas. Discutem-se as possibilidades do Terapeuta Ocupacional nos cuidados paliativos, a partir de uma perspectiva da ciência ocupacional. O estudo traz a reflexão, o fato de que, as pessoas em cuidados paliativos oncológicos podem realizar-se por meio do fazer, criar, viver, sentir, expressar, ocupar-se.


Palavras-chave


Oncologia; Cuidados paliativos; Terapia ocupacional

Referências


Instituto Nacional de Câncer “José Alencar Gomes da Silva”. O que é o câncer? [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; [201-] [acesso em 07 dez 2013]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=322.

Instituto Nacional de Câncer “José Alencar Gomes da Silva”. Câncer: cuidados paliativos [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; [200-] [acesso em 13 maio 2013]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=474

Carvalho CAF. Humanização da atenção em cuidados paliativos: reflexões sobre a integralidade da assistência. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2012. 35f.

Henning RCV. Terapia ocupacional nos cuidados paliativos oncológicos. Joinville: FGG; 2010.

Hermes H.R, Lamarca ICA. Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Rev Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2013 [citado em 27 jun 2017]; 18(9):2577-2588. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232013000900012&script=sci_abstract&tlng=PT.

Silva RC. As atividades como recurso para a pesquisa. Cad Ter Ocup. [Internet]. 2013 [citado em 27 jun 2013]; 21(3):461-70. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br

Sociedade Internacional de Ciência da Ocupação - ISOS. 2009 [citado em 25 mar 2013]. Disponível em: http://www.isoccsci.org

Clark F, Wood W, Larson EA. A ciência ocupacional: legado da Terapia Ocupacional para o século XXI. In: Neistadt ME, Crepeau EB., organizadores. Willard & Spackman: Terapia Ocupacional. 9ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002. p. 10-18.

Pontes TB, Polatajko H. Habilitando ocupações: prática baseada na ocupação e centrada no cliente na terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. [Internet]. 2016 [citado em 27 jun 2017]; 24(2):405. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ed. Thorell A, tradutora. São Paulo: Bookman; 2010.

Minayo MCS, organizadora. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2010.

Araújo LDS, Oliveira IBS, Jaramillo SR Espiritualidad en la práctica de la terapia ocupacional: interfaces en el campo de la ocupación humana. TOG (A Coruña) [Internet]. nov 2014 [citado em 27 jun 2017]; 11(20):1-19. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo;jsessionid=73CBFC159B62ED5870ACF80698340B4E.dialnet01?codigo=4892462

Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer. 3ed. Menezes P, tradutor. São Paulo: Martins Fontes; 1985.

Souza GGA. Idosos hospitalizados e em cuidados paliativos oncológicos: possibilidades de fazer, ser e tornar-se na finitude. [Dissertação]. Belém, PA: Universidade Federal do Pará; 2014.

Saunders C. Into the valley of the shadows of death: a personal therapeutic journey. Br Med J. 1996; 313(7072):1599-601.

Pessini L. Bioética e cuidados paliativos: alguns desafios do cotidiano aos grandes dilemas. In: Pimenta CAM, Mota DDCF, Cruz DALM, Organizadores. Dor e cuidados paliativos: enfermagem, medicina e psicologia. Barueri: Manole; 2006. p. 45-66.

Rocha EF, Mello MAF. Os sentidos do corpo e da intervenção hospitalar. In: Carlo MMRP, Luzo MCM. Terapia ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca; 2004.

Araújo LS, Jórdan NF, Monclus PG, Rodriguez O. Ciencia de la ocupación y terapia ocupacional: sus relaciones y aplicaciones a la práctica clínica. Rev Chil Ter Ocup. [Internet]. 2011 [citado em 27 jun 2017]; 11(1):79-87. Disponível em: https://revistaterapiaocupacional.uchile.cl/index.php/RTO/article/view/17084/17821. DOI: 10.5354/0719-5346.2011.17084

Monteiro LS, Costa EF, Correa VAC, Folha OAAC. Sobre o significado das ocupações após o acidente por queimaduras. Cad Ter Ocup UFSCar. [Internet]. 2014 [citado em 27 jun 2017]; 22(2):305-15. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/707/536. DOI: https://doi.org/10.4322/cto.2014.052.

Crepeu EB, Cohn ES, Schell BAB, editores. Willard e Spackman: terapia ocupacional. 10ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011.

García DU, Schliebener TM, Torrico MP. Que significado le asignan un grupo de mujeres a las actividades para sí mismas? Rev Chil Ter Ocup. 2008; 8(8):17-25.

Pessini L, Bertachini L, organizadores. Humanização e cuidados paliativos. São Paulo: Loyola; 2004.

Castro ED, Lima EMFA, Brunello MIB. Atividades humanas e terapia ocupacional. In: De Carlo MMRP, Bartalotti C., editores. Terapia ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus; 2001. p. 41-59.

Christiansen CH, Baum CM, Haugen JB. Occupational therapy: performance, participation and well-being. Thorofare: Slack; 2005.

Pollard N. Is dying an occupation? J Occup Sci. 2006; 13(2):149-52.

Ayuso, DMR. El sentido de la ocupación. TOG (A Coruña) [Internet]. 2010 [citado em 27 jun 2017]; 7(supl 6):59-77. Disponível em:

http://www.revistatog.com/suple/num6/romero.pdf

Magalhães L. Ocupação e atividade: tendências e tensões conceituais na literatura anglófona da terapia ocupacional e da ciência ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2013; 21(2):255-63.

Associação Americana de Terapia Ocupacional. Estrutura da prática da terapia ocupacional: domínio e processo. 3ed. Cavalcanti A, Dutra FCMS, Elui VMC, tradutoras. Rev Ter Ocup. 2015; 26(Ed Esp):1-49.

Silva ACC. Diferentes intervenções de terapia ocupacional em cuidados paliativos: revisão sistemática de literatura. [Monografia]. Ribeirão Preto: USP; 2013.

Queiroz MEG. Atenção em cuidados paliativos. Cad Bras Ter Ocup. 2012; 20(2):203-5. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/623/378. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2012.021

Burkhardt ANN. Oncologia. In: Pedretti LW, Early MB. Terapia ocupacional: capacidades práticas para disfunções físicas. 5ed. São Paulo: Roca; 2005. p. 1033-1043.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.1876

Apontamentos

  • Não há apontamentos.