O significado de ser mãe ou pai de um filho com autismo

José Henrique da Silva Cunha, Diane Coelho Pereira, Lucieny Almohalha

Resumo


O autismo é caracterizado pelo comprometimento na comunicação, na interação social e pela presença de comportamento, interesses e atividades estereotipados e repetitivos. O objetivo desta pesquisa foi analisar e descrever o significado de ser mãe ou pai de um filho autista. Participaram deste estudo quatro mulheres e dois homens com filhos com diagnóstico de autismo. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e interpretados seguindo a análise de conteúdo do tipo temática. Na análise do conteúdo das entrevistas emergiram as seguintes categorias: “Impacto do diagnóstico do autismo”; “Emoções, atitudes e sentimentos despertos” e, “Vivências transformadoras”. Verificou-se que mães e pais apresentaram tendência de superproteção e incertezas em relação ao futuro do filho. Conclui-se que é um desafio ser mãe ou pai de uma criança autista por exigir total dedicação em prol aos cuidados que o filho necessita.


Palavras-chave


Transtorno autístico; Família; Mães; Pais

Referências


Givigi RCN, Souza TA, Silva RS, Dourado SSF, Alcântara JN, Lima MVA. Implicações de um diagnóstico: o que sentem as famílias dos sujeitos com deficiência? Distúrb Comun. 2015; 27(3):445-53.

Pinto RNM, Torquato IMB, Collet N, Reichert APS, Souza Neto VL, Saraiva AM. Austimo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(3):1-9.

Andrade AA, Teodoro MLM. Família e Autismo: uma revisão da literatura. Contextos Clín. 2012; 5(2):133-42.

Misquiatti ARN, Brito MC, Ferreira FTS, Assumpção Júnior FB. Sobrecarga familiar e crianças com transtornos do espectro do autismo: perspectiva dos cuidadores. Rev CEFAC. 2015; 17(1):192-200.

Zanatta EA, Menegazzo E, Guimarães NA, Ferraz L, Motta MGC. Cotidiano de famílias que convivem com o autismo infantil. Rev Baiana Enferm. 2014; 28(3):271-82.

Grisante PC, Aiello ALR. Interações familiares: observação de diferentes subsistemas em família com uma criança com síndrome de Down. Rev Bras Educ Espec. 2012; 18(2):195-212.

Minatel MM, Matsukura TS. Famílias de crianças e adolescentes com autismo: cotidiano e realidade de cuidados em diferentes etapas do desenvolvimento. Rev Ter Ocup. 2014; 25(2):126-34.

Mecca TP, Bravo RB, Velloso RL, Schwartzman JS, Brunoni D, Teixeira MCTV. Rastreamento de sinais e sintomas de transtornos do espectro do autismo em irmãos. Rev Psiquiatr Rio Gd Sul. 2011; 33(2):116-20.

American Psychiatry Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5thed. Washington: American Psychiatric Association; 2013.

Marques MH, Dixe MAR. Crianças e jovens autistas: impacto na dinâmica familiar e pessoal de seus pais. Rev Psiquiatr Clin. 2011; 38(2):66-70.

Christensen DL, Baio J, Braun KVN, Bilder D, Charles J, Constantino JN, et al. Prevalence and characteristics of autism spectrum disorder among children aged 8 years - Autism and Developmental Disabilities Monitoring Network, 11 Sites, United States, 2012. MMWR CDC Surveill Summ. 2016; 65(3):1-23.

Ebert M, Lorenzini E, Silva EF. Mães de crianças com transtorno autístico: percepções e trajetórias. Rev. Gaúcha Enferm. 2015; 36(1):49-55.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Ministério da Saúde (Br). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. D.O.U., Brasília, DF, 13 jun 2013; 150(112 Seção 1):59-62.

Segeren L, Françozo MFC. As vivências de mães de jovens autistas. Psicol Estud. 2014; 19(1):39-46.

Sifuentes M, Bosa CA. Criando pré-escolares com autismo: características e desafios da coparentalidade. Psicol Estud. 2010; 15(3):477-85.

Walter C, Almeida MA. Avaliação de um programa de comunicação alternativa e ampliada para mães de adolescentes com autismo. Rev Bras Educ Espec. 2010; 16(3):429-46.

Associação Americana de Terapia Ocupacional. Estrutura da prática da terapia ocupacional: domínio & processo. 3. ed. Cavalcanti A, Dutra FCMS, Elui VMC, tradutoras. Rev Ter Ocup. 2015; 26(Ed Esp):1-49.

Meimes MA, Saldanha HC, Bosa CA. Adaptação materna ao transtorno do espectro autismo: relações entre crenças, sentimentos e fatores psicossociais. Psico (Porto Alegre). 2015; 46(4):412-22.

Smeha LN, Cezar PK. A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicol Estud. 2011; 16(1):43-50.

Cardoso MF, Françozo MGC. Jovens irmãos de autistas: expectativas, sentimentos e convívio. Saúde (Santa Maria). 2015; 41(2): 87-98.

Visani P, Rabello S. Considerações sobre o diagnóstico precoce na clínica do autismo e das psicoses infantis. Rev Latinoam Psicopatol Fundam. 2012; 15(2):293-308.

Pinto RNM, Torquato IMB, Collet N, Reichert APS, Souza NVL, Saraiva AM. Infantile autism: impact of diagnosis and repercussions in family relationships. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(3):1-9.

Zanon RB, Backes B, Bosa CA. Identificação dos primeiros sintomas do autismo pelos pais. Psicol Teor Pesqui. 2014; 30(1):25-33.

Adams C, Lockton E, Freed J, Gaile J, Earl G, McBean K, et al. The social communication intervention project: a randomized controlled trial of the effectiveness of speech and language therapy for school-age children who have pragmatic and social communication problems with or without autism spectrum disorder. Int J Lang Commun Disord. 2012; 47(3):233-44.

Teles FM, Resegue R, Puccini RF. Habilidades funcionais de crianças com deficiências em inclusão escolar: barreiras para uma inclusão efetiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(10):3023-31.

Nogueira MAA, Martins RSCM. A família com criança autista: apoio de enfermagem. Rev Port Enferm Saúde Mental. 2011; 1(5):16-21.

Maia Filho ALM, Nogueira LANM, Silva KCO. A importância da família no cuidado da criança autista. Saúde Foco. 2016; 3(1):66-83.

Henn CG, Piccinini CA. A experiência da paternidade e o envolvimento paterno no contexto da Síndrome de Down. Psicol Teor Pesqui. 2010; 26(4):623-31.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.1971

Apontamentos

  • Não há apontamentos.