Plano de aula enquanto recurso e estratégia didática na formação de docentes para o ensino superior

Fabio Scorsolini-Comin

Resumo


O objetivo deste ensaio é discutir sobre a utilização do plano de aula enquanto recurso e estratégia didática no processo de formação de docentes para o ensino superior. Descreve-se a experiência da disciplina de “Universidade e Docência”, ofertada no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. São apresentados modelos de organização de planos de ensino, de planos de aula e de avaliação da docência. Apresenta-se o plano de aula não apenas como um documento que orienta o planejamento dos conteúdos programáticos, mas como uma estratégia didática que se movimenta no acontecer da aula, representando uma possibilidade de diálogo constante entre conteúdos e sua execução prática em função de características dos docentes, dos alunos e da disciplina ministrada. Limitações e potencialidades dessa proposta são apresentadas e discutidas, bem como suas implicações para a formação de docentes para o ensino superior. 


Palavras-chave


Materiais de ensino; Ensino; Aprendizagem; Educação superior

Referências


Tourinho EZ, Bastos AVB. Desafios da pós-graduação em Psicologia no Brasil. Psicol Reflex Crit. 2010; 23(1):35-46.

Bastos AVB, Tomanari GY, Trindade ZA, Andery MAPA. The Psychology postgraduate system in Brazil: current characteristics and challenges for the area. Psicol Reflex Crit. 2015; 28(Suppl. 1):23-33.

Féres-Carneiro T, Bastos AVB, Feitosa MAG, Seidl-de-Moura ML, Yamamoto OH. Gaps, goals and conditions for expanding graduate systems in psychology in Brazil. Psicol Reflex Crit. 2010; 23(1):11-24.

Barreto FCS, Domingues I. O PNPG 2011-2020: Os desafios do país e o Sistema Nacional de Pós-Graduação. Educ Rev. 2012; 28(3):17-53.

Bastos AVB, Yamamoto OH, Menandro PRM. Formar docentes: em que medida a pós-graduação cumpre esta missão? (Réplica 1). Rev Adm Contemp. 2011; 15:1152-60.

Parente CMD, Valle LELR, Mattos MJVM, orgs. A formação de professores e seus desafios frente às mudanças sociais, políticas e tecnológicas. Porto Alegre: Penso; 2015. 256p.

Perrenoud P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Penso; 2002. 232p.

Scorsolini-Comin F. Diálogo e dialogismo em Mikhail Bakhtin e Paulo Freire: contribuições para a educação a distância. Educ Rev. 2014; 30(3):245-65.

Sguissard W. Reforma universitária no Brasil–1995-2005: precária trajetória e incerto futuro. Educ Soc. 2006; 27(96):1021-56.

Zabalza M. O ensino universitário. Porto Alegre: Artmed; 2005. 240p.

Conceição JS, Nunes CMF. Saberes docentes e professores iniciantes: dialogando sobre a formação de professores para o ensino superior. Rev Docência Ensino Sup. 2015; 5(1):9-36.

Dwek M, Motta ACGD, Thiollent MJ. Relato de experiência da disciplina “Seminários de Docência” do Programa de Engenharia de Produção da COPPE/UFRJ. Rev Docência Ensino Sup. 2015; 5(1):37-66.

Hoffmann J. O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Mediação; 2005. 176p.

Scorsolini-Comin F. Avaliação dos processos de ensino-aprendizagem em ações educacionais ofertadas a distância. Temas Psicol. 2013; 21(3):335-46.

Pozo JI, Crespo MAG. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5ed. Trad. N. Freitas. Porto Alegre: Artmed; 2009. 296p.

Brambilla SDS, Stumpf IRC. Planos de ensino do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul: estudo bibliométrico de referências. Transinformação 2006; 8(1):37-47.

Gandin D, Gandin LA. Temas para um projeto político-pedagógico. Petrópolis: Vozes; 2003. 176p.

Luckesi CC. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e preposições. 11ed. São Paulo: Cortez; 2001. 184p.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i3.2009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.