Intervenção do terapeuta ocupacional junto às crianças com câncer: uma revisão dos Anais do I Congresso da Associação Científica de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e Cuidados Paliativos

Camila Dias Silva, Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo, Beatriz Cardoso Lobato

Resumo


Trata-se de um estudo de revisão narrativa, que objetivou identificar as contribuições do terapeuta ocupacional junto às crianças com câncer no contexto hospitalar. Utilizou-se como base de dados os anais do I Congresso de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e Cuidados Paliativos, publicados pela Revista de Medicina de Ribeirão Preto/USP. Os resultados foram apresentados em três categorias: Contribuições do terapeuta ocupacional na hospitalização de crianças com câncer: a construção de ações humanizadas e integrais; As estratégias e recursos terapêuticos ocupacionais desenvolvidos para o contexto hospitalar e, a Formação profissional para atuação no contexto hospitalar junto às crianças. Conclui-se que o terapeuta ocupacional apresenta conhecimento, competências e estratégias para intervir no contexto hospitalar, diminuindo o impacto da hospitalização na vida de crianças, favorecendo a inserção deste profissional junto à equipe e a construção de um trabalho interdisciplinar e humanizado.


Palavras-chave


Terapia ocupacional; Neoplasias; Criança

Referências


Instituto Nacional de Câncer “José Alencar Gomes da Silva”. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2014[Citado em 7 maio 2017]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/outros-destaques/estimativa-de-incidencia-de-cancer-2014/estimativa_cancer_24042014.pdf

Instituto Nacional de Câncer “José Alencar Gomes da Silva”. Câncer na criança e no adolescente no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; [201-]. [Citado em 7 maio 2017]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/tumores_infantis/

Hanna LMO, Araújo RJG, Botti MT, Andrade Filho GG. Pediatric cancer: epidemiologic profile of attended children in a reference center in the state of Para. J Res Dent. [Internet]. 2016 [Citado em 7 maio 2017]; 4(3):100-7. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/JR_Dentistry/article/view/4493/2988. DOI: http://dx.doi.org/10.19177/jrd.v4e32016100-107.

Garcia-Schinzari NR, Pfeifer LI, Sposito AMP, Santos JLF, Nascimento LC, Pinto MPP. Caixas de histórias como estratégias auxiliar do enfrentamento da hospitalização de crianças e adolescentes com câncer. Cad Ter Ocup UFScar. [Internet]. 2014[Citado em 7 maio 2017]; 22(3):569-77. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1113/572 DOI: http://dx.doi.org/10.4322%2Fcto.2014.079.

Schinzari NRG, Sposito AMP, Pfeifer LI. Cuidados paliativos junto a crianças e adolescentes hospitalizados com câncer: o papel da terapia ocupacional. Rev Bras Cancerol. [Internet]. 2013[Citado em 7 maio 2017]; 59(2):239-47. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_59/v02/pdf/11b-cuidados-paliativos-junto-a-criancas-e-adolescentes-hospitalizados-com-cancer-o-papel-da-terapia-ocupacional.pdf.

Othero MB, Palm RDCM. Terapia ocupacional – práticas em oncologia. São Paulo: Roca; 2010.

Lima MS, Almohalha L. Desvelando o papel do terapeuta ocupacional na oncologia pediátrica em contextos hospitalares. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2011[Citado em 7 maio 2017]; 22(2):173-81. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/download/14135/15953.

Guiñazú L. Terapia ocupacional em oncologia pediátrica. Rev Hosp Niños. 2005; 47(215):328-33.

Vosgerau DSR, Romanowski JP. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev Diálogo Educ. [Internet]. 2014 [Citado em 7 maio 2017]; 14:(41):165-89. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2317/2233. DOI: 0.7213/dialogo.educ.14.041.DS08.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Resolução nº 429 de 08 de julho de 2013. Reconhece e disciplina a especialidade de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares, define as áreas de atuação e as competências do terapeuta ocupacional especialista em Contextos Hospitalares e dá outras providências [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 02 set 2013 [citado em 7 maio 2017]. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3191.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Joaquim RHVT, Soares FB, Figueiredo MO, Brito CMD. Terapia ocupacional e oncologia pediátrica: caracterização dos profissionais em centros de referência no Estado de São Paulo. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2017 [Citado em 7 maio 2017]; 28 (1):36-45. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/111291/129245.

Galván GB. Equipes de saúde: o desafio da integração disciplinar. Rev SBPH [Internet]. 2007[Citado em 7 maio 2017]; 10(2):53-61 Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582007000200007.

Horst VSB, Orzechowski ST. O desafio e potencialidade da interdisciplinaridade no atendimento à saúde. Laplage Rev. [Internet]. 2017[Citado em 7 maio 2017]; 3(1):192-201. Disponível em: http://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/230/476. DOI: https://doi.org/10.24115/S2446-6220201731230p.192-201.

Kudo AM, Parreira FV, Barros PB, Zamper SSS. Construção do instrumento de avaliação de terapia ocupacional em contexto hospitalar pediátrico: sistematizando informações. Cad Ter Ocup UFScar [Internet]. 2012[Citado em 7 maio 2017]; 20(2):173-81. DOI: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2012.018

Zen CC, Omairi C. O modelo lúdico: uma nova visão do brincar para a terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFScar [Internet]. 2009[Citado em 7 maio 2017]; 17(1):43-51. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/117/75.

Vieira SR, Cazeiro APM. Análise de jogos e brincadeiras para o contexto hospitalar. Rev Interinstitucional Bras Ter Ocup. [Internet]. 2017[Citado em 7 maio 2017]; 1(2):127-48. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/4639/pdf_1.

Garcia-Schinzari NR, Pacciulio AM, Pfeifer LI. Cuidados paliativos junto a crianças e adolescentes hospitalizados com câncer: o papel da terapia ocupacional. Rev Bras Cancerol. [Internet]. 2013[Citado em 7 maio 2017]; 59(2):239-47. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_59/v02/pdf/11b-cuidados-paliativos-junto-a-criancas-e-adolescentes-hospitalizados-com-cancer-o-papel-da-terapia-ocupacional.pdf.

Galheigo SM, Angeli AAC. Terapia ocupacional e o cuidado integral à saúde de crianças e adolescentes: a construção do Projeto ACCALANTO. Rev Ter Ocup. [Internet]. 2008[Citado em 7 maio 2017]; 19(3):137-43. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/14040/15858. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i3p137-143

Pedrolo E, Danski MTR, Mingorance P, Lazzari LSM, Méier MJ, Crozeta KA. Prática baseada em evidências como ferramenta para prática profissional do enfermeiro. Cogitare Enferm. [Internet]. 2009[Citado em 7 maio 2017]; 14(4):760-63. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/16396/10875 DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v14i4.16396.

Gómez-Ortega OR; Amaya Rey MCP. ICrESAI-IMeCI: instrumentos para elegir y evaluar artículos científicos para la investigación y la práctica basada en evidencia. Aquichan [Internet]. 2013[Citado em 7 maio 2017]; 3(3):407-20. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aqui/v13n3/v13n3a09.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i1.2135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.