Gestão do cuidado e da clínica no atendimento aos usuários da Estratégia Saúde da Família

Antonio Germane Alves Pinto, Maria Dayanne Luna Lucetti, Kelly Fernanda Silva Santana, Adriana de Moraes Bezerra, Maria Corina do Amaral Viana, Maria Salete Bessa Jorge

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar a prática clínica e a gestão do cuidado no cotidiano da Estratégia Saúde da Família com ênfase nos limites, potencialidades e desafios para a consolidação do Sistema Único de Saúde. Trata-se de estudo de natureza qualitativa, realizado com 42 usuários e 31 trabalhadores de saúde do Município de Fortaleza, Ceará. Os resultados evidenciam que as ações de saúde no território são regidas pela eficiência produtiva da equipe de saúde. Emergiram como categorias: os limites e tensões no atendimento, as potencialidades cotidianas, e os desafios para gestão do cuidado e da clínica. As limitações estruturais e operacionais para o cuidado em saúde são superadas pelas relações intersubjetivas entre a equipe e a comunidade. A gestão do cuidado se verticaliza nos processos de trabalho e se demonstra frágil no que diz respeito ao alcance de condições de saúde adequadas. Considera-se que a prática clínica e o cuidado em saúde tangenciam as diretrizes político-institucionais do Sistema Único de Saúde e o direito à saúde ainda é parcialmente garantido no cotidiano assistencial.


Palavras-chave


Guia de Prática Clínica; Estratégia Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde; Integralidade em saúde; Sistema Único de Saúde

Referências


Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2015 [citado em 15 jun 2017]; 20(6):1869-78. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014

Boing AF, Vicenzi RB, Magajewski F, Boing AC, Moretti-Pires RO, Peres KG, et al. Redução das internações por condições sensíveis à atenção primária no Brasil entre 1998-2009. Rev Saúde Pública [Internet]. 2012 [citado em 15 jun 2017]; 46(2):359-66. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000011

Silva LA, Casotti CA, Chaves SCL. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2013 [citado em 18 jun 2017]; 18(1):221-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100023

Sousa MF, Hamann EM. Saúde da família no Brasil: estratégia de superação da desigualdade na saúde? Physis [Internet]. 2009 [citado em 18 jun 2017]; 19(3):711-29. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000300009

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Ministério da Saúde (Br), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento da Atenção Básica. Evolução do credenciamento e implantação da estratégia Saúde da Família. Dados do Estado do Ceará e capital [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [citado em 18 jun 2017]; Disponível em: http://dab.saude.gov.br/historico_cobertura_sf/historico_cobertura_sf_relatorio.php

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução Nº 466 de 12 de dezembro de 2012 [Internet]. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [Internet]. Brasília, DF: CNS; 2012 [citado em 18 jun 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Jesus WLA, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2010 [citado em 18 jun 2017]; 15(1):161-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n1/a22v15n1.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100022

Pessoa VM, Rigotto RM, Carneiro FF, Teixeira ACA. Sentidos e métodos de territorialização na atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2013 [citado em 18 jun 2017]; 18(8):2253-62. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800009

Almeida PF, Giovanella L, Nunan BA. Coordenação dos cuidados em saúde pela atenção primária à saúde e suas implicações para a satisfação dos usuários. Saúde Debate [Internet]. 2012 [citado em 18 jun 2017]; 36(94):375-91. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000300010

Cunha EM, Giovanella L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2011 [citado em 18 jun 2017]; 16(Suppl1):1029-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16s1/a36v16s1.pdf

Arce VAR, Sousa MF. Práticas de longitudinalidade no âmbito da Estratégia Saúde da Família no Distrito Federal. Cad Saúde Colet. [Internet]. 2014 [citado em 18 jun 2017]; 22(1):62-8. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400010010

Cecilio LCO, Andreazza R, Carapinheiro G, Araújo EC, Oliveira LA, Andrade MGG, et al. A Atenção Básica à Saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel? Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2012 [citado em 18 jun 2017]; 17(11):2893-902. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100006

Reis RS, Coimbra LC, Silva AAM, Santos AM, Alves MTSSB, Lamy ZC, et al. Acesso e utilização dos serviços na Estratégia Saúde da Família na perspectiva dos gestores, profissionais e usuários. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2013 [citado em 18 jun 2017]; 18(11):3321-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001100022

Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saúde Soc. [Internet]. 2015 [citado em 18 jun 2017]; 24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

Castro ALB, Machado CV. A política federal de atenção básica à saúde no Brasil nos anos 2000. Physis [Internet]. 2012 [citado em 18 jun 2017]; 22(2):477-506. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312012000200005

Pinto AGA, Jorge MSB. Prática clínica na estratégia saúde da família: relações entre equipe e usuários no território urbano. Rev Eletrônica Gest Saúde [Internet]. 2015 [citado em 18 jun 2017]; 6(2):1514-29. DOI: http://dx.doi.org/10.18673/gs.v6i2.22483

Campos CMS, Silva BRB, Forlin DC, Trapé CA, Lopes IO. Práticas emancipatórias de enfermeiros na Atenção Básica à Saúde: a visita domiciliar como instrumento de reconhecimento de necessidades de saúde. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2014 [citado em 18 jun 2017]; 48(Esp):119-25. DOI: 10.1590/S0080-623420140000600017

Bezerra RS, Carvalho EL. Profissionais de saúde e dispositivos de mediação na atenção básica. In: Pinheiro R, Martins PH, editores. Usuários, redes sociais, mediações e integralidade em saúde. Rio de Janeiro: UERJ/IMS/LAPPIS; 2011. p. 149-60.

Gazzinelli MF, Souza V, Fonseca RMGS, Fernandes MM, Carneiro ACLL, Godinho LK. Práticas educativas grupais na atenção básica: padrões de interação entre profissionais, usuários e conhecimento. Rev Esc Enferm USP. [Internet] 2015 [citado em 18 jun 2017]; 49(2):284-91. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000200014

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec; 2000.

Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e eqüidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, editores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: Cepesc; 2001. p. 113-126.

Sancho LG, Silva NEK. Descortinando o acesso aos serviços de saúde na perspectiva da interdisciplinaridade: debate de ideias. Physis [Internet]. 2013 [citado em 18 jun 2017]; 23(2):371-91. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000200004




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i1.2169

Apontamentos

  • Não há apontamentos.