Formação continuada de professores: espaço de ação-reflexão-ação da literacia para a saúde

Roselita Sebold, Darclé Cardoso, Daniela Lemos Carcereri, Rita Buzzi Rausch

Resumo


Este artigo tem como objetivo abordar a literacia para a saúde na formação continuada de professores e o processo de educação em saúde nos projetos pilotos com alunos. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, realizada entre 2010 a 2013 em Rio do Sul/SC, com 33 alunos e 20 professoras. Foram aplicados métodos de ensinar e aprender o conceito de saúde ampliado em projetos pilotos com estudantes para subsidiar a formação continuada, com base na literacia para a saúde. A análise dos dados demonstrou que os alunos apreenderam esta abordagem ampliada, sugerindo saúde na perspectiva de promoção da saúde ao associarem o conceito em diversos ambientes do convívio e de enfrentamento das vulnerabilidades. Considera-se que o professor é um agente de literacia para a saúde e o articulador entre os interesses dos alunos e da comunidade com flexibilidade para agir de acordo com o contexto escolar. 


Palavras-chave


Educação em saúde; Promoção da saúde; Formação continuada

Referências


Ministério da Saúde (Br). Saúde na escola. Textos de apoio. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2002b.

Ministério da Saúde (Br). Curso de formação de facilitadores de educação permanente em saúde: unidade de aprendizagem – análise do contexto da gestão e das praticas de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005. 160p.

Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde [Internet]. Brasília: CONASS; 2015 [citado em 20 ago 2016]. Disponível em: http://www.resbr.net.br/wp-content/uploads/2015/11/A-CONSTR-SOC-ATEN-PRIM-SAUDE.pdf.

Dias S, Gama A. Promoção da saúde: evolução de um paradigma e desafios contemporâneos. Rev Salud Pública [Internet]. 2014 [citado em 23 ago 2016]; 16(2):307-17. Disponível em:

https://dx.doi.org/10.15446/rsap.v16n2.36932.

Ministério da Saúde (Br). As cartas da promoção da saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2002 citado em 20 ago 2016]. 56p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf.

World Health Organization. Bangkok charter for health promotion in a globalized world [Internet]. Geneve: WHO; 2005 [citado em: 22 ago 2016]. Disponível em: http://www.worldhealthorganization/html.

Queensland Government, Queensland Health. Queensland Stay On Your Feet Toolkit - Nairobi Declaration/Call to Action. Brisbane: Queensland Government; 2012 [citado em 22 ago 2016]. Disponível em: https://www.health.qld.gov.au/stayonyourfeet/toolkits/phase2/nairobi.

Saboga-Nunes L. Literacia para a saúde e a conscientização da cidadania positiva. Referência. 2014; 11(III Série – Supl.):95-9.

Nubeam D. The evolving concept of health literacy. Soc Sci Med. 2008; 67(12):2072-8.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.

Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2011 [citado em 22 set 2016]; 16(1):319-25. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000100034

Schimit MÂ. Ação-reflexão-ação: a prática reflexiva como elemento transformador do cotidiano educativo. Protestantismo Rev. [Internet]. 2011 [citado em 18 set 2016]; 25:59-65. Disponível em: http://periodicos.est.edu.br/index.php/nepp/article/view/157/194.

Nóvoa A. O passado e o presente dos professores. In: Nóvoa A, Hameline D, Sacristán JG, Esteve JM, Woods P, Cavaco MH, organizadores. Profissão professor. 2ed. Lisboa: Porto; 1995. p.13-34.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 1997.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i0.2260

Apontamentos

  • Não há apontamentos.