O processo de institucionalização: o que muda na vida da pessoa idosa?

Ana Carolina Fernandes Silva, Maria Florência dos Santos, Thamiris Inoue Rios

Resumo


Esta é uma reflexão que tem como objetivo compreender as mudanças que o processo de institucionalização provoca na vida da pessoa idosa e identificar o papel da família e do Estado em relação ao cuidado do idoso em contexto de ILPI. O envelhecimento populacional no Brasil está crescendo, e em uma conjuntura de transformações sociais, econômicas, culturais, no sistema de valores e de novos arranjos familiares. A procura por ILPI’s, diante da perspectiva demográfica e social, está aumentando, e representa uma nova alternativa de moradia para a pessoa idosa. Destaca-se que um dos fatores que culminam na institucionalização da pessoa idosa é a redução da rede de apoio social durante o envelhecimento. No cotidiano das pessoas idosas institucionalizadas, as ILPI’s devem desenvolver atividades que possibilitem à pessoa idosa trocas de saberes e experiências.


Palavras-chave


Idoso; Institucionalização; Família

Referências


Camarano AA, Kanso OS. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev Bras Estud Popul. [Internet]. 2010 [citado em 11 jun 2016]; 27:(1):233-5. Disponível em: http://ww2011w.scielo.br/pdf/rbepop/v27n1/14.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada RDC, nº 283, de 26 de setembro de 2005 [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 27 set 2005 [citado em 11 jun 2016]. Disponível em: http://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2014/10/rdc-283-2005.pdf.

Campos MS, Mioto RCT. Política de assistência social e a posição da família na política social brasileira. Ser Soc. 2003; 1(1):165-90.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa Social. 6ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Veras R. A longevidade da população: desafios e conquistas. Serv Soc Soc. 2003; 75:19-35.

Paiva SOC. Envelhecimento, saúde e trabalho no tempo do capital. São Paulo: Cortez; 2014.

Teixeira SM. Família e as formas de proteção social primária aos idosos. Rev Kairós. [Internet]. 2008 [citado em 11 jun 2016]; 11(2):59-80.

Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/2393/1486.

Mendonça A. Envelhecimento activo e educação ao longo da vida. Funchal: Universidade da Madeira; 2012.

Beavouir S. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1990.

Carvalho MCB. Famílias e políticas públicas. In: Acosta AR, Vitale MAF, orgs. Família: redes, laços e políticas públicas. 5ed. São Paulo: Cortez, 2010.

Haddad EGM. A Ideologia da velhice. São Paulo: Cortez; 1986.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (Br). Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF: MDS; 2004.

Presidência da República (Brasil). Lei nº 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 3 out 2003 [citado em 10 maio 2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm Acesso em Maio/2016.

Presidência da República (Brasil). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 5 out 1988 [citado em 11 jun 2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

Freitas AAAM, Bernardi R. O acesso à moradia em instituições de longa permanência para idosos: direito social e políticas públicas voltadas à pessoa idosa garantidoras do direito fundamental. [Florianópolis, SC]: Publica Direito; [2014] [citado em 11 jun 2016]. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=46c3b2e84687fd51.

Silva CA, Carvalho LS, Santos ACPO, Menezes MR. Vivendo após a morte de amigos: história oral de idosos. Texto & Contexto Enferm. 2007; 16(1):97-104.

Elias N. Solidão dos moribundos. Rio de Janeiro: J. Zahar; 2001.

Bessa MEP, Silva MJ. Motivações para o ingresso dos idosos em instituições de longa permanência e processos adaptativos: um estudo de caso. Texto & Contexto Enferm. 2008; 17(2):258-65.

Guimarães AA, Simas JN, Farias SF. O ambiente asilar e a qualidade de vida do idoso. A Terceira Idade. 2005; 16(33):54-71.

Born T. Cuidado ao idoso em instituição. In: Papaléo Neto M. (org). Gerontologia. São Paulo: Atheneu; 2002.

Carmo HO, Rangel JRA, Ribeiro NAP, Araújo CLO. Idoso institucionalizado: o que sente, percebe e deseja? RBCEH, Rev Bras Ciênc Envelhecimento Hum. [Internet]. 2012 [citado em 10 maio 2016]; 9(3): 330-40. Disponível em: http://www.upf.br/seer/index.php/rbceh/article/viewFile/1274/pdf.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i0.2268

Apontamentos

  • Não há apontamentos.