Doenças crônicas não transmissíveis: conhecimentos e práticas de enfermeiros da atenção primária

Wallison Pereira dos Santos, Fernanda Beatriz Dantas de Freitas, Joice Pereira da Silva, Fernanda Teixeira de Souza, Arthur Alexandrino, José Lindemberg Bezerra da Costa, Cândida Mirna de Souza Alves Alencar

Resumo


Este estudo tem como objetivo apresentar o conhecimento e as práticas dos enfermeiros da Atenção Primária à Saúde e quais estratégias de persuasão são utilizadas no enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva, com abordagem quantitativa, realizada no mês de setembro de 2017, na cidade de Cuité. Utilizou-se formulário estruturado e análise descritiva. Participaram cinco enfermeiros. A idade variou entre 21 e 55 anos; três eram mulheres. Quanto ao conhecimento sobre as doenças crônicas mais prevalentes no município, foram majoritariamente citadas a Hipertensão Arterial e o Diabetes Mellitus, apenas um dos enfermeiros sinalizou neoplasias na sua área de abrangência. Os enfermeiros afirmam não encontrar estímulos estruturais, burocráticos e financeiros que favoreçam a atuação efetiva do serviço de atenção primária.


Palavras-chave


Doenças crônica; Conhecimentos, atitudes e prática em saúde; Atenção primária à saúde

Referências


Ministério da Saúde (Br). Estratégia para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes Mellitus [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [citado em: 18 nov 2017]. (Cadernos da Atenção Básica; n. 36). Disponível em:http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36.pdf

Malta DC, Stopa SR, Szwarcwald CL, Gomes NL, Silva Júnior JB, Reis AAC. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmissíveis no Brasil-pesquisa nacional de saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. [Internet]. 2015 [citado em: 12 nov 2017]; 18(Supl2):3-16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2015000600003&script=sci_abstract&tlng=pt

Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Ducan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2014 [citado em: 12 nov 2017]; 23(4):599-608.Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/ress/v23n4/2237-9622-ress-23-04-00599.pdf

Ducan BB. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública [Internet].2012 [citado em: 12 nov 2017]; 46(supl):126-34.Disponível: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v46s1/17.pdf

Boas LCGV, Freitas MCF, Pace AM. Adesão de pessoas com diabetes mellitus tipo 2 ao tratamento medicamentoso. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2014 [citado em: 11 nov 2017]; 67(2):268-73. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n2/0034-7167-reben-67-02-0268.pdf

Aquino GA, Cruz DT, Silvério MS, Vieira MT, Bastos RR, Leite ICG. Fatores associados à adesão ao tratamento farmacológico em idosos que utilizam medicamento anti-hipertensivo. Rev Bras Geriatr Gerontol. [Internet]. 2017 [citado em: 16 nov 2017]; 20(1):116-27.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v20n1/pt_1809-9823-rbgg-20-01-00111.pdf

Faria HTG, Santos MA, Arrelias CCA, Rodrigues FFL, Gonela JT, Teixeira CRS, et al. Adesão ao tratamento em diabetes mellitus em unidades da estratégia saúde da família. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2014 [citado em: 11 nov 2017]; 48(2):257-63.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n2/pt_0080-6234-reeusp-48-02-257.pdf

Martins RX. Metodologia de pesquisa: guia de estudos. Lavras: UFLA; 2013.

Marconi MA, Lakatos EM. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2010.

Magalhães FJ, Mendonça LBA, Rebouças CBA, Lima FET, Custódio IL, Oliveira SC. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais de enfermagem: estratégias de promoção da saúde. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2014 [citado em: 23 nov 2017]; 67(3):394-400.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n3/0034-7167-reben-67-03-0394.pdf

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da atenção primária e a estratégia saúde da família. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2013 [citado em: 27 nov 2017]; 66(esp):158-64.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v66nspe/v66nspea20.pdf

Motta MDC, Peternella FMN, Santos AL, Teston EF, Marconi SS. Educação em saúde junto a idosos com hipertensão e diabetes: estudo descritivo. Rev Uningá Rev. [Internet].2014 [citado em: 18 nov 2017]; 18(2):48-53.Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20140501_121328.pdf

Mallmann DG, Galindo Neto NM, Sousa JC, Vasconcelos EMR. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2015 [citado em: 18 nov 2017]; 20(6):1763-72.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n6/1413-8123-csc-20-06-1763.pdf

Weykamp JM, Cecagno D, Hermel P, Tolfo FD, Siqueira HCH. Motivação: ferramenta de trabalho do enfermeiro na prática de educação em saúde na atenção básica. Rev Bras Ciênc Saúde. [Internet]. 2015 [citado em: 18 nov 2017]; 19(1):5-10.Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/25215/15033

Silocchi C, Junges JR. Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab Educ Saúde. [Internet]. 2017 [citado em: 18 nov 2017]; 15(2):599-615.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v15n2/1678-1007-tes-1981-7746-sol00056.pdf

Soares DA, Rodrigues CSC, Pereira DF, Silveira MORS, Oliveira JE, Lima VS. Adesão ao tratamento da hipertensão e do diabetes: compreensão de elementos intervenientes segundo usuários de um serviço de atenção primária a saúde. Rev APS. [Internet] 2014 [citado em: 17 nov 2017]; 17(3):311-7. Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/view/2053/822

Gazzinelli MFC, Marques RC, Oliveira DC, Amorim MMA, Araújo EG. Representações sociais da educação em saúde pelos profissionais da equipe de saúde da família. Trab Educ Saúde. [Internet]. 2013 [citado em: 13 nov 2017]; 11(3):553-71.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v11n3/v11n3a06.pdf

Gomes MF, Santos RSAF, Fontbonne A, Cesse EAP. Orientações sobre alimentação ofertadas por profissionais da estratégia de saúde da família durante as consultas aos hipertensos e diabéticos. Rev APS. [Internet]. 2017 [citado em: 08 nov 2017]; 20(2):203-11.Disponível em: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/download/3037/1081

Moutinho CB, Almeida ER, Leite MTS, Vieira MA. Dificuldades, desafios e superação sobre educação em saúde na visão de enfermeiros de saúde da família. Trab Educ Saúde. [Internet]. 2014 [citado em: 30 nov 2017]; 12(2):253-72.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v12n2/a03v12n2.pdf

Bidinotto DN, Simonneti JP, Bocchi SC. Men’s health: non-communicable chronic diseases and social vulnerability. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2016[citado em: 11nov 2017]; 24(1):e2756.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/0104-1169-rlae-24-02756.pdf

Trindade LL, Pires DEP. Implicações dos modelos assistenciais da atenção básica nas cargas de trabalho dos profissionais de saúde. Texto & Contexto Enferm. [Internet]. 2013 [citado em: 15 nov 2017]; 22(1):36-42.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n1/pt_05.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.2395

Apontamentos

  • Não há apontamentos.