Conhecimentos, atitudes e práticas dos profissionais de enfermagem sobre higiene das mãos no ambiente hospitalar

Nayara Ramos Moreira Soares, Delvane José de Souza, Maria Beatriz Guimarães Ferreira, Eva Claudia Venâncio de Senne, Luciana Paiva, Divanice Contim

Resumo


Trata-se de estudo seccional, de abordagem quantitativa, com o objetivo de avaliar os conhecimentos, atitudes e práticas da equipe de enfermagem sobre higienização das mãos (HM). Pesquisou-se 135 profissionais de enfermagem de um hospital universitário que responderam ao Questionário de Conhecimentos, Atitudes e Práticas relacionadas à higiene das mãos. Os dados foram submetidos à análise descritiva univariada. Todos os participantes da investigação (100%) acreditam que a HM é um procedimento importante na prevenção de infecção e mais de 50% consideram a sobrecarga de trabalho e o número reduzido de dispensadores de álcool gel como obstáculos à HM na prática clínica diária. A criação de parcerias com o Serviço de Educação em Enfermagem (SEE) e Comissão de Controle de Infecção Hospitalar da instituição de estudo são considerados facilitadores para que os profissionais aprimorem os conhecimentos e esclareçam dúvidas sobre HM.

Palavras-chave


Higiene das mãos; Equipe de enfermagem; Atitude do pessoal de saúde.

Referências


Ministério da Saúde (Br). Critérios Diagnósticos de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde [Internet]. 1ª ed. Brasília: DF; 2013. [citado2016 jan 10]. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro2-CriteriosDiagnosticosIRASaude.pdf.

World Health Organization. Report on the burden of endemic health care-associated infection worldwide. Geneva: World Health Organization; 2011.Genebra: WHO; 2009 [citado 2015 jan 10]. Disponívelem: http://whqlibdoc.who.int/publications/2009/9789241597906_eng.pdf.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 529, de 1º de abril de 2013: institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) [Internet]. Brasília (DF); 2013 [citado 2015 agos 4]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0529_01_04_2013.html.

Oliveira FGG, Meneses LST, Caetano JÁ, Silva VM, Oliveira MLB, Machado JJA. Avaliação das práticas de adesão à higienização das mãos relacionados com linhas vasculares em uma unidade de terapia intensiva. Vigil sanit debate. 2015;3(4):55-61. doi: http://dx.doi.org/10.3395/2317-269x.00520.

Pérez-Pérez P, Herrera-Usagre M, Bueno-Cavanillas A, Alonso-Humada MS, Buiza-Camacho B, Vázquez-Vázquez M. Higiene de las manos: conocimientos de los profesionales y áreas de mejora. Cad Saúde Pública [online]. 2015;31(1):149-60. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00106913.

Chou DTS, Achan P, Ramachandran M. The World Health Organization “5 moments of hand hygiene”: the scientific foundation. J Bone Joint Surg Br. 2012;94(4):441–5. doi:10.1302/0301-620X.94B4.27772.

McLaughlin AC, Walsh F. Individual differences in judgments of hand hygiene risk by health care workers. Am J InfectControl. 2011; 39:456-63. doi: doi:10.1016/j.ajic.2010.08.016.

Santos TCR, Roseira CE, Piai-Morais TH, Figueiredo RM. Higienização das mãos em ambiente hospitalar: uso de indicadores de conformidade. Rev GaúchaEnferm. 2014; 35(1):70-7. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.01.40930.

Borges LFAB, Rocha LA, Nunes MJ, Gontijo PP. Low compliance to handwashing program and high nosocomial infection in a Brazilian hospital. Interdiscip Perspect Infect Dis. 2012; 5pages. doi: http://dx.doi.org/10.1155/2012/579681. PubMed PMID: 579681.

Caires MS, Neto JT, Muniz PA, Silva Filho V, Santana AC. Avaliação das práticas de higienização por estudantes de medicina da Universidade Federal da Bahia (Brasil) durante atendimento clínico. Rev bras educ méd (Online). 2016; 40(3):411-22. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n3e00572015.

Guedes M, Miranda FMD, Maziero ECS, Cauduro FLF, Cruz EDA. Adesão dos profissionais de enfermagem à higienização das mãos: uma análise segundo o modelo de crenças em saúde. CogitareEnferm. 2012; 17(2);304-9. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i2.

Marra AR, Guastelli LR, Araújo CM, Santos JL, Filho MA, Silva CV, et al. Positive deviance: A program for sustained improvement in hand hygiene compliance. Am J Infect Control. 2011; 39(1):1-5. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajic.2010.05.024

Bentlin MR, Rugolo LMSS., Ferrari LSL. Practices related to late-onset sepsis in very low-birth weight preterm infants. J Pediatr. 2015; 91(2):168-74. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2014.07.004.

Kawagoe JY, Graziano KU, Martino MDV, Siqueira I,Correa L. Bacterial reduction of alcohol-based liquid and gel products on hands soiled with blood. Am J Infect Control. 2011;39(9):785-7. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajic.2010.12.018

Souza LM, Ramos MF, Becker ESS, Meirelles LCS, Monteiro SAO. Adherence to the five moments for hand hygiene among intensive care professionals. Rev Gaucha Enferm. 2015; 36(4):21-28. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.04.49090.

Jarral OA, McCormack DJ, Ibrahim S, Shipolini AR.Should surgeons scrub with chlorhexidine or iodine prior to surgery? Interact Cardiovasc Thorac Surg. 2011;12(6):1017-21. doi:10.1510/icvts.2010.259796.

Tschudin Sutter S, Frei R, Dangel M, Widmer AF. Effect of teaching recommended World Health Organization technique on the use of alcohol-based hand rub by medical students. Infect Control Hosp Epidemiol. 2010; 31(11):1194–5. doi: http://dx.doi.org/10.1086/653028.

Marra AR, Edmond MB. New technologies to monitor healthcare worker hand hygiene. Clin Microbiol Infect. 2014; 20(1):29-33. doi: http://dx.doi.org/10.1111/1469-0691.12458.

Prado MF, Oliveira ACJ, Nascimento TMB, Melo WA, Prado DB. Estratégia de promoção à higienização das mãos em unidade de terapia intensiva. Ciênc Cuid Saúde. 2012; 11(3):557-64. doi: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i3.16366.

Huis A, Van Achterberg T, Bruin M, Grol R, Schoonhoven L, Hulscher M. A systematic review of hand hygiene improvement strategies: a behavioral approach. Implement Sci. 2012; 7:92. doi: 10.1186/1748-5908-7-92.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v5i3.2439

Apontamentos

  • Não há apontamentos.