Florescer em solo árido: relato de experiência sobre prática psicológica em contexto hospitalar

Luana Rodrigues de Oliveira Tosta, Luciana Maria da Silva, Andrezza Sisconeto Ferreira Dias

Resumo


O objetivo deste estudo é relatar a experiência de um acompanhamento psicológico realizado a uma mãe de gêmeos prematuros por uma residente de psicologia no contexto hospitalar. Foram realizados 28 atendimentos individuais no ano de 2016, registrados em diário de campo e analisados segundo a abordagem winnicottiana e estudos sobre a psicologia hospitalar. Ao longo deste processo, os resultados indicam o crescimento psíquico e emocional da paciente, por meio de uma relação de escuta e compreensão, que permitiu a ressignificação da hospitalização dos filhos prematuros.


Palavras-chave


Psicologia; Internato e residência; Assistência hospitalar

Referências


Mutarelli A. O serviço de psicologia no hospital: modelo assistencial de cuidado na busca pela promoção de saúde. Rev SBPH. [Internet]. 2015 [citado em: 10 maio 2017]; 18(1):173-88. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v18n1/v18n1a09.pdf

Serralha CA. O ambiente facilitador winnicottiano: teoria e prática clínica. Curitiba: CRV; 2016.

Dias EO. Interpretação e manejo na clínica winnicottiana. São Paulo: DWW Editorial; 2014.

Januário LM, Tafuri MI. A relação transferencial para além da interpretação: reflexões a partir da teoria de Winnicott. Rev Ágora [Internet]. 2011 [citado em: 10 maio 2017]; 14(2):259-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/agora/v14n2/a07v14n2.pdf

Arrais AR, Mourão MA. Proposta de atuação do psicólogo hospitalar em maternidade e UTI neonatal baseada em uma experiência de estágio. Rev Psicol Saúde [Internet]. 2013 [citado em: 10 maio 2017]; 5(2):152-64. Disponível em: http://www.gpec.ucdb.br/pssa/index.php/pssa/article/view/284/346

Kahtuni HC. O terapeuta/mãe, o paciente/bebê e os cuidados requeridos. Psychê [Internet]. 2005 [citado em: 10 maio 2017]; 16(9):197-212. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/307/30716913.pdf

Medeiros C, Aiello-Vaisberg TMJ. Reflexão sobre holding e sustentação como gestos psicoterapêuticos. Psicol Clin. [Internet]. 2014 [citado em: 10 maio 2017]; 26(2):49-62. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pc/v26n2/04.pdf




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i3.2484

Apontamentos

  • Não há apontamentos.