Configuração da cobertura de saúde bucal brasileira e o acesso da população ao serviço público odontológico

Raphael Cavalcante Costa, Isabella Lima Arrais Ribeiro, Larycia Vicente Rodrigues, Ana Maria Gondim Valença

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar a cobertura de saúde bucal brasileira e o acesso da população ao serviço público odontológico entre os anos de 2008 e 2012. Trata-se de um estudo ecológico, comparativo-descritivo, por documentação indireta. As médias de Equipes de Saúde Bucal (ESB) do serviço público brasileiro variam de acordo com as regiões. No período avaliado, o Nordeste apresentou maior média de ESBs (64,0); seguido das regiões Sul (56,0); Centro-Oeste (53,0); Norte (44,0) e Sudeste (43,0). A região Nordeste concentra as maiores médias populacionais que nunca realizaram consulta odontológica, mas essa é a região que apresenta a maior oferta de serviço odontológico. As menores médias concentram-se no Sul, que após o Nordeste é a região com maior oferta de serviço público odontológico. Verificou-se diferença entre a proporção da população que nunca realizou consulta odontológica e a proporção da população com cobertura de plano de saúde (p=0,009). O acesso e a utilização dos serviços públicos de saúde bucal pela população brasileira, nas diferentes regiões geoeconômicas, bem como a quantidade de equipes de saúde bucal é desigual, havendo maior procura pela atenção em saúde bucal entre os usuários que possuem plano de saúde privado, que pertencem ao sexo feminino, e residem na área urbana.


Palavras-chave


Estratégia de Saúde da Família; Saúde bucal; Acesso aos serviços de saúde

Referências


Fonseca LE, Figueiredo MCB, Porto CSBM. Management of Primary Care: a challenge for international cooperation in health. Ciên Saúde Coletiva 2017; 22(7):2287-94.

Neves M, Giordani JM, Ferla AA, Hugo FN. Odontologia de cuidados primários no Brasil: da Prevenção ao cuidado integral. J Ambul Care Manage. 2017; 40(Supl 2):35-48.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 1.444 de 28 de dezembro de 2000. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. D.O.U., Brasília, DF, 29 dez 2000. Seção 1, p. 85.

Ministério da Saúde (Br). Portaria nº 267 de 06 de março de 2001. Aprova as normas e diretrizes de inclusão da saúde bucal na Estratégia do Programa Saúde da Família (PSF). Brasilia, DF, n. 119, 7 mar 2001. Secção 1, p. 67.

Lino PA, Werneck MAF, Lucas SD, Abreu MHNG. Análise da atenção secundária em saúde bucal no estado de Minas Gerais, Brasil. Ciên Saúde Coletiva. 2014; 19(9):3879-88.

Silva HECD, Gottems LBD. The interface between primary and secondary care in dentistry in the Unified Health System (SUS): an integrative systematic review. Ciên Saúde Coletiva. 2017; 22(8):2645-57.

Roncalli AG, Côrtes MIS, Peres KG. Perfis epidemiológicos de saúde bucal no Brasil e os modelos de vigilância. Cad Saúde Pública. 2012; 28(Supl1):58-68.

Limão NP, Protasio APL, Machado LS, Gomes LB, Valença AMG. Oferta da assistência odontológica especializada na atenção básica do Brasil, Nordeste e Paraíba. REFACS (online). 2017 [citado em 12 jan 2017]; 5(Supl.1):131-40. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/1987/2029.

Ribeiro JM, Moreira MR, Ouverney AM, Silva CMFPD. Políticas de saúde e lacunas federativas no Brasil: uma análise da capacidade regional de prestação de serviços. Ciên Saúde Coletiva. 2017; 22(4):1031-44.

Malta DC, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Oliveira M, Reis AC. Private health care coverage in the brazilian population, according to the 2013 Brazilian National Health Survey. Ciên Saúde Coletiva. 2017; 22(1):179-90.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; [201-] [citado em 20 fev 2017]. Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=pnad&o=10&i=P&c=2494

Lakatos EM, Marconi MA. Fundamentos da metodologia científica. 8 ed. São Paulo: Atlas; 2017.

Ministério da Saúde (Br). DATASUS. [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; [201-] [acesso em 12 abr 2017]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

Peres KG, Peres MA, Boing AF, Bertoldi AD, Bastos JL, Barros, AJD. Redução das desigualdades sociais na utilização de serviços odontológicos no Brasil entre 1998 e 2008. Rev Saúde Pública. 2012; 46(2):250-8.

Frencken JE, Sharma P, Stenhouse L, Green D, Laverty D, Dietrich T. Epidemiologia da cárie dentária e periodontite severa - uma revisão abrangente. J Clin Periodontol. 2017; 44 (Supl 18): S94-S105.

Perazzo MF, Gomes MC, Neves ÉT, Martins CC, Paiva SM, Granville-Garcia AF. Qualidade de vida relacionada à saúde bucal e senso de coerência quanto ao uso de serviços odontológicos por pré-escolares. Int J Paediatr Dent. 2017; 27(5):334-43.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil em síntese [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; [201-] [acesso em 20 jan 2017]. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/territorio

Silva CSO, Fonseca ADG, Souza LPS, Siqueira LG, Belasco AGS, Barbosa DA. Integralidade e Atenção Primária à Saúde: avaliação sob a ótica dos usuários. Ciên Saúde Coletiva. 2014; 19(11):4407-15.

Cavalcanti RP, Gaspar GS, Goes PSA. Utilização e acesso aos serviços de saúde bucal do SUS: uma comparação entre populações rurais e urbanas. Pesqui Bras Odontopediatria Clín Integr. 2012; 12(1):121-6.

Bastos ML, Menzies D, Hone T, Dehghani K, Trajman A. O impacto do saúde familiar brasileira em condições selecionadas sensíveis ao cuidado primário: uma revisão sistemática. PLoS ONE. 2017; 12(8): e0182336.

Silva VM, Pereira IV, Rocha MJ, Caldeira AP. Morbidade em usuários das equipes de saúde da família no nordeste de Minas Gerais com base na Classificação International de Cuidados Primários. Rev Bras Epidemiol. 2014; 17(4):954-67.

Pereira IF, Santiago BM, Oliveira CR, Figueiredo CC, Cunha DA, Sales GLD, et al. Evolução da cobertura em saúde bucal na Estratégia Saúde da Família em municípios paraibanos. Rev APS. 2014; 17(1):44-9.

Saliba NA, Moimaz SA, Fadel CB, Bino LS. Saúde bucal no Brasil: uma nova política de enfrentamento para a realidade nacional. ROBRAC. 2010; 19(48):66-9.

Martins EP, Oliveira OR, Bezerra SRS, Dourado AT. Estudo epidemiológico de urgências odontológicas da FOP/UPE. RFO UPF. 2014; 19(3):316-22.

Protasio APL, Machado LS, Gomes LB, Valença AMG. User satisfaction with primary health care by region in Brazil: 1st cycle of external evaluation from PMAQ-AB Ciên Saúde Coletiva. 2017; 22(6):1829-44.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i2.2818

Apontamentos

  • Não há apontamentos.