Estilo de vida e atividade física em área de vulnerabilidade social

Leslie Andrews Portes, Natália Cristina de Oliveira Vargas e Silva, Leonardo Tavares Martins, Cristina Zukowsky-Tavares

Resumo


O objetivo deste estudo foi determinar as prevalências de indivíduos sedentários e fisicamente ativos e suas associações com aspectos sociodemográficos e de estilo de vida em uma área de vulnerabilidade social da cidade de São Paulo. Trata-se de estudo transversal quantitativo, com dados coletados por meio da aplicação de um questionário fechado nos domicílios. Foram visitados 2416 domicílios, e o estudo contou com uma amostra de 5155 participantes. A prevalência de comportamento sedentário foi de 68%, e aumentava conforme a faixa etária. A múltipla regressão logística identificou quatro principais fatores preditivos do comportamento sedentário: sexo feminino (OR:1,26, P=0,002), consumo de carne (OR:1,28, P=0,003), não consumir frutas, verduras e legumes (OR:1,24, P=0,009) e analfabetismo (OR:1,33, P=0,025). A prevalência de sedentarismo foi alta e esteve associada à idade, sexo feminino, analfabetismo, tabagismo, consumo de carnes e baixo consumo regular de frutas, verduras e legumes.


Palavras-chave


Vulnerabilidade social; Estilo de vida; Atividade motora

Referências


World Health Organization. Global status report on non-communicable diseases, 2010. Geneva, Suíça: World Health Organization; 2011.

World Health Organization. Non communicable diseases progress monitor, 2015. Geneva, Suíça: World Health Organization; 2015.

Pappachan MJ. Increasing prevalence of lifestyle diseases: high time for action. Indian J Med Res. 2011; 134(2):143-5.

World Health Organization. Global action plan for the prevention and control of non-communicable diseases 2013-2020. Geneva, Suíça: World Health Organization; 2013.

Stringhini S, Rousson V, Viswanathan B, Gedeon J, Paccaud F, Bovet P. Association of socioeconomic status with overall and cause specific mortality in the Republic of Seychelles: results from a cohort study in the African region. PLoS One. 2014; 9(7):e102858.

Hosseinpoor AR, Bergen N, Mendis S, Harper S, Verdes E, Kunst A, et al. Socioeconomic inequality in the prevalence of non-communicable diseases in low-and middle-income countries: results from the World Health Survey. BMC Public Health. 2012; 12:474.

Carlsson AC, Wändell PE, Gigante B, Leander K, Hellenius ML, Faire U. Seven modifiable lifestyle factors predict reduced risk for ischemic cardiovascular disease and all-cause mortality regard less of body mass index: a cohort study. Int J Cardiol. 2013; 168(2):946-52.

Lima RS. Os desafios da responsabilidade social empresarial na relação com o empowerment comunitário: um estudo de caso da favela do Jardim Colombo, na cidade de São Paulo. [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP; 2008.

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Morais OL, Neto, Temporão JG, et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) - 2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(9):3697-705.

Zanchetta LM, Barros MBA, César CLG, Carandina L, Goldbaum M, Alves MCGP. Inatividade física e fatores associados em adultos, São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2010; 13(3):387-99.

González-Gross M, Meléndez A. Sedentarism, active lifestyle and sport: impact on health and obesity prevention. Nutr Hosp. 2013; 28(Supl. 5):89-98.

Bernstein MS, Morabia A, Sloutskis D. Definition and prevalence of sedentarism in an urban population. Am J Public Health. 1999; 89(6):862-7.

Azevedo MR, Horta BL, Gigante DP, Victora CG, Barros FC. Fatores associados ao sedentarismo no lazer de adultos na coorte de nascimentos de 1982, Pelotas, RS. Rev Saúde Pública. 2008; 42(Supl. 2):70-7.

Monteiro CA, Conde WL, Matsudo SM, Matsudo VR, Bonsenor IM, Lotufo PA. A descriptive epidemiology of leisure-time physical activity in Brazil, 1996-1997. Rev Panam Salud Publica. 2003; 14(4):246-54.

World Health Organization. Gender, health and aging [Internet]. [Geneva, Suíça]: World Health Organization; 2003 [citado em 3 maio 2017]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/68893/1/a85586.pdf

Grao-Cruces A, Nuviala A, Fernández-Martínez A, Matínez-López EJ. Relationship of physical activity and sedentarism with tobacco and alcohol consumption, and Mediterranean diet in Spanish teenagers. Nutr Hosp. 2015; 31(4):1693-700.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.2894

Apontamentos

  • Não há apontamentos.