Tabagismo e estilo de vida em área de vulnerabilidade social

Natália Cristina de Oliveira, Leslie Andrews Portes, Cristina Zukowsky-Tavares, Leonardo Tavares Martins, Jorge Bonito

Resumo


O objetivo deste estudo foi investigar a prevalência de tabagismo e sua relação com o estilo de vida da população residente na Comunidade Jardim Colombo, cidade de São Paulo. Utilizou-se um desenho transversal e um questionário fechado foi aplicado nos domicílios. Foram visitadas 2.416 residências, e o estudo contou com uma amostra de 5.155 participantes. A prevalência de tabagismo (19,5%, IC95%: 18,1;20,9) foi superior à prevalência nacional (15%) e esteve associada à idade, ao sexo masculino, à falta de escolarização, e a hábitos não saudáveis de estilo de vida como: consumo de álcool, baixo consumo de frutas, verduras e legumes, e ausência de religião. A prevalência de tabagismo foi alta e os resultados requerem intervenções que tenham como foco a cessação do tabagismo e a promoção de um estilo de vida saudável.

Palavras-chave


Vulnerabilidade social; Saúde; Tabagismo; Estilo de vida

Referências


Lima RS. Os desafios da responsabilidade social empresarial na relação com o empowerment comunitário: um estudo de caso da Favela do Jardim Colombo, na cidade de São Paulo. [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP; 2008.

Gohn MG. Morumbi: o contraditório bairro-região de São Paulo. Cad CRH. 2010; 23(59):267-81.

Torres HG, Marques E, Ferreira MP, Bitar S. Pobreza e espaço: padrões de segregação em São Paulo. Estud Av. 2003; 17(47):97-128.

Saraiva C, Marques E. A dinâmica social das favelas da região metropolitana de São Paulo. Pensam Real. 2007; 10(21):12-41.

Torres HG, Bichir RM, Carpim TP. Uma pobreza diferente? Mudanças no padrão de consumo da população de baixa renda. Novos Estud CEBRAP. 2006; 74:17-22.

World Health Organization. Global status report on non-communicable diseases, 2010. Geneva: World Health Organization; 2011.

Schmidt MI, Duncan BB, Azevedo e Silva G, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011; 377(9781):1949-61.

Malta DC, Iser BPM, Sá NNB, Yokota RTC, Moura L, Claro RM, et al. Tendências temporais no consumo de tabaco nas capitais brasileiras, segundo dados do Vigitel, 2006 a 2011. Cad Saúde Pública 2013; 29(4):812-22.

Liu Y, Pleasants RA, Croft JB, Wheaton AG, Heidari K, Malarcher AM, et al. Smoking duration, respiratory symptoms, and COPD in adults aged ≥45 years with a smoking history. Int J Chron Obstruct Pulmon Dis. 2015; 21(10):1409-16.

An R. Health care expenses in relation to obesity and smoking among U.S. adults by gender, race/ethnicity, and age group: 1998-2011. Public Health. 2015; 129(1):29-36.

Doolan DM, Froelicher ES. Smoking cessation interventions and older adults. Prog Cardiovasc Nurs. 2008; 23(3):119-127.

Tabuchi T, Kondo N. Educational inequalities in smoking among Japanese adults aged 25-94 years: nationally representative sex- and age-specific statistics. J Epidemiol. 2017; 27(4):186-92.

Sorensen K, Van Den Broucke S, Fullam J, Doyle G, Pelikan J, Slonska Z, et al. Health literacy and public health: a systematic review and integration of definitions and models. BMC Public Health. 2012; 12(80):1-13.

Chiolero A, Wietlisbach V, Ruffieux C, Paccaud F, Cornuz J. Clustering of risk behaviors with cigarette consumption: a population-based survey. Prev Med. 2006; 42(5):348-53.

Martinez EZ, Giglio FM, Terada NA, Silva AS, Zucoloto ML. Smoking prevalence among users of primary healthcare units in Brazil: the role of religiosity. J Relig Health 2017; [Epub ahead of print].

Lohse T, Rohrmann S, Bopp M, Faeh D. Heavy smoking is more associated with general unhealthy lifestyle than obesity and underweight. PLoS One 2016; 11(2):e0148563.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.2908

Apontamentos

  • Não há apontamentos.