O Método Canguru como um veículo para o empoderamento materno

Tâniélyn Tuan Testoni, Luana Cláudia dos Passos Aires

Resumo


Estudo descritivo com abordagem qualitativa, com o objetivo de conhecer as percepções da mulher/mãe sobre a sua participação no Método Canguru, em uma maternidade pública no município de Joinville – SC. Foram entrevistadas nove mães que participaram de alguma das três etapas descritas pelo Método Canguru, no período de junho a novembro de 2017. Foi utilizada a Análise de Conteúdo Temática, sob a ótica do Referencial Teórico das Políticas Públicas de Saúde. Os resultados destacam o Método Canguru como uma tecnologia que concretiza a realização do sonho de ser mãe, a partir do empoderamento materno, permeando as principais fortalezas e fragilidades decorrentes do inesperado nascimento de um filho pré-termo. Considerando a importância do Método Canguru para o desempenho da maternidade, é necessário que a equipe de saúde acolha as mães como protagonistas no processo de internação de seu filho, minimizando efeitos negativos.



Palavras-chave


Método canguru; Recém-nascido; Relações mãe-filho; Enfermagem neonatal; Unidades de terapia intensiva neonatal

Referências


Howson C, Kinney M, Lawn J, editors. Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneve: WHO; 2012. 126 p.

Governo do Brasil (Brasil). Brasil está entre os dez países com o maior número de partos prematuros, aponta OMS [Internet]. Brasília, DF: 2012 [citado em: 27 jan 2018]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2012/05/brasil-esta-entre-os-dez-paises-com-o-maior-numero-de-partos-prematuros-aponta-oms

Ministério da Saúde (Brasil). DATASUS: Nascidos vivos: Brasil [Internet]. Brasília, DF; [201-][citado em: 20 jan 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método Canguru: manual técnico [Internet]. 2ed. Brasília, DF; 2013 [citado em: 10 jan 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_recem_nascido_canguru.pdf

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido: método Canguru: manual técnico [Internet]. 3ed. Brasília, DF; 2017 [citado em: 10 jan 2018]. Disponível http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_metodo_canguru_manual_3ed.pdf

Aires LCP, Santos EKA, Bruggemann OM, Backes MTS, Costa R. Referência e contra referência do bebê egresso da unidade neonatal no sistema de saúde: percepção de profissionais de saúde da Atenção Primária. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2017 [citado em: 6 jan 2018]; 21(2):1-7. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20170028

Aires LCP, Santos EKA, Costa R, Borck M, Custódio ZAO. Baby follow-up in primary care: interface with the third stage of the kangaroo method. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2015 [citado em: 10 jan 2018]; 36(Spec):224-32. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56805

Conde-Agudelo A, Díaz-Rossello JL. Kangaroo mother care to reduce morbidity and mortality in low birthweight infants. Cochrane Database Syst. Rev. [Internet]. 2016 [citado em: 10 jan 2018]; (8):CD002771. doi: http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD002771.pub4

Possati AB, Prates LA, Cremonese L, Scarton J, Alves CN, Ressel LB. Humanização do parto: significados e percepções de enfermeiras. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2017 [citado em: 6 jan 2018]; 21(4):1-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2016-0366

Antunes BS, Paula CC, Padoin SMM, Trojahn TC, Rodrigues AP, Tronco CS. Internação do recém-nascido na unidade neonatal: significado para a mãe. Rev Rene. [Internet]. 2014 [citado em: 11 jan 2018]; 15(5):796-803. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3249/2504. doi: 10.15253/2175-6783.2014000500009

Japiassú H, Marcondes D. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1999.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública [Internet]. 2008 [citado em: 11 jan 2018]; 24(1):17-27. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 299-360.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 13 jun 2013 [citado em: 18 jan 2018]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas que envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com participantes ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana. D.O.U., Brasília, DF, 24 maio 2016 [citado em: 18 jan 2018]. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Fleck A, Piccinini CA. O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade: do nascimento ao 3º mês após a alta. Aletheia [Internet]. 2013 [citado em: 8 jan 2018]; 40:14-30. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n40/n40a03.pdf

Almeida AD, Jesus ACP, Lima PFT, Araújo MFM, Araújo TM. Fatores de risco maternos para prematuridade em uma maternidade pública de Imperatriz-MA. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2012 [citado em: 11 jan 2018]; 33(2):86-94. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000200013

Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. Diferenciais nos fatores de risco para a mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras: um estudo de caso-controle com base no SIM e no SINASC. Cad Saúde Pública [Internet]. 2012 [citado em: 6 jan 2018]; 28(11): 2163-76. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001100016

Tuon RA, Ambrosano GMB, Silva SMCV, Pereira AC. Impacto do monitoramento telefônico de gestantes na prevalência da prematuridade e análise dos fatores de risco associados em Piracicaba, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2016 [citado em: 11 jan 2018]; 32(7):1-16. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00107014

Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco [Internet]. Brasília, DF; 2012 [citado em: 10 jan 2018]. (Cadernos de Atenção Básica; n. 32). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Gallegos-Martínez J, Reyes-Hernandez J, Scochi CGS. O neonato prematuro hospitalizado: significado da participação na unidade neonatal para os pais. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2013 [citado em: 11 jan 2018]; 21(6):1360-66. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.2970.2375

Custódio ZAO, Crepaldi MA, Linhares MB. Redes sociais de apoio no contexto da prematuridade: perspectiva do modelo bioecológico do desenvolvimento humano. Estud Psicol. [Internet]. 2014 [citado em: 8 fev 2018]; 31(2):247-55. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2014000200010

Riccioppo MRPL, Almohalha L. A percepção materna sobre os sinais neurocomportamentais de bebês pré-termo internados na enfermaria pediátrica. REFACS [Internet]. 2018 [citado em: 10 fev 2018]; 6(1):35-44. doi: http://dx.doi.org/ 10.18554/refacs.v6i1.1853

Gomes GC, Erdmann AL, Oliveira PK, Xavier DM, Santos SSC, Farias DHR. A família durante a internação hospitalar da criança: contribuições para a enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2014 [citado em: 6 jan 2018]; 18(2):234-40. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140034

Nunes NP, Pessoa UML, Mont’Alverne DGB, Sá FE, Carvalho EM. Método canguru: percepção materna acerca da vivência na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Promoç Saúde [Internet]. 2015 [citado em: 10 fev 2018]; 28(3):387-93. doi: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2015.p387

Carmo RF, Corrêa VAC. Com a palavra as mães: uma compreensão da forma e do significado da ocupação de cuidar de recém nascidos pré-termos no método canguru. REFACS [Internet]. 2018 [citado em: 10 fev 2018]; 6(1):15-25. doi: http://dx.doi.org/ 10.18554/refacs.v6i1.2140




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.2957

Apontamentos

  • Não há apontamentos.