Avaliação das ações do programa Hiperdia para pacientes hipertensos

Anderson de Oliveira Vieira, Fabiana Bernadelli de Andrade, Gabriel Antônio Nogueira Nascentes, Dalmo Correia, Marlene Cabrine dos Santos

Resumo


Este é um estudo quantitativo, descritivo e exploratório com o objetivo de avaliar a influência das ações do HIPERDIA na qualidade de vida dos pacientes hipertensos de uma cidade do Triângulo Mineiro, realizado entre 2013 e 2016. Utilizou-se questionário sociodemográfico e de saúde, coletas de sangue, bem como intervenção educativa. Quatrocentos e cinco hipertensos (18,4% do total dos cadastrados na cidade) participaram do estudo. Diabetes foi significativamente maior nos pacientes hipertensos (41,98%) do que nos normotensos, assim como problemas visuais (58,77%) e cardíacos (26,17%). Em 61,14% dos casos, apesar da medicação, a pressão arterial não estava controlada. Outros fatores de risco relevantes foram: sedentarismo (63,46%), sobrepeso e obesidade (80,72%), e medida da circunferência abdominal (88,3%). Conclui-se que os usuários do HIPERDIA apresentam fatores de risco para complicações isquêmicas que poderiam ser reduzidos com melhor adesão às práticas incentivadas pelo Programa.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde; Centros de saúde; Fatores de risco; Hipertensão

Referências


Ministério da Saúde (Br). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Vigilância em saúde: zoonoses. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Nogueira D, Faerstein E, Coeli CM, Chor D, Lopes CDS, Werneck GL. Reconhecimento, tratamento e controle da hipertensão arterial: estudo pró-saúde, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2010; 27(2):103-9.

Daniel ACQG, Veiga EV. Fatores que interferem na adesão terapêutica medicamentosa em hipertensos. Einstein. 2013; 11(3):331-7.

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107(3 Supl 3):1-83.

Passos VMDA, Assis TD, Barreto SM. Hipertensão arterial no Brasil: estimativa de prevalência a partir de estudos de base populacional. Epidemiol Serv Saúde. 2006; 15(1):35-45.

Lopes JM, Sanchis GJB, Medeiros JLAD, Dantas FG. Hospitalização por acidente vascular encefálico isquêmico no Brasil: estudo ecológico sobre possível impacto do HIPERDIA. Rev Bras Epidemiol. 2016; 19(1):122-34.

Prefeitura Municipal (Uberaba, MG), Secretaria de Saúde. Hiperdia Uberaba/MG [Internet]. 2017 [citado em: 3 maio 2017]. Disponível em: http: uberaba.mg.gov.br/portal

Kebian LVA, Acioli S. A visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletrônica Enferm. [Internet]. 2014 [citado em: 3 maio 2017]; 16(1):161-9. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v16/n1/pdf/v16n1a19.pdf DOI: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i1.20260

Souza CS, Stein AT, Bastos GAN, Pellanda LC. Controle da pressão arterial em hipertensos do Programa HIPERDIA: estudo de base territorial. Arq Bras Cardiol. 2014; 102(6):571-8.

Cunha RM, Souza CODS, Silva JFD, Silva MAD. Nível de atividade física e índices antropométricos de hipertensos e/ou diabéticos de uma cidade do Brasil. Rev Salud Publica. 2012:429-37.

Santos JC, Moreira TMM. Fatores de risco e complicações em hipertensos/diabéticos de uma regional sanitária do nordeste brasileiro. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(5):1125-32.

Cabral NAL, Ribeiro VS, França AKTC, Salgado JVL, Santos AM, Salgado Filho N, et al. Cintura hipertrigliceridêmica e risco cardiometabólico em mulheres hipertensas. Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(5):568-73.

Moreira HG, Sette JBC, Keiralla LCB, Alves SG, Pimenta E, Sousa M, et al. Diabetes mellitus, hipertensão arterial e doença renal crônica: estratégias terapêuticas e suas limitações. Rev Bras Hipertens. 2008; 15(2):111-6.

Montenegro-Neto AN, Silva-Simões MO, Medeiros ACD, Portela AS, Queiroz MSR, Cunha-Montenegro R, et al. The correlation between anthopometric measurements and biochemical cardiovascular risk markers in the hypertensive elderly. Rev Salud Publica. 2011; 13(3):421-32.

Fisher MM. The effect of resistance exercise on recovery blood pressure in normotensive and borderline hypertensive women. J Strength Cond Res. 2001; 15(2):210-6.

Vicent KR, Braith RW. Resistance and bone turnover in elderly men and women. Med Sci Sports Exerc. 2002; 34(1):17-23.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i3.3083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.