Análise da alteração postural na coluna lombar das gestantes

Max dos Santos Afonso, Caroline Henriques Graciano, Karine Fernandes Ávila, Marla dos Santos Afonso, Abelardo Soares de Oliveira Júnior, Fernanda Burlani Neves

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo analisar a alteração postural na coluna lombar de gestantes por meio da biofotogrametria nos três trimestres gestacionais e verificar a frequência de lombalgia. Trata-se de um estudo quantitativo composto por 21 gestantes, realizado entre setembro a novembro de 2012, através dos questionários sobre o perfil da população, nórdico de sintomas osteomusculares e o internacional de atividade física. Foi feita palpação e localização dos pontos anatômicos para colocação de marcadores, após as gestantes foram submetidas ao registro fotográfico e os ângulos analisados através do Software de Avaliação Postural. Foi encontrado alto índice de dor na região lombar das gestantes, em um total de 72%, sendo que todas apresentaram aumento na lordose lombar. Foram verificadas alterações posturais significativas entre os três trimestres gestacionais e a presença de algia lombar foi referida pela maioria das gestantes.


Palavras-chave


Gestantes; Dor lombar; Exercício; Fotogrametria

Referências


Almeida LGD, Constâncio JF, Santos CVS, Silva TH, Raposo MT. Análise comparativa das PE e PI máximas entre mulheres grávidas e não grávidas e entre grávidas de diferentes períodos gestacionais. Rev Saúde. 2005; 1(1):9-17.

Giacopini SM, Oliveira DV, Araújo APS. Benefícios e recomendações da prática de exercícios físicos na gestação. Rev Biosalus. 2016; 1(1):1-19.

Florindo JVC, Lima RDS. Tratamento fisioterapêutico em lombalgia gestacional: relato de caso. [Monografia]. Pindamonhangaba, SP: Faculdade de Pinhamonhangaba/FAPI; 2014. 37p.

Andrade MF. Existe correlação entre o ângulo de báscula pélvica, a força e a função dos músculos do assoalho pélvico?. [Dissertação]. Alfenas, MG: Universidade Federal de Alfenas/UFA; 2017. 69p.

Hobo TMW, Azevedo M. Lombalgia gestacional: prevalência, características e a interferência nas principais atividades da vida diária. Universitas: Ciênc Saúde. 2015; 13(2):71-8.

Moccellin AS, Driusso P. Avaliação do Controle Postural Dinâmico Durante a Gestação. Rev Bras Biomec. 2013; 14(27): 1.

Mann L, Kleinpaul JF, Teixeira CS, Konopka CK. Dor lombo-pélvica e exercício físico durante a gestação. Fisioter Mov. 2017; 21(2): 99-105.

Paula LF, Silva RGC. Correlação entre fatores associados à lombalgia, incapacidade lombar e as alterações nas curvaturas torácica e lombar no período gestacional. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Matinhos, PR: Universidade Federal do Paraná/UFP; 2015.

Magazoni VS. Estudo correlacional entre a expansibilidade da caixa torácica e a capacidade vital pulmonar nos indivíduos portadores e não portadores de espondilite anquilosante. [Dissertação]. Uberlândia, MG: Centro Universitário do Triângulo/ UNIT; 2000.

Ricieri DV. Quantificação angular do movimento tóraco-abdominal, durante a ventilação tranqüila, através da Fotogrametria Computadorizada. [Dissertação]. Uberlândia, MG: Centro Universitário do Triângulo/ UNIT; 2000.

Baraúna MA, Morais EG, Oliveira ATM, Domingos LG, Sanchez HM, Silva RÂV, et al. Estudo correlacional e comparativo entre ângulo axilar e assimetria de ombro através de um protocolo biofotogramétrico. Fisioter Mov. 2017; 19(1):17-24.

Branco JC, Guido F, Jansen K, Giusti PH. Prevalência de sintomas osteomusculares em professores de escolas públicas e privadas do ensino fundamental. Fisioter Mov. 2017; 25(1):45-51.

Pinheiro FA, Tróccoli T, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002; 36(3):307-12.

Craig CL, Marshall AL, Sjostrom M, Bauman AE, Booth ML, Ainsworth B, et al, International physical activity questionnaire: 12-country reliability and vality. Med Sci Sports Exerc. 2003; 35(8):1381-95.

Torquato E, Gerage A, Meurer S, Borges R, Silva M, Benedetti T. Comparação do nível de atividade física medido por acelerômetro e questionário IPAQ em idosos. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016; 21(2):144-53.

Camargo MZ. Alinhamento postural da coluna no plano sagital de crianças eutróficas e acima do peso em fase pré-escolar e escolar: estudo longitudinal. [Tese]. Londrina, PR: Universidade Estadual de Londrina/UEL; 2018. 79p.

Ferreira EA, Duarte M, Maldonado EP, Burke TN, Marques AP. Postural assessment software (PAS/SAPO): validation and reliabiliy. Clinics. 2010; 65(7):675-81.

Barbosa EM, Oliveira ASS, Galiza DDF, Barros VL, Aguiar VF, Marques MB. Perfil sociodemográfico e obstétrico de parturientes de um hospital público. Rev RENE. 2017; 18(2):227-33.

Ferreira CHJ, Nakano AMS. Reflexões sobre as bases conceituais que fundamentam a construção do conhecimento acerca da lombalgia na gestação. Rev Latinoam Enferm. 2001; 9(3):95-100.

Souza MS, Araújo CC, Castellen M, Sperandio FF. Afinal, toda gestante terá dor lombar? Femina. 2003; 31(3):273-7.

Santos MM, Gallo AP. Lombalgia gestacional: prevalência e características de um programa pré-natal. Arq Bras Ciênc Saúde. 2010; 1(3):4-6.

Toracio MAPC, Korelo RIG. Influência da articulação sacroilíaca na lombalgia gestacional e/ou dor pélvica posterior. Rev Fisioter Evid. 2010; 1(2):5-11.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v7i2.3096

Apontamentos

  • Não há apontamentos.