Qualidade de vida no trabalho: um relato sobre manicures

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.3123

Palavras-chave:

Trabalho, Qualidade de vida, Terapia ocupacional, Centros de embelezamento e estética

Resumo

Sendo o trabalho umas das áreas de ocupação, o terapeuta ocupacional contribui para a prevenção e promoção da saúde no contexto laboral. Esta pesquisa tem por objetivo identificar a qualidade de vida de profissionais do serviço de manicure e pedicure. Utilizou-se metodologia com abordagem quantitativa, exploratória, descritiva e de caráter transversal. A coleta de dados aconteceu no segundo semestre de 2012, sendo utilizada uma anamnese e questionário denominado de WHOQOL-Bref, contando com a participação de 31 pessoas de um salão de beleza em Curitiba/PR. Os resultados apontam baixo escore para o domínio Relações Sociais (Autoestima e Relações Pessoais), e uma pontuação alta para o domínio Físico (Energia e Capacidade de Trabalho). Conclui-se que para uma qualidade de vida satisfatória almeja-se um equilíbrio entre as diversas áreas de ocupação humana, visando saúde e bem-estar.

Biografia do Autor

Iranise Moro Pereira Jorge, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Terapeuta ocupacional. Mestre e Doutora em Engenharia de Produção. Docente do Departamento de Terapia Ocupacional Universidade Federal do Paraná (UFPR). Membro do Laboratório de Reabilitação, Acessibilidade e Trabalho, Curitiba, PR, Brasil.

Kelly Hellmann Dario

Terapeuta ocupacional. Curitiba, PR, Brasil.

Amanda Nascimento Oliveira Belletti, UFPR

Graduanda do Curso de Terapia Ocupacional da UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Referências

Lancman S. Construção de novas teorias e práticas em terapia ocupacional, saúde e trabalho. In: Lancman S. Saúde, trabalho e terapia ocupacional. São Paulo: Roca; 2004. p. 71-83.

Gherardi S. Practice? It’s a matter of taste! Manage Learn. 2009; 40(5):535-50.

Oliveira JA. Fazendo a vida fazendo unhas: uma análise sociológica do trabalho de manicure. [Tese]. São Paulo:Universidade de São Paulo; 2014. 285p.

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos. Anuário 2012. 3.ed. São Paulo: Public Projetos Editoriais; 2012. 149p.

Gallon S, Bitencourt BM, Viana DD, Antonello CS. Formas de aprendizagem e saberes no trabalho de manicures. RPCA. 2016; 10(1):96-112. DOI: http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v10i1.655

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Curso livre de técnicas de manicure e pedicure. São Paulo: SENAC-SP; 2013. 45p.

Presidência da República (Brasil). Lei nº 13.352, de 27 de outubro de 2016. Altera a Lei no 12.592, de 18 de janeiro 2012, para dispor sobre o contrato de parceria entre os profissionais que exercem as atividades de Cabeleireiro, Barbeiro, Esteticista, Manicure, Pedicure, Depilador e Maquiador e pessoas jurídicas registradas como salão de beleza [Internet]. D.O.U., Brasília, DF, 28 dez 2016 [citado em: 10 jun 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13352.htm

Castro RX. Manicure e Pedicure. 1º ed. Instituto Federal do Norte de Minas. Montes Claros. 2015. [citado em: 10 jun 2016]; 1(1):1-11. Disponível em:http://ead.ifnmg.edu.br/uploads/documentos/1SYHHIZPWb.pdf

Bittencourt JÁ, Campos LCN, Chaves FAV, Paulista JES, Matsumoto AS. Qualidade de vida no trabalho nos salões de beleza da cidade Satélite do Riacho Fundo. In: XI Simpósio de Excelência de Gestão e Tecnologia [Internet]; out 2014 [citado em: 10 jun 2016]; Resende, RJ. Resende, RJ: Associação Educacional Dom Bosco; 2014. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/45420530.pdf

Fonseca ES, Freitas NC, Fonseca IAS, Cupertino LL, Silva EP, Mafra SCT, et al. Análise Ergonômica do Trabalho em um salão de beleza no município de Viçosa – MG. In: VI Workshop de Análise Ergonômica do Trabalho; III Encontro Mineiro de Estudos em ergonomia; VIII Simpósio do Programa Tutorial em Economia Doméstica [Internet]; jul-2013; Viçosa, MG. Viçosa, MG: UFV; 2013 [citado em: 10 jun 2016]. Disponível em: http://www.ded.ufv.br/workshop/docs/anais/2013/Estela%20da% 20Silva%20Fonseca%20%20%20%20%20%20%20Tem%C3%A1tica%20Ergonomia.pdf

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Viera G, Santos L. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-Bref”. Rev Saúde Pública. 2000; 34(2):178-83.

Chiavenato I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. 569p.

Limongi-França AC, Arellano EB. As pessoas na organização. São Paulo: Gente; 2002. p. 295-312.

Limongi França AC. Indicadores empresariais de qualidade de vida no trabalho: esforço empresarial e satisfação dos empregados no ambiente de manufaturas com certificação ISSO 9000. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1996. 352p.

Queiroz MFF, Maciel RH. Condições de trabalho e automação: o caso do soprador da indústria vidreira. Rev Saúde Pública [Internet]. 2001 [citado em: 10 jun 2016]; 35(1):1-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4129.pdf

Watanabe M, Nicolau SMA. Terapia ocupacional na interface da saúde e do trabalho. In: De Carlo MMRP, Bartalotti CC. Terapia ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus; 2001. p.155-171.

Hagedorn R. Ferramentas para a prática em terapia ocupacional, uma abordagem estruturada aos conhecimentos e processos centrais. São Paulo: Roca; 2007.

Emmel MLG, Matsukura TS, Martinez CMS, Castro CB. Qualidade de vida e promoção em saúde junto a trabalhadores: uma proposição de diagnóstico e intervenção em terapia ocupacional. Cad Ter Ocup UFSCar. 2002: 10(1):30-41.

Godoy AS, Forte D. Competências adquiridas durante os anos de graduação: um estudo de caso a partir das opiniões de alunos formandos de um curso de administração de empresas. Gestão & Regionalidade. 2007; 23(68):56-69.

Pedroso B, Pilatti L, Reis DR. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-100 utilizando o Microsoft Excel. Rev Bras Qual Vida. 2009; 1(1):23-32.

Cohen RL. When it pays to be friendly: employment relationships and emotional labour in hairstyling. Sociol Rev. 2010; 58(2):197-218.

Brito PM, Costa CKL, Medeiros Neto CF, Guedes DT, Másculo FS, Cardia MCG, et al. Análise da relação entre a postura de trabalho e a incidência de dores na coluna vertebral. In: XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção; 2003; Ouro Preto, Brasil. Rio de Janeiro: ABEPRO; 2003. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2003_TR0406_1582.pdf

Vieira M, Silveira C. Condições de trabalho e vida de manicures de um município de Minas Gerais, Brasil. Rev Port Saúde Ocup. [Internet]. 2016 [citado em: 10 jun 2016]; 1(1):1-11. Disponível em: http://www.rpso.pt/condicoes-de-trabalho-e-vida-de-manicures-de-um-municipio-de-minas-gerais-brasil/

Kinote APBM, Garcia AEA, Vidal LMD, Melo LTM, Vasconcelos RS, Abdon APV. Ocorrência de dor na coluna vertebral e sua relação com a qualidade de vida de manicures e pedicures. Rev Bras Promoç Saúde. 2013; 26(3):318-24

Publicado

2018-08-13

Edição

Seção

Artigos originais