Perfil alimentar e estado nutricional de idosos em instituições de longa permanência no Brasil

Autores

  • Eduardo Gauze Alexandrino Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR
  • Danilo Francisco da Silva Marçal Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR
  • Mateus Dias Antunes Universidade de São Paulo - USP
  • Daniel Vicentini de Oliveira Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
  • Sonia Maria Marques Gomes Bertolini Centro Universitário de Maringá - UniCesumar
  • Rose Mari Bennemann Centro Universitário de Maringá - UniCesumar

DOI:

https://doi.org/10.18554/refacs.v8i3.3274

Palavras-chave:

Alimentação, Idoso, Instituição de Longa Permanência para Idosos.

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar o perfil alimentar e estado nutricional de idosos de instituições de longa permanência no Brasil. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura com a coleta de dados realizada nos bancos de dados: SCIELO, LILACS e Google Acadêmico considerando o período entre 2012-2015 e realizados no primeiro semestre de 2016. Foram selecionados 25 estudos, organizados a partir de duas categorias: Evidências do perfil alimentar de idosos institucionalizados no Brasil e, Processo de alimentação e estado nutricional de idosos institucionalizados. O percentual de idosos desnutridos em instituições de longa permanência no Brasil é maior do que os que vivem na comunidade, e idosos institucionalizados consomem sódio e proteína acima do recomendado, e cálcio abaixo das recomendações. As instituições privadas tendem a ter mais recursos para organização alimentar. Idosos desnutridos apresentam maiores déficits funcionais e cognitivos. Verificou-se um quadro de fragilidade do idoso institucionalizado, reafirmando a necessidade de políticas públicas. Os idosos institucionalizados apresentam risco maior de desnutrição.

Biografia do Autor

Eduardo Gauze Alexandrino, Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR

Mestre em Promoção da Saúde pelo Programa de Pós-graduação UNICESUMAR (Bolsista PROSUP/CAPES). Especialista em Educação Especial, pela UNIVALE (2015). Especialista em Personal Trainer pela Universidade Estadual do Paraná (2013). Graduação em Educação Física pela Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR (2011). Fez parte da coordenação do Projeto de Atendimento à Comunidade: Iniciação e Rendimento em Atletismo da UNESPAR. Integrante do Grupo de Pesquisa PAFIDH-Programa de Aptidão Física, Saúde e Desempenho Humano da Universidade Estadual do Paraná. Foi atleta da modalidade Atletismo com resultados em nível nacional e internacional. Foi integrante da Comissão de Desportos do Exército Brasileiro CDE-Brasil (2010-2014) e da Polícia Militar do Paraná (2013-2015). Atua como árbitro da Confederação Brasileira de Atletismo. Foi docente do curso de Educação Física na Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), da Faculdade Intermunicipal do Noroeste do Paraná (FACINOR), da Faculdade de Tecnologia e Ciência do Norte do Paraná (FATECIE) e professor de Educação Física na Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Estado do Paraná. Atualmente é aluno do curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, no Rio Grande do Sul. 

Danilo Francisco da Silva Marçal, Centro Universitário de Maringá - UNICESUMAR

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Promoção da Saúde (PPGPS), do Centro Universtitário de Maringá (UNICESUMAR-2017), vinculado à linha de pesquisa em Promoção da Saúde no Envelhecimento. Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR-2010) e Bacharelado em Educação Física pela Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco (2017). Possui Especialização em Personal Trainer (UNESPAR-2011), Fisiologia do Exercício (FATECIE-2013) e Neuropedagogia (UNIVALE-2014). Atuou na Secretaria de Educação dos Municípios de Loanda (2011-2012) e Maringá (2012-2015) como professor de Educação Física da educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental. Atualmente é Docente efetivo do Quadro Próprio de Magistério (QPM) da Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED-PR) e Docente dos Departamentos de Educação Física da Faculdade Intermunicipal do Noroeste do Paraná (FACINOR-PR) e Faculdade Iporã (FIP-PR).

Mateus Dias Antunes, Universidade de São Paulo - USP

Doutorando em Ciências da Reabilitação pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP - 2019-atual). Mestre em Promoção da Saúde (UNICESUMAR - 2017) (Bolsista CAPES). Pós-Graduado em Exercício Físico e Reabilitação do Idoso (UNIFAMMA - 2017). Graduado em Fisioterapia (UNICESUMAR - 2015). Atua como revisor de periódicos científicos nacionais e internacionais. Pesquisador do Grupo "Fisioterapia Clínica: estudo da função e disfunção" (USP) (2018-atual) e do Grupo "Atividade Física e Envelhecimento" (UNICESUMAR) (2012-atual). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Promoção da Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação em Saúde, Idoso, Doenças Reumáticas, Espaços e Práticas que Promovem a Saúde de Indivíduos, Grupos e Famílias.

Daniel Vicentini de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Possui graduação em Educação Física (2008) e Fisioterapia (2011) pelo Centro Universitário de Maringá (UNICESUMAR). Título de especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG - 2017). Especialização em Anatomia Funcional (2010 - UNICESUMAR), em Gerontologia pela Universidade Estadual Norte do Paraná (UENP - 2012), em Saúde Pública pela Universidade Cândido Mendes (UCAM - 2017) e em Psicogerontologia pela Faculdade Unyleya (2018). Mestrado em Promoção da Saúde na linha de pesquisa Envelhecimento ativo (2014 - UNICESUMAR). Doutorado em Gerontologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente (T-40) no Centro Universitário Metropolitano de Maringá (UNIFAMMA) no Departamento de Educação física (bacharelado), Fisioterapia, Odontologia e Psicologia. Tutor e coordenador de cursos de especialização a distância da Faculdade Unyleya. Membro do Grupo de pesquisa Atividade física e envelhecimento (UNICESUMAR/CNPq), do Grupo de estudos e pesquisa sobre o envelhecimento humano e atividade física (GEPEHAF), da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e do Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e do Exercício (GEPEEX/CNPq) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Possui experiência na área de Gerontologia, Ciências morfológicas, Educação física e Fisioterapia, com ênfase em morfologia do aparelho locomotor, Educação física e fisioterapia em gerontologia, Promoção da saúde no envelhecimento, Epidemiologia e saúde coletiva, Funcionalidade no envelhecimento. Membro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), da Sociedade Brasileira de Anatomia (SBA), Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e da Associação Brasileira de Fisioterapia em Gerontologia (ABRAFIGE)

Sonia Maria Marques Gomes Bertolini, Centro Universitário de Maringá - UniCesumar

Possui graduação em Fisioterapia pela Faculdade de Educação Física de Lins (1983), mestrado (1993) e doutorado (1997) em Ciências Morfofuncionais pela Universidade de São Paulo - USP. Atualmente é professora titular do Centro Universitário de Maringá e professora associada da Universidade Estadual de Maringá. Coordena o Mestrado em Promoção da Saúde da UNICESUMAR, é pesquisadora do Instituto Cesumar de Ciência, Tecnologia e Inovação ? ICETI, avaliadora do Sinaes - Basis do Ministério da Educação, líder do grupo de pesquisa Atividade Física e Envelhecimento, coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UNICESUMAR e Editora-chefe da Revista Saúde e Pesquisa. Tem experiência na área de Morfologia Humana e Saúde Coletiva, com ênfase em promoção da saúde, atuando principalmente com os seguintes temas: idoso, promoção da saúde, atividade física e envelhecimento. 

Rose Mari Bennemann, Centro Universitário de Maringá - UniCesumar

Graduada em Nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos -UNISINOS (1981), mestre (2002) e doutora (2009) em Saúde Pública, área de concentração Nutrição, pela Faculdade de Saúde Pública (FSP), Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é docente permanente do Centro Universitário de Maringá (UniCESUMAR) no Programa de Pós-Graduação Stricto Senso em Promoção da Saúde (PPGPS), na área interdisciplinar, em nível de Mestrado e no curso de graduação de Nutrição. Tem experiência na área de Nutrição, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação nutricional (escolares, adultos e idosos), cognitiva (idosos) e doenças não transmissíveis.

Referências

Medeiros P, Lima RA, Sardinha AHL, Diniz DC, Aragão MAM. Aspectos nutricionais de idosos atendidos em um centro de saúde. Rev Pesqui Saúde [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 15(3):351-5. Disponível em: www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/3658

Rodrigues SC, Abouriham CLS, Yamane R. Qualidade de vida e o estado nutricional em homens idosos institucionalizados. Cad Esc Saúde [Internet]. 2010 [citado em 19 set 2018]; 1(3):1-14. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2291

Oliveira BS, Delgado SE, Brescovici SM. Alterações das funções de mastigação e deglutição no processo de alimentação de idosos institucionalizados. Rev Bras Geriatr Gerontol. [Internet]. 2014 [citado em 19 set 2018]; 17(3):575-87. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13065

Sousa MO, Marques MP, Vasconcelos SM. Análise de cardápios oferecidos a idosos residentes em instituição de longa permanência. Rev Interdisciplin. [Internet]. 2014 [citado em 19 set 2018]; 7(1):1-7. Disponível em: http://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/32

Camargos MCS, Nascimento GWC, Nascimento, DIC, Machado CJ. Aspectos relacionados à alimentação em Instituições de Longa Permanência para Idosos em Minas Gerais. Cad Saúde Colet. [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 23(1):36-43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v23n1/1414-462X-cadsc-23-01-00038.pdf

Dobner T, Blasi TC, Kirsten VR. Perfil nutricional de idosos residentes em instituição geriátrica no interior do RS. Rev Bras Ciênc Envelhec Hum. [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 9(1):109-18. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rbceh/article/viewFile/1730/pdf

Souza IP, Ataíde KP, Moraes VDD, Freire GE, Cerqueira GS, Santos AAQA, et al. Avaliação do perfil antropométrico e a presença de sarcopenia em um grupo de idosas da cidade de Fortaleza-CE. Rev Saúde Ciênc Online [Internet]. 2018 [citado em 28 nov 2018]; 7(1):15-25. Disponível em: http://www.ufcg.edu.br/revistasaudeeciencia/index.php/RSC-UFCG/article/view/444/324

Gonçalves ATD, Oliveira ARF, Pereira AJA, Delindro JV, Fernandes AJG, Souza JA. Consumo e excreção de cálcio em idosos institucionalizados do conselho de Bragança. Egitania Sci. [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 16(4):40-53. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/12064/3/artigo%20egitania_sciencia_16.pdf

Andrade AD. Percepção do estado de saúde oral em idosos institucionalizados: influência no seu estado nutricional [dissertação]. Viseu, Portugal: Universidade Católica Portuguesa; 2013.

Silva AKQ, Gusmão SC, Castro KR, Moreira RAN, Morais AHA. Perfil nutricional de idosos assistidos em instituição de longa permanência na cidade de Natal, RN. Geriatr, Gerontol Aging [Internet]. 2010 [citado em 19 set 2018]; 4(1):27-35. Disponível em: http://ggaging.com/details/295/pt-BR

Freitas AF, Prado MA, Cação JC, Beretta D, Albertini S. Sarcopenia e estado nutricional de idosos: uma revisão da literatura. Arq Ciênc Saúde [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018];22(1):9-13. DOI: http://dx.doi.org/10.17696/2318-3691.22.1.2015.19

Henriques AR, Serra M. Avaliação nutricional e qualidade de vida em idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Res Netw Health [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 1(1):1-15. Disponível em: https://iconline.ipleiria.pt/bitstream/10400.8/4420/1/51-Texto%20Artigo-325-1-10-20151118.pdf

Rosa M, Cantarelli L, Colpo E. Consumo de alimentos com propriedades antioxidantes por idosos institucionalizados. Sci Med. [Internet]. 2014 [citado em 19 set 2018]; 24(2):116-22. DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-6108.2014.2.16206

Sousa KT, Mesquita LAS, Pereira LA, Azeredo CM. Baixo peso e dependência funcional em idosos institucionalizados de Uberlândia (MG), Brasil. Rev Ciênc Saúde Colet. [Internet]. 2014 [citado em 19 set 2018]; 19(8):3513-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.21472013

Roma MFB, Busse AL, Betoni RA, Melo AC, Kong J, Santarem JM, et al. Efeitos das atividades físicas resistida e aeróbia em idosos em relação à aptidão física e à funcionalidade: ensaio clínico prospectivo. Einstein [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 11(2):153-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-45082013000200003

Pfrimer K, Messias MM, Ferriolli E, Salles MSV, Roma Junior LC, Saran Netto A, et al. Avaliação e acompanhamento nutricional em idosos de uma instituição de longa permanência. Arch Latinoam Nutr. [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 65(2):104-9. Disponível em: https://www.alanrevista.org/ediciones/2015/2/art-5/

Oliveira AGM, Miranda BSN, Oliveira KD, Lourenço MAGC. Prática educativa nutricional como ação de cuidado em uma instituição de longa permanência para idosos: relato de experiência. Rev Pesqui. [Internet]. 2018 [citado em 29 nov 2018]; 10(3):40-3. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.40-43

Costa LG, Amorim MMA, Silva CA, Oliveira MM, Gregório ÉL, Coelho AK. Análise nutricional do almoço consumido por idosas institucionalizadas. E-Scientia [Internet]. 2018 [citado em 29 nov 2018]; 10(2):7-17. Disponível em: http://revistas.unibh.br/index.php/dcbas/article/view/2175/pdf

Souza IA, Massi G. A saúde fonoaudiológica a partir do discurso do idoso institucionalizado. Rev CEFAC [Internet]. 2015 [citado em 19 set 2018]; 17(1):300-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201519413

Carneiro FR, Brasileiro IC, Vasconcelos TB, Arruda VP, Florêncio RS, Moreira TMM. Independência funcional de idosas residentes em instituições de longa permanência. Acta Fisiátrica [Internet]. 2012 [citado em 19 set 2018]; 19(3):156-60. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20120024

Marinho LM, Vieira MA, Andrade JMO, Melo Costa S. Grau de dependência de idosos residentes em instituições de longa permanência. Rev Gaúcha Enferm. [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 34(1):104-10. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472013000100013

Dantas CMHL, Bello FA, Barreto KL, Lima LS. Capacidade funcional de idosos com doenças crônicas residentes em Instituições de Longa Permanência. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 66(6):914-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000600016

Santos JP, Lima-Costa MF, Peixoto SV. Aspectos nutricionais associados à infecção crônica pelo Trypanosoma cruzi (Chagas 1909) entre idosos: Projeto Bambuí. Cad Saúde Pública [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 29(6):1141-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000600011

Silva KA, Silva MFG, Murta NMG. Práticas alimentares e bem-estar de residentes de uma Instituição de Longa Permanência para Idosos da cidade de Diamantina (MG), Brasil. Kairós [Internet]. 2013 [citado em 19 set 2018]; 16(3):221-36. DOI: http://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/27564/19455

Publicado

2020-07-01

Edição

Seção

Revisão